Relato de experiência: o filme como uma estratégia de ensino / Experience report: the film as a teaching strategy

Inalda Maria de Oliveira Messias, Júlio Brando Messias, Adriano Gomes Ferreira, João Ferreira da Silva Filho, Mônica Simões Florêncio

Abstract


Este trabalho  tem  como  objetivo  o  relato  de  experiência  de  ensino  do  curso  de enfermagem,  no  perioperatório,  tendo  como  enfoque  o  desenvolvimento  de  competências  e habilidades  do  aluno.  O  projeto  foi  desenvolvido  na  turma  do  5º período  de  enfermagem, tendo  como  possibilidade  seu  uso  como  ferramenta  capaz  de  melhorar  a  compreensão  dos alunos  quanto  aos  temas  e  abordagens  trabalhados  em  sala  de  aula.  Para  tanto  foram escolhidos  filmes  que  tivessem  relação  com  os  conteúdos  da  disciplina.  Objetivos:  Avaliar como  o  uso  de  filmes  em  sala  de  aula  pode  ajudar  no  desenvolvimento  de  competências  e habilidades  em  enfermagem.  Metodologia:  Foi  realizada  a  escolha  de  filmes  que  pudessem servir  como  situações  de  ensino-aprendizagem  para  os  enfermeiros.  Resultados:  Dos  57 alunos participantes todos responderam à pesquisa de opinião e foi unânime a opinião de que o filme introduziu uma melhor compreensão quanto à realidade de uma cirurgia; afirmando ainda que a metodologia foi didática, criativa, realista e que contribuiu para o enriquecimento de seus conhecimentos; 1,8% afirmou que não foi realista e 7,0% que o filme foi realista em parte. Conclusão: Todos os participantes aprovaram o uso do filme como recurso didático na disciplina.

 


Keywords


Ensino-aprendizagem; Novas metodologias; Enfermagem; película.

References


DUARTE, R. Cinema & Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. DUARTE, R. Cinema & educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

ARAÚJO, S. A. Possibilidades pedagógicas do cinema em sala de aula. Revista Espaço

Acadêmico, n. 79, Mensal, Dezembro/2007.

NAPOLITANO, M. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2009. THIEL, Grace Cristiane. Movie takes: a magia do cinema na sala de aula. Curitiba: Aymará,

VEIVERBERG, F de O. Cinema e Filosofia. In: TOMAZETTI, Elisete M. (Org.). Filosofia no ensino médio: experiências com cinema, teatro, leitura e escrita a partir do PIBID. São Leopoldo: Oikos, 2012.

REDYSON, D. A versão cinematográfica do Fausto de Goethe do Opus Summumao cinema mudo. In: ALMEIDA, Jorge Miranda de; AGUIAR, Itamar Pereira de. (Orgs.). Filosofia, Cinema & Educação. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2010. p. 121-132. DALE, E. Métodos de Enseñanza Audiovisual. México: Editorial Reverte Mexicana, 1966. MAIA, J D. Português - Novo Ensino Médio. Volume único. 10 ed. São Paulo: Editora Ática, 2003.

HOINEF, N. TV em Expansão. Rio de Janeiro: Editora Record, 1991. TORRES, E. C. Ler televisão. Oeiras: Celta Editora, 1998.

MORÁN, J. M. O vídeo na sala de aula. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 2, p. 27-35, apr. 1995. Disponível em:. Acesso em: 01 oct. 2017.doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i2p27-35.

LINHARES, R. N.; Vídeos na educação escolar; a experiência do vídeo escola em Aracaju.

Revisa Pixel-bit, Sevilla, n.12, 1999. Disponível em: Acesso em:01 oct. 2017.

OLIVEIRA, P. M. P. et al. Uso do filme como estratégia de ensino-aprendizagem sobre pessoas com deficiência: percepção de alunos de enfermagem. Escola Anna Nery, v. 16, p.297-305, 2012.

SILVA, J. L. et al. A Utilização de vídeos didáticos nas aulas de química do ensino médio para abordagem histórica e contextualizada do tema vidros. Química Nova da Escola, v. 34, n 4, p. 189-200, nov. 2012.

SILVA, R. V.; OLIVEIRA, E. M. As possibilidades do uso do vídeo como recurso de aprendizagem em salas de aula do 5º ano. In: V Encontro de Pesquisa em Educação de Alagoas – EPEAL, Maceió-AL, 2010.

LIBÂNEO, J. C.. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MEYER, L. L. Lucia Meyer Website: roteiros de aula. Disponível em:. Acesso em: 01 oct. 2017. PILETTI, N. Aprendizagem: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2013.

DE LIMA, C. V. Projeto Identidade: ninguém é igual a ninguém. Colégio Santo

Agostinho, Belo Horizonte, MG. 2005, p. 25.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA (BR). Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 03, de 07 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em enfermagem. Brasília (DF). Diário da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 09 nov 2001: Seção 1: 37.

Silva, M.G. et al. Processo de formação da(o) enfermeira (o) na contemporaneidade: desafios e perspectivas. Texto&ContextoEnferm., v. 19, n. 1, p. 176-84, 2010.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.