Evidências do fenômeno de terras caídas com grandes cheias na região Oeste do Pará / Evidence of the phenomenon of falling lands with great fillings in the West region of Pará

Roseilson Souza do Vale, Luana dos Santos Lima, Christiane do Nascimento Monte, Raoni Aquino Silva de Santana

Abstract


O fenômeno de terras caídas faz parte da dinâmica natural dos rios,resultante da combinação de diversas causas naturais, é intensificado pela ação antrópica e refere-se ao processo erosivo que acontece nas margens dos rios de água branca. Estetrabalho objetiva compreender e explicar a dinâmica entre as águas e as terras caídas nas margens do Rio Amazonas tendo como base os dados de nível do Rio Tapajós na cidade de Santarém-PA.Os dados foram obtidos junto à Companhia Docas do Pará, no período de 2000 a 2017. Calcularam-se as médias diárias e mensais dos níveis com a finalidade de obter o ciclo anual do Rio Tapajós. Apesar de não haver estudos relacionados às terras caídas nas áreas de estudo, sabe-se que eventos de grandes cheias têm influência direta na sua magnitude e ocorrência.


Keywords


Terras caídas; cheias; nível.

References


Agência Nacional das Águas. Disponível em: . Acesso em: 2017 Jun. 08.

Bandeira A.A. 2005. Evolução do processo erosivo na margem direita do rio São Francisco e eficiência dos enrocamentos no controle da erosão. São Cristóvão - Sergipe, Universidade Federal de Sergipe.

Callede J., Guyot J.L., Ronchail J., Molinier M., Oliveira E. 2002. L’Amazone à Óbidos (Brésil): Éstude Statistique des Débits et Bilan Hydrologique. Hydrological Sciences-Journal-des Sciences Hydrologiques, 47:2.

Carvalho J.A.L., Cunha S.B. 2011. Terras caídas e consequências sociais na costa do Miracauera, município de Itacoatiara – Amazonas, Brasil. Revista Geográfica de América Central. p. 2.

Carvalho J.A.L. 2006. Terras caídas e consequências sociais: costa do Miracauera – Paraná da Trindade, município de Itacoatiara – AM, Brasil. Manaus, Universidade Federal do Amazonas.

Fisch G., Marengo J.A., Nobre C.A. 1998. Uma RevisãoGeral Sobre o Clima da Amazônia. Acta Amazônica, 28(2):101-126.

Gloor M.R.J.W., Brienen R.J., Galbraith D., Feldpausch T.R., Schöngart J., Guyot J.L., Phillips O.L. 2013. IntensificationoftheAmazonhydrologicalcycle over thelasttwodecades. GeophysicalResearchLetters, 40(9):1729-1733.

Igreja H.L.S. 1998. Aspectos do modelo neotectônico da placa sul-americana na província estrutural Amazônica. Tese de concurso de Professor titular, Departamento de Geociências da Universidade do Amazonas, Manaus, 131p.

Junk W.J., Bayley P.B., Sparks R.E. 1989. The Flood Pulse Concept in River-Floodplain Systems. CanadianSpecialPublicationsofFisheriesandAquaticSciences,

:110-127.

Magalhães C.R., Oliveira E.G.,Albuquerque A.R.C. 2010. Análise Temporal de Erosão de Margem a partir do sensoriamento remoto na comunidade do Divino Espírito Santo – Iranduba – Am (BR) no período de 1999 e 2009. In: Congresso brasileiro de organização do espaço e x seminário de pós-graduação em geografia da UNESP. Rio Claro – SP, UNESP.

Marengo J.A., Espinoza J.C. 2015. Extreme seasonal droughts and floods in Amazonia: causes, trends and impacts.InternationalJournalofClimatology.

Mertes L.A.K., Daniel D.L., Melack J.M., Nelson B., Martinelli L.A., Forsberg B.R. 1995. SpatialPatternsHydrology, GeomorphologyandVegetationontheFloodplainoftheAmazon River in Brazilfrom a Remote Sensing Perspective. Geomorphology, 13:215-232.

Molinier M., Guyot J.L., Oliveira E., Guimarães W. 1996. Les Régimes Hydroliques de L’Amazone et de sés Affluents. In: Hydrologie Tropicale: Géoscience et Outil Pour Le Développement (Tropical Hydrology: a Geoscience and a Tool for Sustainability). ed. By P. Chevalier & B. Pouyaud, 209-222. IAHS Publ.238. IAHS Press, Wallingford, UK.

Vale R.S., Filizola N., Souza R., Schongart J. 2011. A cheia de 2009 na Amazônia Brasileira. Revista Brasileira de Geociências, 41:577-586.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-136

Refbacks

  • There are currently no refbacks.