Racismo institucional: da perpetuação da discriminação racial, às formas de enfrentamento do grupo de trabalho de combate ao racismo do ministério público de Pernambuco / Institutional racism: from the perpetuation of racial discrimination to the forms of counsel of the working group to combat the racism of the public ministry of Pernambuco

Marinete Cabral Cavalcanti da Silva, Guilhermina Darc Carneiro do Nascimento

Abstract


O presente estudo tem como objetivo analisar de que maneira as ações realizadas pelo Grupo de Trabalho de Combate ao Racismo do Ministério Público de Pernambuco contribuíram para o enfrentamento do racismo institucional nos anos de 2003 a 2004 e 2015 a 2016. O aporte-teórico metodológico teve por base uma pesquisa exploratória, descritiva, de abordagem bibliográfica e netnográfica[1], de natureza qualitativa. Concluiu-se com o estudo que as ações do Grupo têm obtido resultados satisfatórios no que se refere ao enfrentamento do racismo institucional. A análise evidenciou também, a importância da continuidade do trabalho do referido Grupo de Trabalho, além de apontar para a necessidade da criação de outros GT’s em instituições públicas e instituições privadas.

 


Keywords


Racismo institucional. Ministério Público de Pernambuco. GT Racismo. Enfrentamento ao racismo.

References


ALBUQUERQUE, Wlamyra R de; FILHO, Wálter Fraga. Uma história do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006. 320 p. Disponível em: . Acesso em 06 de mar. 2017.

ALMEIDA, Silvio de. O que é racismo estrutural? TV Boitempo. São Paulo: 2016. Disponível em: . Acesso em 01 de ago. 2017.

ARAGAKI, Bruno. Dois em cada três analfabetos brasileiros são negros ou pardos, diz IBGE. UOL Educação: 2007. Disponível em: . Acesso em 09 de jan. 2017.

BARROS, Douglas Rodrigues. O racismo é a forma de manutenção do capitalismo à brasileira. Coluna: Escrita da História. Carta Capital. São Paulo. 2015. Disponível em: . Acesso em 03 de out. 2017.

BRASIL. Lei complementar nº 40, de 14 de dezembro de 1981. Estabelece normas gerais a serem adotadas na organização do Ministério Público estadual. Brasil: 1981. Disponível em: . Acesso em 18 de nov. 2017.

______. Lei Nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Brasília: 2010. Disponível em: . Acesso em 20 de jul. 2017.

______. Lei Nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília: 2008. Disponível em: . Acesso em 17 de out. 2017.

______. Presidência da República. Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas – SPAA/SEPPIR. Racismo como determinante social de saúde. Brasília: 2011. 16 p. Disponível em: . Acesso em 10 de jan. 2017.

CAMURÇA, Silvia; GOUVEIA, Taciana. O que é gênero. 4. ed. Recife: SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia. 2004. 40 p. Disponível em: . Acesso em 03 de out. 2017.

CASTELLS, Manoel. O poder da identidade Volume II. Tradução: Klauss Brandini Gerhardt. Paz e Terra. Cap. I São Paulo: 1999. 44 p. Disponível em: . Acesso em 28 de set. 2017.

D’ORSI, Eleonora. Et al. Desigualdades sociais e satisfação das mulheres com o atendimento ao parto no Brasil: estudo nacional de base hospitalar. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro: 2014. 15 p. Disponível em: . Acesso em 14 de set. 2017.

FARIAS, Lindbergh. Relatório final. CPI assassinato de jovens. Brasília: 2016. Disponível em: . Acesso em 25 de ago. 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. 129 p. Disponível em: . Acesso em 12 de nov. 2017.

GRIN, Monica. “Raça” Debate Público no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, 2010. 203 p.

IAMAMOTO, Marilda Villela; CARVALHO, Raul de. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 23. ed. São Paulo: Cortez, CELATS, 2008. 380 p.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Retrato das desigualdades de gênero e raça. 4ª ed. Brasília: Ipea, 2011. 42 p. Disponível em: . Acesso em 27 de ago. 2017.

______. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Situação social da população negra por estado. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. – Brasília: IPEA, 2014. 115 p. Disponível em: . Acesso em 09 de set. 2017.

KAMEL, Ali. Não somos racistas: Uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006. 143 p.

LOPES, Raíssa. Racistas não vão para a cadeia. 2014. Disponível em: . Acesso em 18 de nov. 2017.

MAGNOLI, Demétrio. Constituição do racismo. Folha de São Paulo. Caderno de Opinião. São Paulo: 2006. Disponível em: . Acesso em 22 de set. 2017.

