Territórios quilombolas no Ceará: educação, processo histórico e identidades / Quilombola territories in Ceará: education, historical process and identities

Ivan Costa Lima, David da Silva

Abstract


O estudo, em andamento na Unilab no Ceará, objetiva investigar os territórios quilombolas no Ceará que passam pelo processo de certificação, demarcação e titularização empreendidas por órgãos federais, tendo em vista o reconhecimento de sua existência por todo o país. Políticas que nos levam a problematizar a situação da população negra na região, produzindo-se conhecimentos sobre os caminhos traçados pelas comunidades quilombolas na implementação de igualdade racial no estado, suas relações com a educação, a cultura e o desafio em suas afirmações como comunidades e povos tradicionais. Pretende-se ampliar as formas como a vida quilombola se articula com a luta em defesa do território, modos de vida e as lutas socioambientais, possibilitando subsidiar as políticas públicas voltadas para esta população, em especial a educação quilombola. Para tanto, para alcançar este conhecimento metodologicamente utilizaremos da pesquisa participante (BRANDÃO, 1999) e da história oral (MORAES 1999) para captar as dinâmicas utilizadas por estes sujeitos, através da utilização do registro audiovisual de suas participações dentro e fora das comunidades. Apontamos existir pesquisas acadêmicas sobe as comunidades quilombolas e de materiais elaborados pelas próprias comunidades como relatórios, participações em eventos políticos e sociais. Em termos oficiais pode-se encontrar dados sobre as comunidades quilombolas no Ceará de um lado pela Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA), que realiza o mapeamento das comunidades quilombolas cearenses. De outro lado, há também o acompanhamento da Ceppir (Coordenadoria de Igualdade Racial do estado do Ceará), espaço de discussão sobre políticas públicas para a efetivação dos processos de certificação e da educação quilombola no Ceará. Em termos de movimento social tem-se a que parte das comunidades quilombolas estão organizadas em torno da Comissão Estadual de Comunidades Quilombolas Rurais do Ceará (CERQUICE) criada em 2005, que tem acompanhado as comunidades quilombolas pelo Estado. Na atualidade a CERQUICE reconhece a existência de 70 comunidades quilombolas, sendo que nem todas estão certificadas. No Ceará a Fundação Palmares, de acordo com a portaria 268/2017 de 02/10/2017, registra a certificação de 49 comunidades no estado, sendo que a data de abertura do primeiro processo é de 2004, no município de Tururu da comunidade de Água Preta, no norte do Ceará. Com isso, construir conhecimentos que contribuam em dar visibilidade a população negra nesta região, subsidiando a universidade e a sociedade abrangente com o reconhecimento das comunidades quilombolas cearenses, suas histórias, memórias, formas de agir e pensar sobre as relações raciais dentro da Educação brasileira.


Keywords


Territorialidade quilombola; Povos tradicionais; Negros no Ceará; identidade negra.

References


ACSERALD, H.; HERCULANO, S.; PÁDUA, J. Justiça ambiental e cidadania. RJ: RelumeDumará: Fundação Ford, 2004.

ALBERTI, V., FERNANDES, TM., FERREIRA, MM. (Orgs). História oral: desafios para o século XXI [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000.

BRANDÃO, C. R. (Org.). Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1999.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. DOU de 10/01/2003.

BRASIL, MEC/SECAD. Orientações e ações para a Educação das relações étnicorraciais. Brasília: Secad, 2006.

. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicorraciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Resolução Nº 1, de 17 de junho 2004.

______. Lei 12288/10. Estatuto de Igualdade racial. Brasília; câmara dos Deputados, 2010.

CARTILHA. Caminhos. Mapeamento das comunidades negras quilombolas do Cariri cearense. Cariri: Cáritas/GRUNEC, 2011.

CALAÇA, Maria C.; DOMINGOS, Reginaldo; CUNHA JR., Henrique. Conceição dos Caetanos: cultura quilombola no interior cearense. In: CUNHA JUNIOR, H., SILVA, Joselina da.; NUNES, Cícera. (Org.). Artefatos da cultura negra no Ceará. Fortaleza: Edições UFC, 2011.

CUNHA, Ana Stela (Org.). Construindo Quilombos, desconstruindo mitos: a Educação Formal e a realidade quilombola no Brasil. São Luís, SETAGRAF, 2011.

CUNHA JÚNIOR, Henrique. Conceitos e conteúdos nas culturas africanas e afrodescendentes. In: COSTA, Sylvio G., PEREIRA, Sonia. Movimentos Sociais, educação popular e escola: a favor da diversidade. Fortaleza: Editora UFC, 2006.

CUNHA JUNIOR, H. SILVA, Joselina da.; NUNES, Cícera. (Org.). Artefatos da cultura negra no Ceará. Fortaleza: Edições UFC, 2011.

DANTAS, Simone. Historiografar quilombos em regiões do Ceará. In: CUNHA JUNIOR, H. SILVA, Joselina da.; NUNES, Cícera. (Org.). Artefatos da cultura negra no Ceará. Fortaleza: Edições UFC, 2011.

FANON, Franz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

GOMES, Nilma L. (Org.). Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007

LIMA, Ivan Costa. História da educação do negro(a) noBrasil: Pedagogia Interétnica, uma ação de combate ao racismo. Curitiba: Appris, 2017.

. As pedagogias do Movimento Negro no Rio de Janeiro e Santa Catarina (1970-2000): implicações teóricas e políticas para a educação brasileira. 2009.(Tese)

MAIA, Joseane. Herança quilombola maranhense: história e estórias. SP: Paulinas, 2012.

MALCHER,Maria A. Farias.Formação e territorialização quilombola no estado do Pará. In: Revista da ABPN • v. 9, n. 23 • jul – out 2017, p.57-81

MINISTÉRIO DA CULTURA. Fundação Cultural Palmares. Certidões expedidas às comunidades remanescentes de quilombos (CRQS) atualizada até a portaria nº 268/2017, publicada no dou de 02/10/2017. Disponível em: http://www.palmares.gov.br. Acesso em: dezembro de 2017.

NASCIMENTO, João L. J. Processos educativos: a luta das mulheres pescadores/as do mangue do Cumbe contra o racismo ambiental. Fortaleza: UFC: Faculdade de Educação, 2013. (Dissertação de mestrado)

PETIT, Sandra H.; SILVA, Geranilde C. (Org.). Memórias do baobá. Fortaleza: Edições UFC, 2012.

SILVA, Geranilde, LIMA, Ivan, MEIJER, Rebeca Alcântara. Abordagens políticas, históricas e pedagógicas de igualdade racial no ambiente escolar. Redenção (CE): UNILAB, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-103

Refbacks

  • There are currently no refbacks.