Formas tradicionais de uso, manejo e percepção dos recursos vegetais no Litoral do Paraná: etnoconservação florestal da Mata Atlântica / Traditional forms of use, management and perception of vegetal resources in the Coast of Paraná: forest ethnoconservation of the Atlantic Forest

Jenifer Priscila de Araujo, Luiz Everson da Silva, Wanderlei do Amaral, Marcos Silva Machado

Abstract


Este trabalho teve por objetivo descrever a importância do manejo de recursos vegetais no Litoral do Paraná às vistas do uso pelas comunidades locais. Efetuou-se um estudo etnobotânico para a compreensão acerca do manejo e conhecimento de espécies nativas. Partimos do pressuposto teórico dos significados atribuídos ao território e a construção do mesmo por meio da sua dimensão simbólica. A abordagem feita aos entrevistados foi de forma dialógica, seguindo um roteiro norteador. Neste roteiro, durante as conversas foram anotados e gravados com a devida autorização, dados referentes às plantas medicinais. O trabalho identificou um grande número de espécies, sendo citadas 58 espécies com alguns usos.A partir das reflexões aqui expostas, acreditamos que seja possível fornecer subsídios para elaboração e direcionamento de estratégias de desenvolvimento e medidas de conservação na região, levando em consideração as formas de conhecimento tradicional sobre os recursos florestais e a sua influência para a preservação da integridade cultural e social deste ecossistema. Por fim, destacamos a relevância das populações tradicionais para a perpetuação do conhecimento e a conservação da biodiversidade local.


Keywords


Territorialidade; Comunidades-Tradicionais; Etnoconservação-Florestal

References


ADAMS, C. As populações caiçaras e o mito do bom selvagem: a necessidade de uma nova abordagem interdisciplinar. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2000, v. 43 nº 1.

ALENCAR, E; GOMES, M. A. O. Metodologia de pesquisa social e diagnóstico rápido participativo. Lavras: UFLA/FAEPE,1998.

ALMEIDA, A. W. B. Apresentação. Direito dos povos e das comunidades tradicionais no Brasil: declarações, convenções internacionais e dispositivos jurídicos definidores de uma política nacional. Manaus: UEA, 2007.

ALMEIDA, A. W. B. Terras de quilombos, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2. ed. Manaus: PGSCA-UFAM, 2008.

BARBOSA, A. M. PORTO-GONÇALVES. C. W. Reflexões sobre a atual questão agrária brasileira: descolonizando o pensamento. In: MENESES, P. M. VASILE, I. Desafios aos Estudos Pós-Coloniais, As Epistemologias Sul-Sul. Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra, 2014.

BENSUSAN, N. Conservação da Biodiversidade em áreas protegidas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BERNARD, H. R Research methods in Antropology: qualitative and quantitative approaches.2 ed.WalmutCreek (EUA): Altamira Press, 1995.

BUZZATO, A C. As comunidades locais e os conflitos de uso dos recursos naturais no Litoral sul do estado do Paraná. (Dissertação Mestrado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2009.

BURKE, Peter. História como memória social. In: _____. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

DIEGUES, A. C. Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. Editora Hucitec Ltda. 2. Ed. São Paulo, 2000.

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V.; SILVA, V. C. F.; FIGOLS, F. A. B, ANDRADE, D. Os Saberes Tradicionais e a Biodiversidade no Brasil. São Paulo: NUPAUB- Núcleo de pesquisas sobre populações humanas e áreas úmidas brasileiras. 211 f. 2000.

DIEGUES, A. C. Repensando e recriando as formas de apropriação comum dos espaços e recursos naturais.In: VIEIRA, P. F. WEBER, J (Orgs). Gestão de recursos naturais e renováveis e desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. 3. Ed. São Paulo, 2002.

FERREIRA, M.R. Comunidades rurais de Guaratuba-Paraná: os limites e as possibilidades da opção extrativista como meio de vida no contexto do desenvolvimento rural sustentável. 220 f. Tese (Doutorado em Agronomia) Universidade Federal do Paraná,Curitiba, 2010.

GIRALDI, M.; HANAZAKI, N. Uso e conhecimento tradicional de plantas medicinais no Sertão do Ribeirão, Florianópolis, SC, Brasil. Acta BotanicaBrasilica. p. 395 – 406. 2010.

HAESBAERT, R. Dos múltiplos territórios a multiterritorialidade. In: Heidrich, A. L. et al. (Orgs). A emergência da multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008. P. 19-36B.

JEAN, B. Do Desenvolvimento Regional ao Desenvolvimento Territorial Sustentável: Rumo a um desenvolvimento territorial solidário para um bom desenvolvimento dos territórios rurais. VIEIRA, P. F...[et al.] (Orgs). Desenvolvimento territorial sustentável no Brasil: subsídios para uma política de fomento. Florianópolis: APED: Secco, 2010.

KINUPP, V. F.; BARROS, I. B. I.;Teores de proteínas e minerais de espécies nativas, potenciais hortaliças e frutas. Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos. Pg. 846 – 857. 2008.

LEITE, N. S.; LIMA, A. P.; ARAUJO-NETO, V.; ESTEVAM, C. S.; PANTALEÃO, S. M.; CAMARGO, E. A.; FERNANDES, R. P. M.; COSTA, S. K. P.; MUSCARÁ, M. N.; THOMAZZI, S. M.; Avaliação das atividades cicatrizantes, anti-inflamatória tópica e antioxidante do extrato etanólico da Sideroxylonobtusifolium(Quixabeira). Revista Brasileira de Plantas Medicinais.Pg. 164 – 170. 2015

LIMA, R. X.;Estudos etnobotânicos em comunidades continentais da área de proteção ambiental de Guaraqueçaba-Paraná – Brasil. 138 f. Dissertação (Mestrado em engenharia Florestal). Universidade federal do Paraná, Curitiba. 1996.

