Genealogia e desdobramentos do Estado Brasileiro contemporâneo / Genealogy and developments of the contemporary Brazilian state

Ailton Batista de Albuquerque Junior, Flávia de Araújo Coelho, Maria Sâmia de Oliveira, Natielly Granja Rocha, Leide Dayana Capistrano de Freitas, Silvana Ramos de Assis Freitas

Abstract


O presente trabalho visa realizar um compêndio analítico a partir de uma pesquisa bibliográfica a fim de sintetizar as principais categorias analíticas acerca dos fundamentos do estado brasileiro contemporâneo, a priori, colocando em pauta uma ampla vista geral da origem do Estado conforme obra de Gruppi (1996) que elenca as concepções consoante Marx, Engels, Lênin e Gramsci, aprofundando no viés marxista com ênfase no Estado Integral e Estado Ampliado de Gramsci analisado por Coutinho (1999. Exige, pensar na formação e consequências das oligarquias em que grupos políticos são reduzidos, posto que o poder é exercido por um número limitado de pessoas, grupos, famílias e partidos políticos. Coloca em pauta o liberalismo como doutrina econômica preponderante na contemporaneidade, descrevendo as consequências e múltiplas expressões da “Questão Social”. Implica descortinar as implicações e consequências econômico-sócio-culturais da ditadura civil-militar- empresarial, haja vista que a mesma possui esse tripé segundo alguns autores, devido o apoio em massa ao regime que se implantou. Além disso, será abordado o golpeachment da Presidenta Dilma Rousseff e suas consequências para a democracia brasileira. Constata-se que, hodiernamente, o Brasil está inserido numa crise estrutural do modelo rentista-neoextrativista agravada devido a instauração do protofascismo engendrado na proposta ultraconservadora, extrema direita e ultra neoliberal do governo Bolsonaro, a encarnar suas consequências na sociedade brasileira através da destituição de quaisquer controles democráticos, eliminado direitos sociais como saúde, educação e trabalho e moraria a partir do desmonte de legislação trabalhista, previdenciária, educacional e de saúde pública.

 

 


Keywords


Crise. Golpe. Rentista-neoextrativista.

References


AMORIM, P.H. O quarto poder: uma outra história. São Paulo: Hedra, 2015. BAUMAN, Z. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BOBBIO, N. Estado, governo, sociedade: por uma teoria geral da política. Trad. Marco A. Nogueira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 11 jun.2019.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Novo Desenvolvimentismo e Ortodoxia Convencional. In: Eli Diniz. (Org.). Globalização, Estado e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2007.

CARVALHO, A.M.P. Políticas Públicas e o Dilema de Enfrentamento das Desigualdades: Um olhar Crítico sobre a América Latina no Século XXI. Poder e Políticas Públicas na América,2010.

. Analises de Conjuntura e Crise do Estado. In: Universidade Federal do Ceará

– Aula Inaugural no Campo das Políticas Públicas. Fortaleza: UFC, 2017.

CASTRO, M. F; CARVALHO, M. I.V. Globalization and Recent Political Transitions in Brazil. International Political Science Review, v.24, n.4, 465- 490, 2003.

CHESNAIS, François et al. Uma nova fase do capitalismo? São Paulo: Xamã, 2003.

COUTINHO, C. Gramsci. Um estudo sobre o seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

COUTINHO, C. N. O Estado brasileiro: gênese, crise e alternativas. In: Contracorrente: ensaios sobre a democracia e socialismo.2ºed. Rev.e atual. São Paulo: Cortez, 2008.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e liberdade. São Paulo: Nova Cultral, 1988.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere, volume 5: O Risorgimento. Notas sobre a história da Itália. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

GRUPPI, LucianoL.. Tudo começou com Maquiavel – trad. de Dário Canali. 14. Ed. Porto alegre: L&PM, 1996.

GRZYBOWSKI, Cândido. Os Limites da Democracia brasileira. Le Monde Diplomatic Brasil. Edição 120 – julho 2017. Disponível em: https://diplomatique.org.br/os-limites-da-barbarie/ . Acesso em: 14 jun. 2019.

HOBSBAWM, E. Globalização, democracia e terrorismo. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

KLEIN, N. A doutrina do choque: a ascensão do capitalismo de desastre. Trad. Vania Cury – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

KLIASS, P. O golpeachment e as expectativas.2016. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/O-golpeachment-e-as- expectativas/7/36069. Acesso em: 11 jun 2019.

PAULANI, Leda. A inserção da economia brasileira no cenário mundial: uma reflexão sobre a situação atual à luz da história. Boletim de Economia Política Internacional, Brasília, DF, n. 10, p. 11, abr./jun. 2012.

LIMA BARRETO, Afonso Henriques de. Recordações do escrivão Isaías Caminha. 5.ed. São Paulo: Ática, 1971.

LUZ, N. V. A luta pela industrialização do Brasil. 2. ed. São Paulo: Alfa-ômega, 1975.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. – 6. reimpr. São Paulo: Atlas: 2011.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

O'DONNELL, G. On the state, democratization and some conceptual problems: a latin American view with glances at some postcommunist countries. World Development, 21, 8: 1355-69, 1993.

PREBISCH, Raúl. Dinâmica do desenvolvimento latino-americano. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1964.

RODRIGUES JUNIOR, Natan dos Santos; CARVALHO, Alba Maria Pinho de. Brasil do século XXI: Governo Temer, ofensiva neoliberal e superexploração do trabalho. In:ROCHA, Rozimar M; FRANÇA, Aurilene; ZIENTARSKI, Clarice; RODRIGUES, Eliane; VIDAL, Janio N. (orgs). Capitalismo contemporâneo e educação brasileira: aspectos controversos e atuais. Fortaleza: Expressão gráfica, 2018.

ROVAI, Renato. Golpe 16. São Paulo: Publisher Brasil, 2017.

SOLANEY, Expedito. Março de 2015 não é Março de 1964. Central Única dos Trabalhadores – CUT, 1º abr. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/User_01/Downloads/9619-27391-1-SM.pdf. Acesso em: 14 jun.2019.

SANTOS, B. S.O todo é igual a cada uma das partes. Revista crítica de Ciências Sociais nº 52/53. Novembro, 1988/Fevereiro de 1999.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único ã consciência universal. 28º ed. Rio de Janeiro: Record, 2018.

SPOSATI, A. Regulação social tardia: características das políticas sociais latino- americanas na passagem entre o segundo e o terceiro milênio. Caderno Ideação, II Fórum Social Mundial, Porto Alegre, 2003.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso – da escravidão a Bolsonaro. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2019.

. A classe média no espelho: sua história, seus sonhos e ilusões, suas realdiades. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2019.

TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir. O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

TELLES V. S. A "nova questão social" brasileira: ou como as figuras de nosso atraso viraram símbolo de nossa modernidade. Caderno Crh; 30/31:85-110, 1999.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n8-002

Refbacks

  • There are currently no refbacks.