Conhecimento, cultura e desenvolvimento da marca: a articulação entre a memória organizacional e a identidade organizacional / Knowledge, culture and brand development: the articulation between organizational memory and organizational identity

Ení Maria Ranzan, Felipe Petik Pasqualotto, Richard Perassi Luiz de Sousa

Abstract


O conhecimento organizacional, enquanto produto da aprendizagem organizacional é armazenado, compartilhado e recuperado para reuso, passando a fazer parte da história da organização. Estes fazem parte da memória organizacional, cujas crenças partilhadas pelos seus membros, distinguem uma organização da outra e remetem para o que é duradouro numa organização.  Neste processo está presente a identidade organizacional, cujo construto é relevante para a aprendizagem organizacional. A questão norteadora desta pesquisa é “qual a articulação entre a memória e a identidade organizacional presente nas pesquisas acadêmico-científicas estudadas? ” O objetivo geral é articular os construtos da memória organizacional e da identidade organizacional. Os objetivos específicos propostos foram: Contextualizar a memória organizacional e a identidade organizacional; verificar a interação entre identidade e memória organizacional; identificar as publicações internacionais sobre estes construtos; e verificar as características e vinculações das mesmas.  Optou-se pela revisão integrativa com técnicas bibliométricas de busca junto a Wef of Science. Foram selecionados seis artigos, que (em princípio) atenderam aos critérios propostos neste estudo. Percebeu-se a relevância da memória e da identidade organizacionais, para a aprendizagem organizacional. No entanto, apesar da busca integrando os dois construtos, percebeu-se que a articulação entre ambos está praticamente ausente nos artigos estudados. Acredita-se que continuar estudando a articulação entre a memória organizacional e a identidade organizacional é um desafio necessário, que poderá contribuir para a maturidade destes construtos.

 


Keywords


Gestão do conhecimento, aprendizagem organizacional, memória organizacional, identidade organizacional.

References


Anderson, M.; Sun, P. (2010). What have scholars retrieved from Walsh an Undgson.Management Learning. V. 41, n. 2, p. 131-145.

Anserson, R. J. (1982). Acquisition of cognitive skill. Psychological Review. Recuperado em 8 setembro, 2014, dehttp://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/mot/v7n1/v7n1a06

Bell, E. (2012).Ways of seeing organisational death: a critical semiotic analysis of organisational memorialisation.Visual Studies. V. 27. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/1472586X.2012.642954#preview

Caldas, M. P.; Wood Jr, T. (1997). Identidade Organizacional. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v.37, n. 1, p. 6-17, jan./mar. Recuperado em 8 setembro, 2014, de http://www.scielo.br/pdf/rae/v37n1/a02v37n1.pdf

Casey, A.; Oliveira, F. (2011). Organizational memory and forgetting. Journal of Management Inquiry. V. 20, n. 3, p. 305–310.

Delahaye, A.; Booth, C.; Clark, P. et al. (2009).The genre of corporate history.Journal of Organizational Change Management. V. 22. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/09534810910933898

Documentos sobre Design. (2014). Peter Behrens (1868-1940). Recuperado em 8 setembro, 2014, de http://www.tipografos.net/design/behrens.html

Feldman, R. M.; Feldmann, S. P. (2006). What Links the Chain: An Essay on Organizational Remembering as Practice.Sage Journals-Organization. V. 13, n. 6, nov. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://org.sagepub.com/content/13/6/861.abstract

Leão, A. L. M. S.; Mello, S. C. B. (2009). “Valor de marca” para quem? Rumo a uma teoria da significação das marcas pelos consumidores. Organizações em Contexto, São Bernardo do Campo, v.5, n.10, p.30-56.

