O lugar da cadeia produtiva da maçã no cenário global e local: percepções a partir de uma cidade no sul do Brasil / The place of the apple production chain in the global and local scenario: perceptions from a city in southern Brazil

Graziela da Silva Motta, Daiane da Silva Motta

Abstract


O objetivo deste trabalho é analisar a cadeia produtiva de maçãs e sua relação com trabalhadores em seu contexto local. Tem-se como centro de análise uma cidade no interior do sul do Brasil, onde se fixaram as grandes empresas produtoras da fruta, além de ser um local de alto fluxo migratório de trabalhadores trazidos de diversos lugares do Brasil, como indígenas e imigrantes haitianos. Em termos teóricos, se abordará os estudos de cadeias de valor que dão origem a noção de cadeias globais de valor representados por autores como Porter, Gereffi, entre outros, para conduzir uma visão mais macro dos fenômenos produtivos em escala global. Por conseguinte, a perspectiva micro-sociológica sobre produções de frutos frescos é representadas por autoras como Josefa Salete Cavalcanti e Mônica Bedini. Com isso, observa-se que a cadeia produtiva da maçã é organizada verticalmente, isto é, uma mesma empresa geralmente comporta desde a produção de mudas até a venda do produto final, seja a maçã in natura ou os “refugos” para a indústria. Contrariamente a tendência das Cadeias Globais de Valor que desmembram suas atividades de cadeias em caixas pretas e as lançam para países que oferecem menor custo de produção, a cadeia de produção de maçãs atrai – compulsoriamente ou não – aquilo que lhe ofertaria menor custo de produção: trabalho temporário de baixo custo de trabalhadores indígenas.

 


Keywords


cadeia global de valor, maçãs, trabalho indígena

References


Araujo, J. T. (2013). Fragmentação da produção e competitividade internacional: o caso brasileiro. Revista Brasileira de Comércio Exterior, 115, 42-51.

Baumann, R. (2015) Apresentação. In: OLIVEIRA, S. E. M. C. Cadeias globais de valor e os novos padrões de comércio internacional: estratégias de inserção de Brasil e Canadá. Brasília: FUNAG.

BiernarckI, P., & Waldorf, D. (1981) Snowball sampling-problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods and Research, (10), 141-163.

Cavalcanti, J. S. B. (1997). Frutas para o mercado global. Estudos Avançados, 11(29), 79-93.

Cavalcanti, J. S. B., & Dias, G. H. (2015). Cadeias globais de alimentos, redes de atores e qualidades na produção de frutas para exportação: elos entre Brasil e Alemanha. Estudos de Sociologia, 21(2), 279-310.

Coase, R. (1937) The nature of the firm. Economica, 4(16), 386-405.

Estevadeordal, A., Blyde, J., & Suominen, K. (2013). As cadeias globais de valor são realmente globais? Políticas para acelerar o acesso dos países às redes de produção internacionais. Revista Brasileira de Comércio Exterior, 115, 6-25.

FAO (2017). Dispõe sobre dados de produção mundial de maçãs. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2018.

IBGE. (20188). Traz informações sobre dados socioeconômicos de Vacaria. Disponível em: . Acesso em 27 ago 2018.

Markwald, R. (2013) Cadeias globais de valor: há amplo espaço para a ação das políticas públicas. Revista Brasileira de Comércio Exterior, 115.

Mazon, M. S., & Silva, L. (2017) Produzir maçãs, construir sentidos: gênese da pomicultura no sul do Brasil. Estudos de Sociologia, 22(43), 299-319.

Oliveira, S. E. M. C. (2015) Cadeias globais de valor e os novos padrões de comércio internacional: estratégias de inserção de Brasil e Canadá. Brasília: FUNAG.

Raikes, P., Jensen, M. F., & Ponte, S. (2000) Global commodity chain analysis and the french filière approach: comparison and critique. Journal Economy and Society, 29, 390-417.

Scherer, A. L. F. (2014). Cadeias de valor e cadeias globais de valor. In: Conceição,

C. S., & Feix, R. D. (Orgs.). Elementos conceituais e referências teóricas para o estudo de aglomerações produtivas locais. Porto Alegre: FEE.

Silva, J. G. (1981) Progresso técnico e relações de trabalho na agricultura. São Paulo: Editora Hucitec.

Sturgeon, T., Gereffi, G., Guinn, A., & Zylberberg, E. (2013). O Brasil nas cadeias globais de valor: implicações para a política industrial e de comércio. Revista Brasileira de Comércio Exterior, 115, 26-b41.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-007

Refbacks

  • There are currently no refbacks.