Reflexões sobre a teoria da sociedade em rede de castells e a teoria da rede de ação comunicativa de Habermas / Reflections abaut castells network theory and the Habermas’ theory of communicative action network

Odete Maria de Oliveira, Lademir José Cremonini

Abstract


Uma das principais características da sociedade contemporânea encontra-se na dimensão do universo da rede de redes e na complexidade do poder e extensão de seu uso. Nesse sentido, o presente estudo busca abordar tão polêmico assunto e, para tal finalidade, adotou como seu marco teórico condutor a teoria da sociedade em rede, de Manuel Castells e a teoria da rede de ação comunicativa de Jürgen Habermas. Neste ensaio usou-se o método dedutivo, a pesquisa de caráter qualitativo e bibliográfico, e a análise de cunho descritivo e explicativo. Enquanto, Castells avança nos estudos em torno do Paradigma Tecnológico da Informação, Habermas introduz importante instrumento de análise, o denominado mundo da vida, composto em três distintos mundos – a cultura, a sociedade, a pessoa - destinados à compreensão da rede de ação comunicativa.


Keywords


Sociedade em Rede. Revolução Tecnológica Informacional. Manuel Castells. Rede de Ação Comunicativa. Mundo da Vida. Jürgen Habermas.

References


ARQUILLA, John; RONFELDT, David (Orgs.). Redes y guerras en red: el futuro del terrorismo, el crimen organizado y el activismo político. Madrid: Alianza Editorial, 2003.

BEDIN, Gilmar Antonio. A sociedade internacional e o século XXI: em busca da construção de uma ordem justa e solidária. Ijuí: Ed. Unijuí, 2001.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 2006.

CARDOSO, Fernando Henrique. Prefácio. In: CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução Roneide Venancio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 1999, p. I-III.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução Roneide Venancio Majer. 6.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999, V.1.

__________. A gálaxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Tradução Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

FREUD, Sigmund. História do movimento psicanalítico. Rio de Janeiro: Imago, 1974.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Tradução Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

__________. Teoría de la acción comunicativa: racionalidad de la acción y racionalización social. Tradução Manuel Jiménez Redondo. Madrid. Taurus, 1987. V.1.

__________. Racionalidade e comunicação. Lisboa: Edições 70, 2002.

__________. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

__________. Teoria do agir comunicativo. Sobre a crítica da razão funcionalista. Tradução Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo. Martins Fontes, 2012.

LEVY, Pierre. O que é o virtual. São Paulo: Ed. 34, 1996.

__________. As tecnologias da inteligência. São Paulo: Ed. 34, 1997.

__________. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

JEFFRIES, Straus. A rare interview wiht Jürgen Habermas. april 30, 2010. Disponivél em: Acesso em: 27 jun. 2010.

MATTAR, Khris. O Movimento de Justiça Global: Uma nova mobilização política de resistência. Tradução Khris Mattar e Andreia Rosenir da Silva. Ijuí: Ed. Unijí, 2013.

MORIN, Edgar; KERN, Anne Brigitte. Terra-Pátria. Tradução Paulo Azevedo Neves da Silva. Porto Alegre: Sulina, 1995.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Apresentação. In: BEDIN, Gilmar Antonio. A sociedade internacional contemporânea e o século XXI: em busca da construção de uma ordem mundial justa e solidária. Ijuí: Ed. Unijuí, 2001, p. 15-20.

__________. Teorias globais: elementos e estruturas. Ijuí: Ed. Unijuí, 2005. V.1.

__________. (Org). Relações internacionais: a questão de gênero. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

__________. (Org.). Relações internacionais, direito e poder: cenários e protagonismos dos atores não estatais. Ijuí: Ed.Unijuí, 2014, V. I.

__________. (Org.). O protagonismo dos atores não estatais pacíficos e violentos: a revolução da rede de redes. In: OLIVEIRA, Odete Maria de Relações internacionais, direito e poder: atores não estatais na era da rede. Ijuí: Ed. Unijuí, 2016, p. 39-86, V. III.

OLSSON, Giovanni. Relações internacionais e seus atores na era da globalização. Curitiba: Juruá, 2003.

__________. Poder político e sociedade internacional contemporânea: governança global com e sem governo e seus desafios e possibilidades. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007.

PALERMO, Luis Claudio. A importância da teoria do agir comunicativo na atualidade: racionalidade, mundo da vida e democracia deliberativa. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP. Macapa, n.6, dez. p.1-17, 2013. Disponível em: Acesso em: 24 ago. 2017.

PINTO. José Marcelino de Rezende. A teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas: conceitos básicos e possibilidades de aplicação à administração escolar. Paidéia (Ribeirão Preto) no.8-9 Ribeirão Preto Feb./Aug. 1995.

TRUYOL y SERRA, Antonio. La sociedad internacional. 2.ed. Madrid: Alianza Editorial, 1998.

VELOSO, Marcelo de Alencar. Ciberespionagem global e o Decreto 8.135. 2014. Elaborado em 3/2014. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2015.

ZANINI, Michele; EDWARDS, Sean J. A. Redes terroristas en la era de la información. In: ARQUILLA, John; RONFELD, David. REDES y guerra en red: el futuro del terrorismo, el crimen organizado y el activismo político. Madrid: Alianza editorial, 2003, p. 57-87.

WIGHT, Martin. Política do poder. Tradução Carlos Sérgio Duarte. Brasília: UnB, 1985.

WILLIAMS, PHIL. Redes transnacionales de delincuencia. In: ARQUILLA, John; RONFELDT, David. Redes y guerras en red: el futuro del terrorismo, el crimen organizado y activismo político. Madrid: Alianza Editorial, 2003, p. 88-123.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.