Agrupamento dos estados brasileiros visando identificar similaridades com a atual divisão do país em regiões / Grouping of Brazilian states aiming to identify similarities with the current division of the country into regions

Amanda Trojan Fenerich, Maria Teresinha Arns Steiner, Diego Paolo Tsutsumi, Mirian Batista Oliveira Bortoluzzi, Isaac Pergher

Abstract


O objetivo do artigo é realizar uma análise de cluster, identificando as similaridades entre os estados brasileiros no que tange os aspectos políticos, populacionais, educacionais, econômicos, de trabalho e de renda, e assim verificar se existe relação entre o resultado técnico da clusterização com os fundamentos e ideais dos movimentos separatistas brasileiros. Os dados foram coletados de órgãos do governo nacional. Foram realizadas análises descritivas dos dados, e para a análise de cluster utilizou-se o algoritmo -means, com  variando de  a , por meio das distâncias Euclidiana e de Manhattan. Os resultados obtidos enfatizam as diferenças entre os estados brasileiros, já encontrados em outros estudos da área. Os clusters nos quais os estados foram alocados, em sua maioria, representam uma divisão entre os estados das regiões sul/sudeste/centro-oeste, dos estados das regiões norte/nordeste. Foi possível também verificar os clusters de maior ou menor desempenho.


Keywords


clusterização, movimentos separatistas, regiões brasileiras.

References


ARTHUR, D.; VASSILVITSKII, S. (2007). k-means++: The advantages of careful seeding. In: Proceedings of the eighteenth annual ACM-SIAM symposium on Discrete algorithms. Society for Industrial and Applied Mathematics. p. 1027-1035.

BANDEIRA, P.S. (1993). A ressurreição do separatismo no Brasil. Indicadores Econômicos FEE, v. 20, n. 4, p. 206-215.

BEARY, B. (2011). Separatist movements: A global reference. Washington, DC: CQ Press, a Division of SAGE.

CAMPANA, N.M.; CALIARI, T. (2015) Desenvolvimento econômico, tecnológico e científico dos estados brasileiros: um estudo para os anos de 2002 e 2010. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 9, n. 1, p. 93-109.

CARVALHO, A.; DA MATA, D.; RESENDE, G.M. (2007). Clusterização dos municípios brasileiros. Dinâmica dos municípios. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, p. 181-207.

DEZA, M.M.; DEZA, E. (2009). Encyclopedia of distances. In: Encyclopedia of Distances. Springer, Berlin, Heidelberg. p. 1-583.

GRIFFITHS, R.D. (2016). Age of Secession: the international and domestic determinants of State birth. Cambridge University Press.

HEWITT, C.; CHEETHAM, T. (2000). Encyclopedia of modern separatist movements. Santa Barbara, CA, ABC-CLIO.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo Demográfico, 2010. Disponível em: . Acesso em 20 de janeiro de 2018.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, 2017. Disponível em: . Acesso em 20 de janeiro de 2018.

INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Censo Educacional, 2015. Disponível em: < http://www.inep.gov.br/>. Acesso em 20 de janeiro de 2018.

INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Censo da Educação Superior, 2016. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/web/guest/educacao-superiorAcesso em 20 de janeiro de 2018.

JAIN, A. K. (2010). Data clustering: 50 years beyond K-means. Pattern recognition letters, v. 31, n. 8, p. 651-666.

KRAUSE, E.F. (1975). Taxicab geometry: An adventure in non-Euclidean geometry. Courier Corporation.

MACQUEEN, J. (1967). Some methods for classification and analysis of multivariate observations. In: Proceedings of the fifth Berkeley symposium on mathematical statistics and probability. p. 281-297.

MARION FILHO, P. J.; LAZARETTI, L. R.; BATISTELLA, P.; TEIXEIRA, F. O. (2017). Os estados brasileiros na transição demográfica: similaridades e características discriminantes. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, v. 10, n. 2, p. 09-24.

MASHURI, A.; VAN LEEUWEN, E. (2017) Predicting Support for Reconciliation in Separatist Conflict. Personality and Social Psychology Bulletin. Personality and Social Psychology Bulletin, vol. 44(2) 173–185.

MINAHAN, J.B. (2016). Encyclopedia of Stateless Nations: Ethnic and National Groups around the World. Santa Barbara, CA, Greenwood.

PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). Índice de Desenvolvimento Humano. Disponível em: . Acesso em 20 de janeiro de 2018.

REDDY, T.A. (2011). Applied data analysis and modeling for energy engineers and scientists. London: Springer Science & Business Media.

RIBEIRO, L.C.S.; LOPES, T.H.C.R. (2015). Características e similaridades do setor cultural nos municípios e regiões metropolitanas brasileiras. Revista de Economia Contemporânea, v. 19, n. 2, p. 307-330.

SANI, F.; TODMAN, J. (2002). Should we stay or should we go? A social psychological model of schisms in groups. Personality and Social Psychology Bulletin, v. 28, n. 12, p. 1647-1655.

SICONFI (Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro). Contas anuais: Receitas orçamentárias realizadas e Despesas orçamentárias empenhadas, 2014. Disponível em: . Acesso em 20 de janeiro de 2018.

SILVA MELLO, N.C.; BARROSO, L.C. (2013). Hierarquia das cidades médias brasileiras: abordagem por meio de técnicas de agrupamento. e-xacta, v. 6, n. 2, p. 107-120.

STENSJÖ, I.P.; FERREIRA, C.C.; LOURA, R.M. (2017). Classificação e agrupamento das cidades brasileiras em graus-dia de aquecimento e resfriamento: 1960 a 2013. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 9.

TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Estatísticas do eleitorado 2010 e 2014. Disponível em: . Acesso em 20 de janeiro de 2018.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.