Representações e ambiguidades sobre a escravidão contemporânea no território da moda / Representations and ambiguities on contemporary slavery in fashion territory

Hector Luiz Martins Figueira, Carla Sendon Ameijeiras Veloso

Abstract


O artigo tem como objetivo contemplar uma constante problemática engendrada no seio da sociedade brasileira, qual seja o trabalho escravo contemporâneo, para este ensaio fizemos um recorte para abordar o tema no território da moda e para tanto usamos a metodologia de trabalho empírico, com entrevistas informais dadas pelos atores envolvidos no mercado de produção e de consumo. O trabalho justifica-se pela sua urgência nos contextos do direito constitucional, trabalhista, penal e internacional, sendo também interdisciplinar com as áreas da economia, sociologia e antropologia. As pesquisas preliminares apontam, que há uma naturalização de trabalhos escravos contemporâneos muito bem aceitos pela sociedade, principalmente devido à baixa oferta de vagas e alta de procura por vagas, havendo assim uma sujeição humana, principalmente no mercado da moda.


Keywords


Sociedade; Consumo; Trabalho Escravo Contemporâneo; Indústria da Moda.

References


BAUDRILLARD, J.Função-signo e lógica de classe. In: A Economia Política dos Signos. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1996, p. 9-49

BARBOSA, L. Sociedade de Consumo. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas para o Consumo, a transformação das pessoas em mercadoria, Ed. Zahar, 2008.

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

CASARA, Rubens, R.R. Estado pós democrático: neo-obscurantismo e gestão dos indesejáveis. 2ª ed. – Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2017.

CHAGAS, Gustavo Luís Teixeira das. A utilização da cautelar ad perpetua rei memoriam no combate ao trabalho em condições análogas à de escravo. In: SABINO, João Filipe Moreira Lacerda; PORTO, Lorena Vasconcelos. (orgs.) Direitos fundamentais do trabalho na visão de procuradores do trabalho. São Paulo: Ltr, 2012.

CRARY, Jonathan. 24/7:Capitalismo tardio e os fins do sono. Tradução: Joaquim Toledo Jr. São Paulo. Ubu Editora, 2016.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Tradução: Raul Fiker. São Paulo. Editora UNESP, 1991.

KANT DE LIMA, Roberto. Por uma Antropologia do Direito no Brasil. In: Falcão, Joaquim de Arruda. Pesquisa Científica e Direito. Recife: Massangana, 1983.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Civilização Brasileira, 2001. Livro I. (18ª ed.).

LISBOA, Roberto Senise. Responsabilidade civil nas relações de consumo. São Paulo. Ed. Revista dos Tribunais. 2002.

LIPOVETSKY, G. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Manole, 2009.

NISHIYAMA, Adolfo Mamoru. A Proteção Constitucional do Consumidor, 2 Edição, São Paulo, Ed. Atlas S.A., 2010.

REPÓRTER BRASIL. Programa Escravo, Nem Pensar e Sinait. Trabalho escravo contemporâneo: 20 anos de combate (1995 – 2015). S.l., s.n., 2015.

SIQUEIRA, Holgonsi Soares G. Consumo e Cidadania. Texto apresentado na disciplina de Sociologia Geral e da Comunicação - 5 º semestre do curso de Desenho Industrial -UFSM - Ano – 2004.

SCHWERINER, M. E. R. Brandscendência: o espírito das marcas. Editora Saraiva, 2000.

WALK FREE. 35.8 MILLION peopleenslavedworldwide 8.3 MILLION peoplefightingtoend it andourpartnerorganisations in thefighttoendmodernslavery. WalkFree. Disponível em: Acesso em: 11 jun. 2019.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.