Descrição dos riscos relacionados à tatuagem em agentes penitenciários / Description of risks related to tattooing of prison staff

Suzana Botão Ayres Pereira, Lirane Elize Ferreto, Renata Himovski Torres

Abstract


As tatuagens são desde os primórdios meios de individualização cultural e estética. O objetivo da pesquisa foi de descrever fatores relacionados a escolha dos locais para tatuar-se e a observação e normas de biossegurança entre agentes penitenciários. Dados secundários oriundos da pesquisa “Qualidade de vida, sofrimento psíquico e vitimização do trabalhador nas instituições de segurança pública”. Foi produzida uma análise descritiva utilizando-se da frequência entre os sexos, média e desvio-padrão. Dos 107 agentes penitenciários entrevistados 23,4% possuíam de uma a seis tatuagens no corpo. A média de idade entre os tatuados foi de 36,64 anos±7,01 anos. Dentre os motivos para realização de tatuagem destacou-se a influência de amigos, modismo e cobrir cicatriz. Os principais tipos escolhidos foram animais, figura humana, nomes/letras e tribal. Entre os homens a escolha foi pelo tamanho grande da tatuagem e entre as mulheres o tamanho médio. Em ambos os sexos a principal escolha na localização no corpo foi a nuca. Não houve relato de lesão decorrente da tatuagem, dermatite de contato ou cicatriz inestética, 15,8% relataram ter ocorrido modificação da cor da tatuagem. Recomenda-se o planejamento de ações de segurança em saúde direcionada aos tatuadores para saberem lidar com os riscos e biossegurança/orientação e a população para poder saber escolher o serviço de tatuagem para evitar eventuais danos provocados pelo processo de tatuar já que se observa uma tendência do aumento do número de pessoas tatuadas e da importância da abordagem, devido às suas múltiplas implicações, sociais, econômicas e na saúde.

 


Keywords


Agentes penitenciários, Tatuagem, Promoção da Saúde.

References


BRAGA, Sandro. a tatuagem como gênero: uma visão discursiva. Linguagem em (dis)curso, v. 9, n. 1, p. 131-155, jan./abr. 2009. Disponível em: .Acesso em: 26 fev. 2018.

SILVA, Bruna Cristina D. A Tatuagem na Contemporaneidade. 2010. 56 f. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Santa Catarina.

GHIZONI, Tiago S. Do Porto à Pele: A história da tatuagem profissional no Brasil. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso, Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina.

PEREZ, Andrea Lissett. A identidade à flor da pele: etnografia da prática da tatuagem na contemporaneidade. Mana, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 179-206, abr. 2006. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018

MOREIRA, Jacqueline de Oliveira; TEIXEIRA, Leônia Cavalcante; NICOLAU, Roseane de Freitas. Inscrições corporais: tatuagens, piercings e escarificações à luz da psicanálise. Rev. latinoam. psicopatol. fundam., São Paulo , v. 13, n. 4, p. 585-598, Dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018

BALISCEI, João Paulo; STEIN, Vinícius; CHIANG, Chih Wei. Marcas na pele: reflexões sobre tatuagem, identidade e escolarização pós-moderna. Revista Digital do LAV, p. 028-047, dez. 2015. ISSN 1983-7348. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

PATRIOTA, Beatriz. O Essencial é visível para os olhos: processo de construção de identidade por meio da tatuagem. In: CASTRO, Ana Lúcia de; LANDA, Maria Inés (Org.). Corpos, poderes e processos de subjetivação: discursos e práticas na cultura contemporânea. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2017. p. 167-186.

FERREIRA, Vitor Sérgio. Política do corpo e política da vida: a tatuagem e o body piercing como expressão corporal de uma ética da dissidência. Etnográfica, v. 11, n. 2, p. 291-326, set. 2012. Disponível em: .Acesso em: 26 fev. 2018.

DOURADO JUNIOR, José Brasileiro; et al. Prevalência e características sociodemográficas, criminais e clínicas de pacientes tatuados em medida de segurança no instituto psiquiátrico forense Dr. Maurício Cardoso. Revista Derecho y Cambio Social. Mai, 2016. Disponível em: < http://www.derechoycambiosocial.com/revista044/PREVALENCIA_E_CARACTERISTICAS_SOCIODEMOGRAFICAS.pdf> Acesso em : 26 fev. 2018.

PIRES, Lisa Maria Baptista Afonso Rodrigues. Riscos Associados às tatuagens decorativas. Dissertação, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Universidade do Porto. Jul, 2014. Disponível em : < https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/76529> Acesso em : 26 fev. 2018.

COSTA, Ana Maria Medeiros da. "Se fazer" tatuar: traço e escrita das bordas corporais.Estilos clin., São Paulo , v. 7, n. 12, p. 56-63, 2002 . Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

MARTINS, Camilla Jade; BEHLING, Hans Peder. Tatuagem e comunicação: O corpo como meio e a tatuagem como mensagem. In: XIII CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUL, 2012, Chapecó- SC. Santa Catarina: UNIVALI, 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

DOS SANTOS, F. TATUAGEM: O CORPO COMO CULTURA DE MASSA. Anais do EVINCI - UniBrasil, Local de publicação (editar no plugin de tradução o arquivo da citação ABNT), 1, jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

FERREIRA, Vitor Sérgio. Tatuagem, body piercing e a experiência da dor: emoção, ritualização e medicalização. Saude soc., São Paulo , v. 19, n. 2, p. 231-248, Jun, 2010 . Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

GALINDO, Dolores Cristina Gomes. Ilustrar, modificar, manipular: Arte como questão de segurança da vida, 2006. 181 f. Tese ( Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: Acesso em: 26 fev. 2018

PEREIRA, Beatriz Patriota. “O mais profundo é a pele”: processos de construção da identidade por meio da tatuagem. Dissertação (Mestrado em Sociologia)- Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, 2016. Disponível em: < https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/7471> Acesso em: 26 fev. 2018.

SOUSA, Adriana Pereira de. Os signos de representação do “eu” e do “outro”: A prática da tatuagem carcerária. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade Federal da Paraíba, Paraíba, 2010. Disponível em: < http://tede.biblioteca.ufpb.br/handle/tede/7344> Acesso em: 26 fev. 2018




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-058

Refbacks

  • There are currently no refbacks.