MACHADO, C. T. T.; FERNANDES, S. G.; VILELA, M. F.; CORREIA. Capacitação, identificação e implantação de sistemas de produção de base ecológica a partir do planejamento segundo a aptidão agro-ecológica e extrativista das terras para aplicação em comunidades de agricultores no Território do Alto Rio Pardo. Minas Gerais: Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). 15p. 2010.

MOURA, E. A. A Coroazinha da Ilha do Mel: territorialidade de uma comunidade tradicional de pescadores(as) artesanais na Ponta Oeste, Paranaguá – PR. (Dissertação Mestrado). Universidade Federal do Paraná. Matinhos. 2016.

MORAES, S. C. de. Saberes da pesca: uma arqueologia da ciência da tradição. 227 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005.

MOREIRA, R. C. T.; COSTA, L. C. B.; COSTA, R. C. S.; ROCHA, E. A.; Abordagem etnobotânica acerca do uso de plantas medicinais na vila cachoeira, Ilhéus, Bahia, Brasil. Acta Farmacéutica Bonaerense. v. 21, n. 3, 2002.

NEGRELLE, R. B. B e FORNAZZI, K. R. C. Estudo etnobotânico em duas comunidades rurais (Limeira e Ribeirão Grande) de Guaratuba (Paraná- Brasil). Rev. Bras. Plantas Medicinais, Botucatu, v. 9, n2 p. 36-54, 2007.

OLIVEIRA, S.V. DALCIN, D. O papel da mulher rural na segurança alimentar: o caso da comunidade de Santo Antão. Santa Maria- RS. Acessado em 11/08/2017. http://www.fazendogenero8.ufsc.br/sts/ST47/Oliveira-Dalcin_47.pdf

PEREIRA, B E. DIEGUES, A C. Conhecimento de populações tradicionais como possibilidade de conservação da natureza: uma reflexão sobre a perspectiva da etnoconservação. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 22, p. 37-50, jul./dez. 2010.

POSSE, Z. C. S.; A população pré-histórica do litoral Paranaense, vista através dos sambaquis. Curitiba, 1978.

RODRIGUES, L.A., CARVALHO, D.A., GOMES, L.J. & BOTREL, R.T. Espécies vegetais nativas usadas pela população local em Luminárias, MG. Boletim Agropecuário 52:1-34. 2002.

SACHS, I. Ecodesenvolvimento : crescer sem destruir. São Paulo. 1986.

SANTOS, P. A. Dinâmicas de Conflitos Socioambientais: O Caso da Localidade do Salto do Parati Entorno do Parque Nacional de Saint- Hilaire/Lange, Paraná. 111 f. Dissertação de mestrado. Matinhos – PR: UFPR- Setor Litoral. 2016.

SANTOS, R. F. E. P.; SILVA, I. S. M.; VERÍSSIMO, R. C. S. S.; LÚCIO, I. M. L.; CAMPESATTO, E. A.; CONSERVA, L. M.; BASTOS, M. L. A.; Estudo do potencial antimicrobiano e citotóxico da espécie Pouteria venosa (Sapotaceae).Revista Brasileira de Plantas Medicinais.P. 367 – 373. 2015.

SAQUET, M. A. SANTOS, R. A (organizadores). Geografia agrária, território e desenvolvimento. 1. Ed. São Paulo : Expressão Popular. 2010.

SAQUET, M. A. SPOSITO, E. S (Orgs). Territórios e territorialidades: processos e conflitos. 1 .ed. São Paulo : Expressão Popular: UNESP. Programa de Pós-Graduação em Geografia. 2009.

SILVA, L. E.; QUADROS, D. A.; NETO, A. J. M.; Estudo etnobotânico e etnofarmacológico de plantas medicinais utilizadas na região de Matinhos – PR. Ciência e Natura, vol. 37, n. 2. Santa Maria, 2015.

SOBRINHO, F. A. P.; GUEDES-BRUNI, R. R.; CHRISTO, A. G.; Uso de plantas medicinais no entrono da reserva biológica de Tinguá, Nova Iguaçu, RJ. Revista Acadêmica de Ciências Agrárias e Ambientais.p. 195 – 206. 2011.

SOUZA, C. D.; FELFILI, J. M.; Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, GO, Brasil. Acta BotanicaBrasilica. p. 135 – 142. 2006.

WEBER, Jacques, BAILLY Denis. Prever é governar. In: VIEIRA, Paulo Freire, WEBER, Jacques. (Orgs.). Gestão de Recursos Naturais Renováveis e Desenvolvimento: Novos desafios para a pesquisa ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p.269-302.

UMPIERRE, L. P.; Revisão da literatura com busca sistematizada sobre produtos fitoterápicos de ação local com efeito sobre a gengivite. UFRGS, Universidade de Odontologia. 2011.

VENDRUSCOLO, G. S.; MENTZ, L. A.; Estudo da concordância das citações de uso e importância das espécies e famílias utilizadas como medicinais pela comunidade do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, RS, Brasil. Acta BotanicaBrasilica. p. 367 – 382. 2006.

VIEIRA, P. B.; Potencial anti-TrichonasvaginalisdeManilkararufula: análise fitoquímica, semissíntese e mecanismo de morte do parasito. UFRGS, Universidade de Farmácia. 2015.

ZHOURI, A. LASCHEFSKI, K. Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.