Ajuste da distribuição log-pearson III às vazões máximas diárias anuais da bacia hidrográfica da lagoa Mirim/RS / Adjustment of the log-pearson III distribution to the annual maximum daily flows of the Mirim/RS lagoon basin

Maria Clotilde Chagas Neta, Patrick Morais Veber, Emanuele Baifus Manke, Roberta Karsburg Machado, Rita de Cássia Fraga Damé, Claudia Fernanda Almeida Teixeira Gandra

Abstract


Objetivou-se avaliar a aplicabilidade da distribuição de probabilidade log-Pearson III às séries de vazão máxima anual, das estações Pedro Osório e Passo do Ricardo localizadas na Bacia Hidrográfica da Lagoa Mirim/RS, comparando o ajuste desta em relação a distribuição de Gumbel, a qual é comumente utilizada. As séries fluviométricas diárias foram obtidas por meio da base de dados da Hidroweb - Agência Nacional de Águas. Foram constituídas séries de vazões máximas diárias anuais, considerando-se o ano hidrológico iniciando em maio e terminando em abril, para as localidades de Pedro Osório (88641000) e Passo do Ricardo (88680000), ambas localizadas na bacia hidrográfica da lagoa Mirim/RS.As vazões máximas das duas estações foram ajustadas às distribuições de Gumbel e log-Pearson III, para os períodos de retorno (TR) de 10, 20, 50 e 100 anos, utilizando-se o método Chow-Gumbel.Para verificar se há diferenças significativas foi aplicado o teste de Kolmogorov-Smirnov (KS), em um nível de probabilidade de 5%. Os resultados mostraram que os dados provêm da mesma população, quando os mesmos são ajustados adistribuição log-Pearson III. Já para a distribuição de Gumbel, o teste KS rejeitou a hipótese H0, indicando que a função teórica não representa o conjunto de dados amostrais. Conclui-se então que a distribuição mais indicada para a estimativa das vazões de projeto, para estas estações, é a distribuição de log-Pearson III.


Keywords


de projeto, Período de retorno, Distribuição teórica de probabilidade.

References


ANA. Agência Nacional de Águas. Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil – Informe 2017. Disponível em:. Acesso em: 19/07/2017.

CHARLES, N. C. Predictionofrainfall magnitudes andvariations in Nigeria. NigerianJournalof Technology, v. 29, n.2, p. 46-53. 2010.

HAAN, C. T. Statisticalmethods in hydrology. Ames: The Iowa StateUniversity, 1979.

LUDWIG, R.; SILVA, D. M.; DAMÉ, R. C. F.; TEIXEIRA, C. F. A. Comparação entre metodologias para estimativa de vazão em canal de irrigação no arroio Chasqueiro/RS. Irriga, Botucatu, v.19, n.1, p. 94-102. 2014.

MARTINS, C. A; ULIANA, E. M; REIS, E. F. Estimativa da vazão e da precipitação máxima utilizando modelos probabilísticos na bacia hidrográfica do rio Benevente. Enciclopédia biosfera, Jandaia, v.7, p. 1130‐1142, 2011.

SANTOS, L.C.C. Estimativa de Vazões Máximas de Projeto por Modelos Determinísticos e Probabilísticos. 2010. Dissertação M. Sc., Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola, Universidade Federal do Espírito Santo.

TUCCI, C. E. M. Hidrologia: Ciência e Aplicação. 3ª ed. Porto Alegre, UFRGS, ABRH, 2004. 943p.

USWRC - U. S. WATER RESOURCES COUNCIL. Guidelines for determiningfloodflowfrequency – Bulletin 17, USWRC HydrologyCommittee, Washington, 1982.

WATANABE, F. M. Análise do Método de Gumbel para cálculo de vazões de dimensionamento de vertedouros. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Elétrica com Ênfase em Sistemas de Energia e Automação) – Escola de Engenharia São Carlos, Universidade de São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-112

Refbacks

  • There are currently no refbacks.