Estudo comparativo entre argamassa estabilizada e argamassa convencional para revestimento / Comparative paper between ready-to-use mortar and conventional mortar for rendering

José Alexandrino Barrêto Neto, João Mateus Reis Melo

Abstract


O mercado da construção civil está em constante evolução, buscando constantemente por um melhor alinhamento entre redução de custos, prazos, mão de obra e um resultado final de qualidade. Novos sistemas construtivos e tecnologias têm surgido a fim de atingir esse objetivo. Dentre os processos construtivos existentes, o uso da argamassa convencional produzida no próprio canteiro de obra é um dos mais difundidos e relevantes. No entanto, isso não significa que seja a melhor opção em termos financeiros e técnicos. A argamassa estabilizada ainda é uma tecnologia recente que vem ganhando espaço no mercado brasileiro, e lentamente no mercado da construção civil de Teresina. Dessa forma, esse trabalho é um estudo comparativo entre esses dois tipos de argamassa analisando seus principais aspectos: algumas propriedades físicas e mecânicas, produtividade, aspecto econômico e aceitação por parte dos pedreiros. Através dos resultados foi possível concluir se a argamassa estabilizada atende aos requisitos estabelecidos na norma, além de possibilitar dizer qual tipo de argamassa é mais vantajosa.


Keywords


Processos construtivos. Argamassa convencional. Argamassaestabilizada. Análise. Comparação.

References


ARAÚJO, Luís Otávio Cocito; SOUZA, UbiraciEspinelli Lemes. A Produtividade da mão-de-obra na execução de revestimentos de argamassas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DAS ARGAMASSAS 3. Vitória, 1999. Vitória: PPGEC/ANTAC, Anais.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13276: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos: preparo da mistura e determinação do índice de consistência. Rio de Janeiro, 2005.

_________. NBR 13277: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da retenção de água. Rio de Janeiro, 2005.

_________. NBR 13278: Argamassa para assentamento de paredes e revestimento de paredes e tetos - Determinação da densidade de massa e do teor de ar incorporado. Rio de Janeiro, 2005.

_________. NBR 13279: Argamassa para Assentamento e Revestimento de Paredes e Tetos– Determinação da resistência à tração na flexão e à compressão axial. Rio de Janeiro, 2005.

_________. NBR 13281: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos - requisitos. Rio de Janeiro, 2014.

_________. NBR 7200: Execução de revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas - Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, 1998.

_________. NBR 13529: revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

_________. NBR 13749: Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas – Especificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

Caixa Econômica federal. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI): Cadernos Técnicos de composições para argamassas e grautes. 2017. Disponível em: . Acesso em: 1 nov. 2017

Caixa Econômica federal. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI): Cadernos Técnicos de composições para revestimentos. 2017. Disponível em: . Acesso em: 1 nov. 2017.

CARASEK, Helena. Materiais de construção civil e princípios da ciência da engenharia de materiais. 1ª ed. ISAIA, Geraldo Cechella– São Paulo: IBRACON, 2007, Cap. 26 – Argamassas, pág. 863 a 904. Volume2.

CORRÊA, Anderson. Comparação de execução de revestimentos argamassados utilizando máquina de projeção e o método manual. 2010. (Monografia) – Curso de Engenharia Civil, Área de Ciências Exatas e Ambientais, UNOCHAPECÓ, Chapecó.

COSTA, Ivandro da. Estudo comparativo entre as argamassas de revestimento externo: preparada em obra, industrializada fornecida em sacos, e estabilizada dosada em central. 2016. 76 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Civil, Centro Universitário Univates, Lajeado, 2016.

CUNHA, V. J. F. C. Análise da influência da especificação de materiais. 2011, 177f. Dissertação (metrado) – Universidade do Porto, Porto. Disponível em: . Acesso em 20 de Agosto de 2017.

JANTSCH, Ama Cláudia Akele. Análise do desempenho de argamassas estabilizadas submetidas a tratamento superficial com aditivos cristalizantes. 2015. 142 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

MARCONDES, C. G. Características e benefícios da argamassa estabilizada. Massa Cizenta. Publicado em 9 de junho de 2009. Disponível em: . Acesso em 1 de novembro de 2017.

PANARESE, W.C.; KOSMATKA, S.H.; RANDALL, F.A. Concrete mansory handbook for architects, engineers, builders. Portland CementAssociation, 5a ed. Estados Unidos da América, 1991. 219 p.2.

RECENA, Fernando Antonio Piazza. Conhecendo argamassa. 1ª ed. EDIPUCRS. Porto Alegre/RS, 2008.

SABBATINI, F. H. Argamassas. Curso de Materiais de Construção Civil. Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 1981. Notas de aula.

SHMID, A. G. Argamassa estabilizada, uma importante ferramenta para melhorar a sustentabilidade na construção. 53° Congresso Brasileiro de Concreto, Florianópolis, 2011.

SOUZA, U. E. L. Método para a previsão da produtividade e do consumo unitário de materiais para os serviços de fôrmas, armação, concretagem, alvenaria, revestimento com argamassas, contrapiso, revestimentos com gesso e revestimentos cerâmicos. 2001. Tese – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.

SOUZA, Ubiraci E. Lemes de. Como aumentar a eficiência da mão de obra: Manual de gestão da produtividade na construção civil. São Paulo: PINI, 2006. 100p.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.