Jogos analógicos contextualizados à cultura surda – mediando a aquisição da libras como primeira língua por crianças surdas / Analog games contextualized to the deaf culture - mediating the acquisition of pounds as the first language by deaf children

Sarah Maria de Oliveira, Lana Carol de Sousa Martins, Terezinha Teixeira Joca, Marilene Calderaro Munguba

Abstract


O presente estudo se propõe a descrever a experiência de construção de jogos analógicos utilizando ferramentas da comunicação para a mediação da aquisição da Libras como primeira língua (L1) por crianças surdas, adotando como referência a cultura surda. Trata-se de um relato de experiência sobre o processo de construção de jogos analógicos para crianças surdas visando a mediação da aquisição da Libras como L1, que ocorreu de fevereiro 2014 a setembro de 2015, na Universidade de Fortaleza. Participaram das atividades, seis alunos de Iniciação Científica do curso de Terapia Ocupacional (3), dentre eles uma aluna surda, Medicina (1) e Fonoaudiologia (2), todos da Unifor. Constituíram, ainda, o grupo, uma terapeuta ocupacional e orientadora do projeto, uma fisioterapeuta (surda) e uma publicitária. Durante o percurso adotou-se o diário de campo para o registro das informações. Os resultados apontam a percepção dos alunos quanto a relevância do seu processo de capacitação para a construção dos jogos analógicos, que adotou como diretriz a linguagem e suas variadas formas de comunicação concernentes ao colorido, ao contraste, à imagem e à escrita, considerando a visualidade e a cultura da criança surda. Concluiu-se que é determinante sensibilizar e capacitar os futuros profissionais quanto às peculiaridades sensoriais da criança surda durante o processo de construção de jogos analógicos contextualizados a cultura surda que favoreçam a mediação da aquisição da Libras como L1 pela criança surda.  

 

 

 


Keywords


Jogos, Cultura Surda, Libras, Criança.

References


BROUGÈRE, G. A criança nas imagens. In: _____. Brinquedos e companhia. Tradução Maria Alice A Sampaio Dória. São Paulo: Cortez. 2004. p.75-91.

CAMPELLO, A. R. S. Aspectos da visualidade na educação dos surdos. Florianópolis, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/91182. Acesso em: 02 de fevereiro de 2018.

_____. Pedagogia visual/sinal na educação dos surdos. In: QUADROS, R. M.; PERLIN, G. (Orgs.). Estudos surdos II. Petrópolis: Arara Azul. 2007. p. 100-131.

DESLANDES, S. F.; GOMES, R.; MINAYO, M. C. S. (Orgs.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2015. (Coleção temas sociais).

FERNANDES, E; CORREIA, M. C. Bilinguismo e surdez: a evolução dos conceitos no domínio da linguagem. In.: FERNANDES, E. (org). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Meditação, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 42. reimp. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

GOLDING, M.; WHITE, D. Pantone web color resource kit: guia de cores para web designers. São Paulo: Quark, 1997.

GOMES, J. F. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras, 2009.

GUIMARÃES, L. A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores. São Paulo: Annablume, 2004.

LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F.; CAETANO, J. F. Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. In: LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F. (Orgs.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: EduFSCar, 2013. p.185200.

MARCATO, S. A. et al. Um Ambiente para a Aprendizagem da Língua de Sinais. In: SBC 2000 – CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO,10, Curitiba. Anais do XX Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, Curitiba: PUCPR, 2000. s.p. Disponível em: http://www2.sbc.org.br/csbc2000/wie.htm#selecionados Acesso em 01 de junho de 2018

MUNGUBA, M. C. Abordagem da terapia ocupacional na disfunção auditiva. In: CAVALCANTI, A.; GALVÃO, C. Terapia ocupacional: fundamentação & prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. p.385-398.

NAKAGAWA, F. S. A visualidade da montagem no longa-metragem Irreversível. UNIrevista, v. 1, n 3, p. 1-14, (julho de 2006). Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br. Acesso em: 05 de fevereiro de 2018.

QUADROS, R. M.; CRUZ, C. R. Língua de sinais: instrumentos de avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2011.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2007.

REILY, L. H. As imagens: o lúdico e o absurdo no ensino de arte para pré-escolares surdos. In: SILVA, I. R.; KAUCHAKJE, S.; GESUELI, Z. M. (Orgs). Cidadania, surdez e linguagem: desafios e realidades. São Paulo: Plexus, 2003.

RODRIGUES, C. H.; QUADROS, R. M. Diferenças e linguagens: a visibilidade dos ganhos surdos na atualidade. Revista Teias, v. 16, n. 40, p.72-88, 2015.

ROSA, E. F.; LUCHI M. Semiótica imagética: a importância da imagem na aprendizagem. In: Encontro do CELSUL, 9, Palhoça, Anais do IX Encontro do CELSUL, Palhoça, SC, 2010. Disponível em: http://docplayer.com.br/22009249-Semiotica-imagetica-a-importancia-daimagem-na-aprendizagem.html. Acesso em: 05 de fevereiro de 2018.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2016.

SILVA, D. N. H. Como brincam as crianças surdas. São Paulo: Plexus, 2002.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: UFSC, 2008.

VASCONCELOS, L. R. et al. Intervenção precoce bilíngüe – construção de recursos terapêuticos ocupacionais utilizando a cultura surda como referência. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 22, n. Suplemento Especial 02, p.82-88, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-079

Refbacks

  • There are currently no refbacks.