Avaliação da qualidade microbiológica de queijos do tipo coalho comercializados em Maceió-AL / Evaluation of the microbiological quality of rennet-type cheeses commercialized in Maceió-AL

Naiara da Silva Santos, Demetrius Pereira Morilla, Jonas dos Santos Sousa, Alan John Duarte de Freitas, Johnnatan Duarte de Freitas, Mikael de Lima Freitas

Abstract


O queijo coalho é considerado uma grande iguaria do Nordeste brasileiro, tendo como matéria-prima o leite cru. Produzido na maioria das vezes em pequenas queijarias artesanalmente, sem Boas Práticas de Fabricação, acesso à treinamentos necessários para elaboração de um alimento seguro. Esses fatores podem elevar a carga microbiana do produto final, comprometendo as condições de higiene associadas ao armazenamento e transporte, servindo como meio de cultura para microrganismos diversos, sendo assim, o consumidor sofre o risco de ser exposto à patógenos. Dadas essas circunstâncias, duas marcas comerciais, identificadas como A e B, foram submetidas a estudo para quantificar os coliformes termotolerantes (CTT) e evidenciar a presença de Bacillus cereus, Escherichia Coli e Salmonella sp. Os resultados apresentaram para CTT’s de 6,8x102 NMP/g para ambas, utilizando-se a técnica do Número Mais Provável, também chamada de técnica dos tubos múltiplos. Foi estimada contagem de coliformes totais e termotolerantes, tendo como base a Tabela Estatística de Hoskins para cinco tubos. O valor se mostra acima do limite estabelecido pela legislação brasileira, que define como o máximo permitido de coliformes termotolerantes, o valor de 5,0x102 NMP/g de amostra. Através das provas bioquímicas, por meio do Kit de Teste Bactray I, II e III, da Laborclin, foi constatada presença de E. Coli nas duas marcas e Salmonella sp em uma delas.

 

 


Keywords


queijo de coalho, coliformes, Salmonella.

References


ABREU, L.R (2005) Processamento do Leite e Tecnologia de produtos Lácteos-Lavras:UFLA/FAEPE.Associação Brasileira das Indústrias de Queijo - ABIQ. (2015). Disponível em: www.abiq.com.br.

ÁVILA, C.R.; GALLO, C.R. (1996) Pesquisa de Salmonella spp. em leite cru, leite pasteurizado queijo tipo “minas frescal” comercializados no município de Piracicaba, SP. Sci. Agric., v.53, p.159-163.

BASTOS, M. do S.R. et al. Inspeção em uma indústria produtora de queijo tipo coalho no estado do Ceará, visando a implantação das boas práticas de fabricação. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v.57, p.130-136, 2001.

BEHMER, M. L. A. (1999) Tecnologia do leite: leite, queijo, manteiga, caseína, iogurte, sorvetes e instalações: produção, industrialização e análise. 13. ed. São Paulo: Nobel.

BRANT, L.M.F.; FONSECA, L.M.; SILVA, M.C.C. Avaliação da qualidade microbiológica do queijo-de-minas artesanal do Serro-MG. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v.59, n.6, p.1570-1574. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 12, de 02/01/2001. Regulamento Técnico Sobre os Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 02/01/2001. p.1-54.

CATAO, R.M.R.; CEBALLOS, B.S.O. (2001) Pesquisa de. Listeria spp., coliformes totais e fecais e E. coli no leite cru e pasteurizado de uma indústria de laticínios, no estado da Paraíba (Brasil). Cienc. Tecnol. Aliment., v.21, p.281-287.

CORREIA, M.; RONCADA, M.J. Caracterização microscópica de queijo de prato, mussarela e mineiro comercializados em feiras livres da cidade de São Paulo. Revista de Saúde Pública, v.31, n.3, p. 296-301, 1997.

DUARTE, D.A.M.; SCHUCH, D.M.T.; SANTOS, S.B. (2005) Pesquisa de Listeria monocytogenes e microrganismos indicadores higiênico-sanitários em queijo-coalho produzido e comercializado no estado de Pernambuco. Arq. Inst. Biol., v.72, p.297-302.

FEITOSA, T.; BORGES, M.F.; NASSU, R.T. (2003) Pesquisa de Salmonella sp., Listeria sp. e microrganismos indicadores higiênico-sanitários em queijos produzidos no Estado do Rio Grande do Norte. Cienc. Tecnol. Aliment., v.23, p.162- 165.

FRANCO, B. D. G. M. (2003) Microbiologia dos Alimentos, 2º edição – São Paulo: Editora Atheneu.

HAJDENWURCEL, J. R. (1998) Atlas de microbiologia de alimentos. Fonte Comunicação e editora. São Paulo, Volume I, 66p).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/historico

LABORCLIN. Linhas de Produtos. Disponível em: http://www.laborclin.com.br/principal.asp

PEIXOTO, A.M.S.; PRAÇA, E.F.; GÓIS, V.A. de,. A potencialidade microbiológica de coagulação do coalho líquido artesanal. Revista Verde (Mossoró – RN – Brasil) v.2, n.2, p. 52 – 64 Julho/Dezembro de 2007. Microbiologia

PERRY, K.S.P. (2004) Queijos: aspectos químicos, bioquímicos e microbiológicos. Quim. Nova, v.27, p.293-300.

SALOTTI, B.M.; CARVALHO, A.C.F.B.; AMARAL, L.A. et al. Qualidade microbiológica do queijo minas frescal comercializado no município de Jaboticaba, SP, Brasil. Arq. Inst. Biol., v.73, p. 171-175, 2006

SANTANA, R. F.; SANTOS, D. M.; MARTINEZ, A. C. C.; LIMA, Á. S. (2008) Qualidade microbiológica de queijo-coalho comercializado em Aracaju, SE. Arq Bras Med Vet Zootec., v. 60, n. 6, p. 1517-1522

SILVA, F; SILVA, G. (2013) Análise microbiológica e físico-química de queijos coloniais com e sem inspeção, comercializados na microrregião de Francisco Beltrão-PR. 58f. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Francisco Beltrão.

VANDERZANT, C.; SPLITTSTOESSER, D.F. Compendium for the microbiological examination of foods. 3.ed. Washington, DC: American Public Health Association, 1992.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-121

Refbacks

  • There are currently no refbacks.