Teoria queer na prática: diversidade e diferença de gênero em convivência respeitosa na escola pública / Queer theory in practice: diversity and difference of gender in coexistence respect in the public school

Iury de Almeida Accordi, Andréia Ambrósio Accordi

Abstract


A sociedade vive uma “crise de identidade”, onde o conceito de gênero não goza de situação inabalável. Assume-se, entretanto, que nos grupos sociais existem demarcações bem definidas entre as fronteiras do que são “coisas de meninos” e “coisas de meninas”. O processo de tornar-se “homem” ou “mulher” é sustentado e regulado por relações de poder e conhecimento, que podem ser estabelecidas através de um olhar disciplinador que crianças exercem sobre outras crianças. Observou-se, em contraponto, que em uma escola pública estadual de Joinville, SC, meninos que praticam Balé interagem amplamente com todos os seus colegas, tanto meninos quanto meninas, o que contradiz o exposto acima. Tecem-se algumas considerações sobre identidade de gênero; “estranhamento” de gênero e de currículo, com aportes da Teoria Queer, de modo a possibilitar a contextualização desse fato. Por fim, elabora-se um relato e uma análise a respeito dos fatos observados nessa escola, com base em observações diretas e indiretas e fundamentado na base teórica existente e propõe-se o dimensionamento daquilo que passaremos a chamar de “currículo queer”.

 

 


Keywords


Educação Básica. Vigilância panóptica. Escola não normalizadora, Currículo Queer.

References


BARRETO, M. I; ARAÚJO, M. I. O. O estereótipo do homossexual em professores(as) de ciências. Revista Ambivalências, v. 2, n. 3, p. 106-135, 2014. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/Ambivalencias/article/view/2555/2726. Acesso em: 29 jun. 2019.

BUTLER, J. P. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 15. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CORAZZA, S. M. Nos tempos da educação: cenas de uma vida de professora. Revista da ABEN, n. 12, p. 7-10, 2005. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.com.br/revistas/revistaabem/index.php/revistaabem/article/view/329. Acesso em: 29 jun. 2019.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Lisboa: Edições 70, 1975. (Biblioteca de Teoria Política, 9).

HALL, S. A Identidade Cultural da Pós-Modernidade. 10. ed. São Paulo: DP&A Editora, 2006.

KAY, J.; TASMAN, A. Psiquiatria: Ciência Comportamental e Fundamentos Clínicos. Barueri: Editora Manole, 2002.

LARA NETO, O. A. A Teoria Queer e as sexualidades no contexto brasileiro: desafios teórico-metodológicos. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 31, 2007. Anais... Caxambu: ANPOCS, 2007. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/papers-31-encontro/st-7/st18-5/2962-oswaldoneto-a-teoria/file. Acesso em: 29 jun. 2019.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. 96p.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 2. ed. São Paulo: Autêntica. 80 p. (Cadernos da Diversidade).

PAECHTER, C. Meninos e meninas: aprendendo sobre masculinidades e feminidades. Porto Alegre: Artmed, 2009. 192 p.

PILLARD, R. C.; BAILEY, J. M. Human sexual orientation has a heritable component. Human Biology, v. 70, n. 2, p. 347-365, 1998.

SANTOS, R. C. dos; FIGUEIREDO, V. M. C. Dança e inclusão no contexto escolar, um diálogo possível. Pensar a Prática, v. 6, p. 107-116, 2003. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/16052. Acesso em: 29 jun. 2019.

SANTOS, W. S. Teoria Queer e educação para uma abordagem não normalizadora. Revista Sem Aspas, v.6, n.2, p. 183-196, 2017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/8224. Acesso em: 29 jun. 2019.

SILVA, L. I. da C. et al. Diferenças de gêneros nos grupos de brincadeira na rua: a hipótese da aproximação unilateral. Psicologia: Reflexão & Crítica, v. 19, n. 1, p. 114-121, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v19n1/31300.pdf. Acesso em: 29 jun. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-130

Refbacks

  • There are currently no refbacks.