Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento e o Grau de Intangibilidade das Empresas do ramo Farmacêutico no Brasil / Research and Development Expenditures and the Degree of Intangibility of Pharmaceutical Companies in Brazil

Matilde Vanessa Santos de Lima, Lucileila Galdino Albuquerque, Nayana de Almeida Adriano

Abstract


O ativo intangível tem crescido sua relevância no universo contábil/financeiro em pesquisas acadêmicas como gerador de riqueza para as empresas. Assim, o objetivo dessa pesquisa é identificar como os investimentos feitos nos tipos de intangíveis influenciam o grau de intangibilidade das empresas farmacêuticas, um ramo que investe em pesquisa e desenvolvimento de produtos para se atualizar no mercado, e que nos últimos anos têm apresentado uma importante evolução no país. No presente trabalho, realizou-se uma regressão linear múltipla utilizando teste de hipótese para estimar uma regressão amostral e fazer inferências sobre a população. Inicialmente, foram apresentadas uma amostra com 13 empresas farmacêuticas brasileiras listadas na BMF&Bovespa, no período de 2011 a 2015, sendo retiradas as empresas que não tinham as Demonstrações Contábeis para o período, restando uma amostra com 8 empresas. Com base no objetivo proposto, testou-se o Grau de Intangibilidade com as variáveis Ativo Intangível, Retorno sobre Investimentos e Gastos com P&D, evidenciando que as empresas pesquisadas não informaram o valor com gastos em pesquisa, ou por não ter efetivamente o gasto ou, por optar colocar em outra rubrica contábil como, por exemplo, em despesas gerais e administrativas por uma questão de custo benefícios. Além disso constatou-se que das 13 empresas inciais, apenas 07 apresentaram dados interruptos para a análise da pesquisa e a variável Grau de Intangibilidade mostrou-se estatisticamente significante apenas para uma empresa da amostra. Sugere-se para futuras pesquisas, aumentar o segmento de análise e o período analisado para ter maior robustez na amostra, bem como aumentar o número de variáveis a ser estudada.


Keywords


Intangível. Grau de Intangibilidade. P&D.

References


ASSAF NETO, A. Finanças Corporativa e valor. São Paulo: Atlas, 2005.

______. Lei nº 11.941 de 27 de maio de 2009. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 de mai, 2009.

_______. Lei nº 13.123 de 20 de maio de 2015.Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 de mai, 2015.

BEUREN, I.M; THEISS, V; SANT’ANA, S.V. Conservadorismo Contábil no Reconhecimento de Ativos Intangíveis em Fase de Pesquisa e Desenvolvimento: Um Estudo em Empresas da BM&FBovespa. Contabilidade, Gestão e Governança - Brasília • v. 16 • n. 1 • p. 98 - 111 • jan./abr. 2013

BRASIL. Ministério anuncia parceria na inovação de medicamentos. Portal Brasil, 2014. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2014/11/ministerio-anuncia-parcerias-na-producao-de-medicamentos-inovadores. Acesso em: 11 mar 2017.

BRASIL.

BROOKS, C. Introductory econometrics for finance. Londres: Cambridge University Press,2002.

BROWN, J. R; FAZZARI, S. M; PETERSEN, B. C. Financing innovation and growth : Cash flow, external equity, and the 1990s R&D outlays boom. Jounal of Finance. V.64. n. 1 p 151-185. 2007.

CAPANEMA, L. X. L. A Indústria Farmacêutica Brasileira e a Atuação do BNDES. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, 23, 193-216, mar. 2006.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A.; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CARVALHO, F. M; KAYO, E.K.; MARTIN, D.M. L. Tangibilidade e Intangibilidade na Determinação do Desempenho Persistente de Firmas Brasileiras. RAC, Curitiba, v. 14, n. 5, p. 871-889, Set./Out. 2010.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento técnico CPC 04 (R1). Ativo intangível. 2010. Disponível em: http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/187_CPC_04_R1_rev%2006.pdf Acesso em: 12 mar 2017.

ELDON S.; HENDRJKSEN M. F.; VAN BREDA. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

ENACHE, L; SRIVASTAVA,A. Should Intagible Investiments be Separately or Comingled with Operating Expenses ? Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2715722. Acesso em :15.out.2016

FIGARI, Anelise; TORTOLI, Júlia; SILVA, William; AMBROZINI, Marcelo. Estudo da relação entre os gastos com pesquisa e desenvolvimento e o índice Book-to-Market nas empresas brasileiras de capital aberto. In: Congresso IAAER-ANPCONT,10,2016, Ribeirão Preto. Anais do 10 ANPCONT, Ribeirão Preto, SP: 2016. Disponível em: http://congressos.anpcont.org.br/x/anais/ Acesso em: 16.out.2016.

FILHO, P. L. P. et al. O desafio à inovação farmacêutica no Brasil: A experiência do BNDES Profarma. Revista do BNDES, n. 37, junho 2012.

FRIAS, M. C. Mercado Aberto: Injeção em Recursos. Folha de S.Paulo. 03/08/2015.

GADELHA, C. A. G. Biotecnologia em Saúde: Um Estudo da Mudança Tecnológica na Indústria Farmacêutica e das Perspectivas de seu Desenvolvimento no Brasil. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Economia da Unicamp, Campinas, 1990.