MARTINS, Miguel. O racismo em números. Carta Capital Revista eletrônica. Caderno de Política. Políticas públicas. 2014. Disponível em: Acesso em 10 de janeiro de 2017.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. 2ª ed. São Paulo: Editora Instituto José Luís e Rosa Sundermann. 2008. 112 p.

MATURANA, Márcio. As novas cores da (des)igualdade racial. Senado Notícias. Brasília: 2015. Disponível em: . Acesso em 22 de set. 2017.

Ministério Público de Pernambuco. Conheça o GT Racismo. Recife: [ca. 2017b]. Disponível em: < http://www.mppe.mp.br/mppe/institucional/nucleos-e-gts/gt-racismo>. Acesso em 14 de out. 2017.

MOORE, Carlos. Racismo e sociedade: Novas bases epistemológicas para a compreensão do Racismo. Belo Horizonte: Mazza Edições. 2007. Disponível em: . Acesso em 08 de jul. 2017.

MORAES, Fabiana. No País do Racismo Institucional: Dez anos de ações do GT Racismo no MPPE. Recife: Publicações Ministério Público de Pernambuco, 2014. 175 p.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia Política: Uma introdução crítica. Biblioteca Básica de Serviço Social. Vol. 1. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012. 263 p.

NOGUERA, Renato. Seminário “Enfrentando o Racismo Institucional”. São Paulo: 2016. Disponível em: . Acesso em 11 de nov. 2017.

PAIXÃO Marcelo; CARVANO Luiz M.; ROSSETTO Irene. Desigualdade racial e crise: indicadores de acesso ao mercado de trabalho metropolitano desagregados por cor ou raça em 2009. 2011. 16 p. Disponível em: Acesso em 10 de jan. 2017.

PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE. 2013. Acesso e Utilização dos Serviços de Saúde, Acidentes e Violências. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Ministério da Saúde. IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. 100 p. Disponível em: Acesso em 14 de set. 2017.

PINSKY, Jaime. A escravidão no Brasil. 21. Ed. São Paulo: Contexto, 2011. 95 p.

POMPEU, Fernanda. Os efeitos psicossociais do racismo. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Instituto AMMA Psique e Negritude, 2008. 88 p. Disponível em: . Acesso em 08 de set. 2017.

PORTAL BRASIL. Cidadania e Justiça. Estatuto da Igualdade Racial é um marco no combate ao racismo e ao preconceito. Combate ao racismo. Brasília: 2017. Disponível em: . Acesso em 15 de set. 2017.

PORTAL DA SAÚDE. Ministério da Saúde. Indicadores de saúde. Indicadores e dados sobre a saúde da população negra. Brasília: 2012. Disponível em: Acesso em 14 de setembro de 2017.

ROCHA, Paula Jung. MONTARDO, Sandra Portella. Netnografia: incursões metodológicas na cibercultura. 2005. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Disponível em: . Acesso em 17 de mar. 2017.

SALES JÚNIOR, Ronaldo L. de. Raça e justiça: o mito da democracia racial e o racismo institucional no fluxo da justiça. 2006. 476 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2006. Disponível em: . Acesso em 01 de mar. 2017.

SANTOS, Cleito Pereira dos; BRAGA, Lisandro; MAESTRI, Mário; VIANA, Nildo. Capitalismo e Questão Racial. 1. ed. Rio de Janeiro: Corifeu, 2007 84 p. Disponível em: . Acesso em 28 de jul. 2017.

SILVA, Flávia Carolina da. A análise da representação do/a negro/a em um livro didático. Revista África e Africanidades - Ano 8 – n.20, jul. 2015 – ISSN 1983-2354. 2015. 18 p. Disponível em: . Acesso em 11 de set. 2017.

SILVA, Tatiana Dias. O Estatuto da Igualdade Racial. 1712 Texto para discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. 2012. 70 p. Disponível em: . Acesso em 20 de set. 2017.

Sistema Nações Unidas. Subsídios para o debate sobre a POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA: Uma Questão de Equidade. Brasília: 2001. 13 p. Disponível em: . Acesso em 17 de nov. 2017.

TELLES, Edward. Racismo à brasileira. Uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Ford, 2003. 347 p.

TV BRASIL. EBC. Estatuto da Igualdade Racial. Ver TV. Brasília: 2015b. Disponível em: . Acesso em 22 de set. 2017.

WERNECK, Jurema. Racismo Institucional Uma Abordagem Conceitual. Rio de Janeiro: Ibraphel. [2013] 55 p. Disponível em: . Acesso em 11 de jul. 2017.

WIEVIORKA, Michel. O racismo, uma introdução. São Paulo: Perspectiva, 2007. 164 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-083

Refbacks

  • There are currently no refbacks.