Machado, H. V. (2003). A identidade e o contexto organizacional: Perspectivas de análise. Revista de Administração Contemporânea. v. 7, p.51-73, Curitiba. Recuperado em 8 setembro, 2014, de http://www.scielo.br/pdf/rac/v7nspe/v7nespa04.pdf

Mark, G.; Al-Ani, B.; Semaan, B. Resilience Through Technology Adoption: Merging the Old and the New in Iraq.(2009). ADM Digital Library. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://dl.acm.org/citation.cfm?id=1518808&dl=ACM&coll=DL&CFID=447490095&CFTOKEN=53649347

Mulcahy, A. (2000). Policing history: The official discourse and organizational memory of the Royal Ulster Constabulary.The British Journal of Criminology. V. 40. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://bjc.oxfordjournals.org/content/40/1/68.abstract

Nascimento, I. M. (2009). Identidade organizacional e comunicação interna: Explorando um pouco os temas. Revista Mediação. v.10, n. 09. Jul./dez. Recuperado em 8 setembro, 2014, de www.fumec.br/revistas/mediacao/article/download/294/291

Nissley, N; Casey, A. (2002). The politics of the exhibition: Viewing corporate museums through the paradigmatic lens of organizational memory. British Journal of Management. V. 13. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=333868

Nunes, F.; Reto, L.; Martins, L.; Tinoco, A. (2014). Os significados de lealdade em Hirschman: O papel da identidade organizacional. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão. V.13, n.3, p. 48-61. Recuperado em 8 setembro, 2014, de http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpbg/v13n3/v13n3a06.pdf

Oliveira, F. (2000). Memory systems in organizations: an empirical investigation of mechanisms for knowledge collection, storage and access. Journal of Management Studies. v. 37, n.6, p. 811-832.

Polanyi, M.(1966). The Tacit Dimension. London: Routledge and Kegan Paul.

Pollak, M. (1989). Memória, Esquecimento, Silencio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol.2. n. 3.

Ruão, T. (2001). O conceito de identidade organizacional: teoria, gestão e valor. Recuperado em 8 setembro, 2014, de http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/2757/1/truao_IISOPCOM_2001.pdf

Santos, J. L. S.; Uriona-Maldonado, M.; Santos, R. N. M.; Steil, A. V. (2012). Perfil das pesquisas acadêmico-científicas sobre memória organizacional. RevistaEspacios. V. 33. Recuperado em 31 julho, 2014, de http://www.revistaespacios.com/a12v33n12/12331213.html

Schultz, M.; Hernes, T. (2013). A Temporal Perspective on Organizational Identity.Organization Science Informs. V. 24, n. 1, jan./fev. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://www.majkenschultz.com/wp-content/uploads/Academic%20Publications/A%20Temporal%20Perspective%20on%20Organizational%20Identity.pdf

Schultze, U; Stabell, C. (2004). Knowing what you don't know? Discourses andcontradictions.Journal of Management studies. V. 41, jun. 2004. Recuperado em 15 agosto, 2014, de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1467-6486.2004.00444.x/abstract

Silva, C. L. M.; Nogueira, E. E. S. (2001). Identidade organizacional: Um caso de manutenção, outro de mudança. Revista de Administração Contemporânea. Edição Especial,p.35-58. Recuperado em 8 setembro, 2014, de http://www.scielo.br/pdf/rac/v5nspe/v5nspea03.pdf

Simoni, A. (2014). Identidade corporativa. Figura. Recuperado em 8 agosto, 2014, de http://www.simoniaquino.com.br/identidade-corporativa.html

Steil, A. (2014). Seminário Memória Organizacional. Moodle UFSC. EGC. Disciplina Aprendizagem Organizacional. Recuperado em 13 agosto, 2014, de https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/1134892/mod_resource/content/1/Seminario-Memoria%20Organizacional_2014.pdf

Stein, E. (1995). Organizational memory: review of concepts and recommendations for management. International Journal of Information Management. v. 15, n.2, p. 17-32.

Walsh, J.P.; Ungson, G. R. (1991). Organizational memory. The Academy of Management Review. v. 16, n. 1, p. 57-91.

Zancanaro, A.; Erpen, J. G.; Santos, J. L. S.; Steil, A.; Todesco, J. L. (2013). Mapeamento da produção científica sobre memória organizacional e ontologias. Perspectivas em Ciências da Informação. V. 18, n. 1, jan./mar. Recuperado em 31 julho, 2014, de http://www.scielo.br/pdf/pci/v18n1/05.pdf




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-109

Refbacks

  • There are currently no refbacks.