GADELHA, C. A. G. Estudo da competitividade de cadeias integradas no Brasil: impactos das zonas livres de comércio (Cadeia: Complexo da Saúde). Campinas: IE/NEIT/Unicamp/MCT/ Finep, (Nota Técnica Final), 2002.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

HUNGARATO, A. TEIXEIRA, A. J. C. A. A pesquisa e desenvolvimento e os preços das ações das empresas brasileiras: um estudo empírico na Bovespa. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade. Brasília. v.6, n.3, p, 282-298. 2012

KASSAI, J. R.; KASSAI, S.; ASSAF NETO, A. Índice de Especulação de Valor Agregado – IEVA. Revista Contabilidade e Finanças, v.13, n. 30, p.32-45, set./dez., 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rcf/v13n30/v13n30a03.pdf. Acesso em: 29 jan 2017.

KAYO, E. K. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível-intensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas. Tese (Doutorado em Administração). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2002.

KAYO, E. K.; FAMÁ, R. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível-intensivas e intangível-intensivas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 39, n. 2, p. 164-176, 2004.

KOH, P-S. ; REEB, D. M. Missing R&D. Journal of Accounting and Economcis .v. 60, p. 73-94, 2015

KOTHARI, S.P.; Capital markets research in accounting. Journal of Accounting and Economics, v.31, p. 105-231. 2001.

Kothari, S.P., T.E. Laguerre, J.A. Leone. 2002. ―Capitalization versus expensing: Evidence on the uncertainty of future earnings from capital expenditures versus R&D outlays.‖ Review of Accounting Studies, 7: 355-382.

KOTHARI, S.P.; LEONE, A.J.; WASLEY, C. E. Performance matched discretionary accrual measures. Journal of Accounting and Economics, v.39, p.163-197. 2005

LEV, B. Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings, 2001.

MARION, J. C. Análise das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, E. Avaliação de empresas: da mensuração contábil à econômica. São Paulo: Atlas, 2001.

MAZZIONE, S.;RIGO, V. P.; KLANN, R.C.;SILVA JUNIOR,J. C. A. A relação entre a intangibilidade e o desempenho econômico: estudo com empresas de capital aberto do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS). Advances in Scientific and Applied Accounting. São Paulo, v.7, n.1, p. 122-148, 2014.

MONOBE, M. Contribuição à mensuração e contabilização do goodwill não adquirido. 1986. 183 f. Tese (Doutorado em Contabilidade) – Curso de Pós-Graduação em Contabilidade. Universidade de São Paulo, 1986.

O ESTADO DE SÃO PAULO. FARMACÊUTICA. Disponível em: < HTTP://PATROCINADOS.ESTADAO.COM.BR/EMPRESASMAIS/SETOR/FARMACEUTICA/>. Acesso em: 07 maio 2017.

PALMEIRA, F.P.L et al. O desafio à inovação farmacêutica no Brasil: A experiência do BNDES Profarma. Revista do BNDES, n. 37, junho 2012.

PEREZ, M, M; FAMÁ, R. Ativo Intangível e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade e Finanças, v.17, n. 40, p. 7 – 24, Jan./Abr. 2006.

QUEIROZ, O. R. (2010). Impacto do crescimento dos gastos em P&D na taxa de crescimento dos lucros das empresas de acordo com o modelo OJ: um estudo no mercado de capitais brasileiro. Anais da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Natal, RN, Brasil, 4.

RODRIGUES, Jomar Miranda; ELIAS, Wanderson Gonçalves; CAMPOS , Edmilson Soares Revista de Contabilidade e Controladoria, ISSN 1984-6266 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, v. 7, n.3, p. 131-148, set./dez. 2015.

SANTOS, M. C. B. G; PINHO, M. Estratégias tecnológicas em transformação: um estudo da indústria farmacêutica brasileira. Gestão. Prod., v. 19, n. 2, p. 405-418, 2012.

SCHREIBER, M. Por que o Marco da Biodiversidade divide farmacêuticas e ambientalistas? BBC Brasil. 21/05/2015.

SCHROEDER, Richard G; CLARK, Myrtle W. Financial Accounting Theory and Analysis. Eighth Edition. Wiley, 2005.

SOUZA, Aline; COSTA, Mayla; CLEMENTE, Ademir. Regulação e o nível dos Gastos em pesquisa e desenvolvimento: uma análise das empresas listadas na BM&FBOVESPA. In: Congresso IAAER-ANPCONT,10,2016, Ribeirão Preto. Anais do 10 ANPCONT, Ribeirão Preto, SP: 2016. Disponível em: http://congressos.anpcont.org.br/x/anais/ Acesso em: 16.out.2016.

SILVA, J. P. DA. Análise financeira das empresas. 8a. ed. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2008.

STEWART, T. A. The wealth of knowledge: intellectual capital and the twenty-first century organization. New York: Doubleday, 2001.

STEWART, Thomas. A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. 3. ed.Rio de Janeiro: Campus, 1998.

SVEIBY, K. E. The new organizational wealth: managing and measuring. San Francisco: Berret-Koehler, 1997.

VARGAS, M. A. et al. Indústrias de base química e biotecnológica voltadas para a saúde no Brasil: panorama atual e perspectivas pata 2030. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: desenvolvimento produtivo e complexo da saúde [online]. Rio de Janeiro:

Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2013. Vol. 5. 198 p. Disponível em: http://static.scielo.org/scielobooks/scfy6/pdf/noronha-9788581100197.pdf. Acesso em: 07 maio 2017.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.