Desenvolvimento e caracterização físico-química de farinha de batata-doce (Ipomoea batatas L) com adição de linhaça marrom (Linum usitatissimum L) / Development and physical-chemical characterization of sweet potato (Ipomoea batatas L) flour with addition of brown flaxseed (Linum usitatissimum L)

Clara Mariana Gonçalves Lima, Karine Amaral dos Santos, Janaína Matos dos Reis, Roberta Magalhães Dias Cardozo, Felipe Cimino Duarte, Alcides Ricardo Gomes de Oliveira

Abstract


Surgiu, em âmbito mundial, nos últimos anos a necessidade do aperfeiçoamento de tecnologias para a elaboração de novos produtos, cuja funcionalidade e versatilidade atendem a consumidores que procuram alimentos de acessibilidade. Objetivou-se com este trabalho desenvolver um novo produto à base de batata-doce com adição de linhaça marrom e promover a caracterização físico-química do mesmo. A farinha foi obtida através da higienização, descascamento, corte, tratamentos (controle, branqueamento ou metabissulfito de sódio 0,5%), desidratação e trituração dos tubérculos e adição da linhaça.  A caracterização físico-química consistiu nas análises de umidade, extrato etéreo, proteína bruta, fibra bruta, cinza, fração glicídica e pH. Utilizou-se o software Assistat7.7 beta para realizar a análise estatística dos dados, as farinhas obtidas nesses tratamentos não diferenciaram estatisticamente entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade, com exceção da determinação de cinzas, onde as amostras submetidas ao branqueamento, apresentaram valores inferiores aos demais tratamentos. Após o enriquecimento da farinha com linhaça marrom, os valores obtidos na composição centesimal de estrato etéreo, proteína bruta, fibras totais, cinzas totais e fração glicídica foram superiores aos encontrados na literatura.


Keywords


Análises. Novo produto. Enriquecimento. Funcional.

References


CARRARA, C. L., ESTEVES A. P., GOMES, R. T., GUERRA, L. L. Uso da semente de linhaça como nutracêutico para prevenção e tratamento da aterosclerose. Revista Eletrônica de Farmácia. v.4, p.1- 9, 2009.

MAIA, G. A. Estudo do valor nutritivo de duas variedades de batata-doce (Ipomea batatas, Poir) cozida e frita.Ciên. Agron., Fortaleza, 18 (1): pág. 73-76 - Junho, 1987.

MARQUES, A. C. et al. Efeito da linhaça (Linumusitatissimum L.) sob diferentes formas de preparo na resposta biológica em ratos. Revista de Nutrição. Campinas, v.24, n.1,p.131-141, jan./fev. 2011.

NUNES, M. U. C.; CRUZ, D. P.; FORTUNA, A. Tecnologia para Produção de Farinha de Batata-doce: Novo Produto para os Agricultores Familiares. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, p. 7, 2012. (Embrapa Tabuleiros Costeiros. Circular Técnica, 65).

RAMOS, A. M. P. P. Nutrição no esporte. Brasília: Fundação Vale, UNESCO, Brasil, p.44, 2013.

SANTOS, A. P.; REBOUÇAS, T. N. H.; SOUZA, J. C. C.; BONOMO, R. C. F.; SILVA, L. M. Caracterização e avaliação da qualidade de sopas desidratadas elaboradas com farinha de bataatadurante o tempo de armazenamento. Boletim Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos. Curitiba, v. 28, n. 1, p. 57-68, jan./jun. 2010.

SILVA, J. B. C.; LOPES, C. A.; MAGALHÃES, J. S. Batata-doce (Ipomoea batatas).Brasília. 2008.

BORBA, A. M.; SARMENTO, S.B.S.; LEONEL, M. Efeito dos parâmetros de extrusão sobre as propriedades funcionais de extrusados da farinha de batata-doce. Ciência e tecnologia de alimentos. Vol. 25, n. 4, Campinas. 2005.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.