Deficiência auditiva e inclusão de alunos: um estudo de caso na perspectiva dos professores, intérpretes e coordenadores em uma escola privada na cidade de Imperatriz -MA / Auditory deficiency and inclusion of students: a case study from the perspective of teachers, interpreters and coordinators at a private school in the city of Imperatriz -MA

Francisco Sousa da Silva, Cristina Sousa da Silva, Deusilene da Silva Alencar, Maika Rodrigues Amorim

Abstract


O objetivo deste trabalho é identificar como ocorre a inclusão dos alunos com deficiência auditiva em uma escola privada de ensino fundamental do 1º ao 5º ano, na cidade de Imperatriz, Estado do Maranhão. Para a consecução do objetivo proposto realizou-se uma pesquisa bibliográfica e de campo. A inclusão é uma situação e/ou condição que engloba uma série de desafios. O intérprete e o professor são vistos em ambiente de sala de aula como mediadores no processo de aprendizagem do educando, devem ainda lhe proporcionar os subsídios necessários (práticos e teóricos) com a finalidade de que haja um desenvolvimento cognitivo significativo, principalmente em um processo de inclusão de um portador de necessidades especiais. No decorrer deste estudo compreendeu-se que dentro da história dos surdos convém mencionar que muitas transformações ocorreram até os dias de hoje, mas que existem inúmeras lacunas a serem perfecionadas para melhorar o processo de ensino-aprendizagem. Constatou-se que muitos professores possuem apenas conhecimento mediano na Libras e que pela falta de domínio a figura e presença do intérprete é fundamental. Constatou-se ainda que são mínimas as ações voltadas para a inclusão da pessoa com deficiência.

 


Keywords


Inclusão, Libras, Surdez, Professor, Intérprete.

References


ALMEIDA, Mário de Sousa, Elaboração de Projeto, TCC, Dissertação e Tese:uma abordagem simples, prática e objetiva. São Paulo: Atlas, 2011.

ALVES, Fátima. Inclusão: muitos olhares, vários caminhos e um grande desafio – 4 ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2009.

BARBOSA, M.A et al. Linguagem Brasileira de Sinais: um desafio para a assistência de enfermagem. Revista de Enfermagem. V.11, n.3, p. 247-251. UERJ: 2003.

BRASIL. Lei 10.436/02. Oficialização da Língua Brasileira de Sinais Disponível em: http://planalto.gov.br Acesso em 12 dez 2013

BRASIL. Decreto Lei 5.626/05. Regulamentação da profissão de intérprete de LIBRAS. Disponível em: http://planalto.gov.br Acesso em 13 dez 2013

CICCONE, M. Comunicação total: introdução – estratégia a pessoa surda. Rio de Janeiro: Cultura Média, 2008.

DELGADO, E.I (ORG). Políticas Educacionais em crise e a prática docente. 1 ed. São Paulo: Canoa, 2005.

GESSE, Audrei. Libras - Que língua essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola editorial,2009.

GOMES, Claudia Ap. Valderramas. A audição e a surdez. In: Saberes e práticas da inclusão. 2 ed. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

KARIN, Strobel. Educação de surdos. Florianópolis: UFSC, 2011.

LACERDA,C.B. A prática pedagógica medida (também) pela língua de sinais: trabalhando com sujeitos surdos. Caderno Cedes, Campinas, ano XX, n.50, p.70-83, abr.2000.

OMS. ORGANIZAÇÂO MUNDIAL DE SAÚDE. Disponível em: http//:www.oms.org Acesso em 28 fev 2014

RODRIGUES, Celiane Costa; MENDES, Lizaeth. A inclusão da criança surda no ensino regular dos alunos de uma escola da cidade de Imperatriz-MA. TCC. Imperatriz: Facimp, 2012.

SEVERINO,Antonio Joaquim.Metodologia Do Trabalho Cientifico.23˚.ed.at. São Paulo:Cortez,2010.

SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 2.ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2008.

TOREZANI,Walquiria. Estatística I.Faculdade Univila .Vila velha:2004

VEOLOSO, Éden; MAIA FILHO, Valdeci. Aprenda Libras com eficiência e rapidez. Vol.1.Curitiba: Mãos Sinais, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.