(Re)inclusão de um aluno tetraplégico em uma instituição de ensino superior / (Re)inclusion of a tetraplegic student in a higher education institution

Karla Rona da Silva, Shirlei Moreira da Costa Faria, Jhonatan Gomes Vieira Fróis, Sara Moura Martins, Sônia Maria Nunes Viana, Elizabeth Cristina Pereira Morbeck

Abstract


O objetivo deste artigo é descrever os desafios e experiências das autoras para (re)inclusão de um aluno tetraplégico em uma Instituição de Ensino Superior Pública. Trata-se de estudo descritivo, tipo relato de experiência, produzido a partir da vivência das autoras que iniciou no ano de 2016 e na atualidade, encontra-se em desenvolvimento. A coleta de dados foi realizada com base nas observações das autoras sobre a realidade vivenciada e descrita em um caderno de registro, sendo esse o objeto de estudo alvo. O relato da experiência consiste na descrição da história de um aluno que ficou tetraplégico durante o curso de graduação e seu processo de re(inclusão) na instituição de ensino. Várias ações para (re)inclusão deste estudante foram implementadas: planos de estudos adaptados, professor tutor, monitoria, atividades curriculares modulares, aulas domiciliares e sensibilização da turma. Muitos são os desafios, como fragilidade na garantia de acessibilidade ao estudante deficiente, dificuldade para a mudança da cultura organizacional e acesso dificultado aos recursos tecnológicos assistidos. Nossos resultados retratam uma construção coletiva adaptada aos diferentes atores envolvidos com impacto potencial para legitimação de um ambiente receptivo, inclusivo e legítimo, mas ainda em processo de construção.

 


Keywords


Inclusão em educação. Cultura organizacional. Deficiência física

References


BRASIL. Decreto-lei nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 nov. 2011. Seção 1, p. 12.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 20 dez. 2000. Seção 1, p. 2.

BRASIL. Lei n° 13. 146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 07 jul. 2015. Seção 1, p. 2.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento orientador Programa Incluir- Acessibilidade na educação superior SECADI/SESu-2013. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12737documento-orientador-programa-incluir-pdf&category_slug=marco-2013-pdf&Itemid=30192> .Acesso em: 08 set. 2018.

DESLANDES; S. F. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 25. ed, Revista e atualizada. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. 274 p. FÁVERO; O. et al. Tornar a educação inclusiva. Brasília: ANPED, 2009. Disponível em: < http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184683por.pdf>. Acesso em: 08 de set. 2018.

FERRARI, M. A. L; SEKKEL, M. C. Educação inclusiva no ensino superior: um novo desafio. Revista Psicologia: ciência e profissão, Brasília. v. 27, n.4, p. 636- 647. dez. 2007.

FERNANDES, A. C. R; OLIVEIRA, M. C. S. L; ALMEIDA, L.S. Inclusão de estudantes com deficiências na Universidade: Estudo em uma universidade portuguesa. Revista Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 483-492, set./dez. 2016.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 103 p. LAVILLE; C, DIONNE; J. A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Tradução Heloísa Monteiro e Francisco Settineri, Porto Alegre: Artmed: Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. 227 p.

LIMA, N. B. A. et al. Importância da mobilidade para tetraplégicos e paraplégicos: implementação dos conhecimentos de enfermagem no cuidar multidimensional. Revista de Pesquisa: cuidado é fundamental on line. Rio de Janeiro, v. 9, n.1, p. 289-296, jan./mar. 2017. Disponívelem:. Acesso em: 10 de set. 2018.

PETTIGREW, A. M. On studying organizacional cultures. Magazine Administrative Science Quarterly. New York, v. 24, n. 4, p. 570-581, dec. 1979. Disponível em: < https://pdfs.semanticscholar.org/7c7e/937b7c02a4c3d29f3ef2620519fe8277d70c.pdf >. Acesso em: 06 de set. 2018.

TOMELI, K. N et al. Educação inclusiva no ensino superior: desafios e experiências de um núcleo de apoio discente e docente. Revista Psicopedagogia, São Paulo, v. 35, n.106, p. 94-103, abr. 2018.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. 258 p.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Declaração de Salamanca e enquadramento da ação na área das necessidades educativas especiais in Conferência Mundial sobre necessidades educativas especiais. Espanha: UNESCO. Disponível em: < http://redeinclusao.pt/media/fl_9.pdf>. Acesso em: 11 de set. 2018.

Fundo das Nações Unidas para Infância- UNICEF. Declaração Mundial sobre Educação para Todos in Conferência de Jomtien. 1990. Tailândia. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10230.htm > . Acesso em: 08 de set. 2018.

ZAGO, C. C. Cultura Organizacional: formação, conceito e constituição. Sistemas & Gestão: Revista Eletrônica. Niterói, v. 8, n. 2, p. 106-117. 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 de set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-117

Refbacks

  • There are currently no refbacks.