Desenvolvimento de metodologias ativas para o ensino de anatomia humana / Development of active methodologies for the teaching of human anatomy

Anthony Marcos Gomes dos Santos, Marcos José da Silva Junior, Pablo Acácio dos Santos Souza, Andressa Silva de Oliveira, Mariza Brandão Palma

Abstract


O tradicionalismo torna o ensino da anatomia mecânico e engessado. A necessidade de abstração e peças anatômicas de estudo são um dos principais fatores dificultantes do processo de ensino e aprendizagem de anatomia humana. A partir daí surgiu a necessidade de se buscar novas metodologias que possam facilitar e atrair os alunos para o estudo da anatomia.  o presente trabalho traz toda a elaboração, aplicação e vivência da aplicação de metodologias ativas de ensino na Anatomia humana no ensino superior. Foram desenvolvidas e aplicadas diversas metodologias ativas de ensino como Aprendizagem Baseada em Jogos, Utilização de Recursos Audiovisuais e Aprendizagem Baseada em Artes Visuais. As propostas foram desenvolvidas por alunos da Universidade Federal Rural de Pernambuco e aplicadas em escolas estaduais da região metropolitana do Recife. As metodologias ativas ajudaram os alunos na absorção e fixação dos conteúdos de anatomia humana. 


Keywords


Anatomia humana, didática, jogos, metodologias ativas

References


ARRETT, T. Philosophical principles for problem-based learning: Freire’s concepts of personal development and social empowerment. In: LETTLE, P.; KANDLBINDER, P. (eds.). The power of problem-based learning: experience, empowerment, evidence. Newcastle: PROBLARC, 2001, p. 9-18.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas.Interface Comun Saúde Educ, v. 2, n. 2, p. 139-154, 1998.

BOOT, Walter R. et al. The effects of video game playing on attention, memory, and executive control.Acta psychologica, v. 129, n. 3, p. 387-398, 2008.

CARITÁ, C.C; SILVA, S.S; VERRI, E. D; CASTRO, M. E. N. R. Anatomia Humana aplicada a Enfermagem: adequação de conteúdo para disciplina semipresencial. UNAERP 2007.

DA SILVA, Rosimeire Alves; GUIMARÃES, Maricélio Medeiros. Arte educação: facilitando o ensino de morfologia. Educere-Revista da Educação da UNIPAR, v. 4, n. 1, 2008.

DA SILVA, Rosimeire Alves; GUIMARÃES, Maricélio Medeiros; BARBOSA, Aliny Antunes. Jogos corporais: aprendizagem de anatomia. Educere-Revista da Educação da UNIPAR, v. 5, n. 1, 2008.

FENG, Jing; SPENCE, Ian; PRATT, Jay. Playing an action video game reduces gender differences in spatial cognition. Psychological science, v. 18, n. 10, p. 850-855, 2007..

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. Pro-posições, v. 6, n. 2, p. 46-63, 1995.

LEE, Ilchi; JONES, C. Jessie. In full bloom: A brain education guide for successful aging. SCB Distributors, 2013.

LERNER, M. Uma avaliação da utilização de jogos em educação. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ, 1991.

CALLEGARIO, L. J.; BORGES, M. N. Aplicação do vídeo “Química na Cozinha” na sala de aula. ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, v. 15, p. 21, 2010.

DA SILVA, José Luiz et al. A utilização de vídeos didáticos nas aulas de Química do Ensino Médio para abordagem histórica e contextualizada do tema vidros. Silva, p. 1, 2010.

DA SILVA, Rosimeire Alves et al. O ensino da anatomia através das artes cênicas. Arquivos do Museu Dinâmico Interdisciplinar, v. 5, n. 1, p. 9-14, 2001.

DA SILVA, Rosimeire Alves; GUIMARÃES, Maricélio Medeiros. Arte educação: facilitando o ensino de morfologia. Educere-Revista da Educação da UNIPAR, v. 4, n. 1, 2008.

KAMMII, Constance; DEVRIES, Rheta. Jogos em grupo: na educação infantil, implicações da teoria de Piaget. Trajetória Cultural, 1991.

MANDARINO, Mônica Cerbella Freire. Organizando o trabalho com vídeo em sala de aula. Revista Morpheus-Estudos Interdisciplinares em Memória Social, v. 1, n. 1, 2002.

MARIN, M. J. S; LIMA, E. F. G; PAVIOTTI, A. B.; MATSUYAMA, D. T.; SILVA, L. K. D.; GOLZALEZ, C., DRUZIAN, S.; ILIAS, M. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Medica, v. 34, n. 1, 2010

MORAN, J. Mudando a educacao com metodologias ativas. Mídias contemporâneas, v. 2, 2015

PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia. 4.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1976. 184 p.

PIAGET, J. Sobre Pedagogia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998. 262 p

PIAZZA, Bruno L.; CHASSOT, Attico I. Anatomia Humana, uma disciplina que causa evasão e exclusão: quando a hipótese principal não se confirma. Ciência em Movimento, s/v, n. 28, p. 45-59, 2012.

RAMOS, Daniela Karine. As tecnologias da informação e comunicação na educação: reprodução ou transformação? ETD-Educação Temática Digital, v. 13, n. 1, p. 44-62, 2011.

REZENDE, Luiz Augusto. História das ciências no ensino de ciências: contribuições dos recursos audiovisuais. Ciência em tela, v. 1, n. 2, p. 1-7, 2008.

ROCHA, Henrique Martins; LEMOS, Washington de Macedo. Metodologias ativas: do que estamos falando? Base conceitual e relato de pesquisa em andamento. IX Simpósio Pedagógico e Pesquisas em Comunicação. Resende, Brazil: Associação Educacional Dom Boston, p. 12, 2014.

VESALLIUS, A. De Humani Corporis Fabrica. São Paulo: Atelie, 2003. 120 p

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Martins Fontes, 2003.

WINNICOTT, Donald Woods. Por que as crianças brincam. ______. A criança e o seu mundo, v. 6, 1982.

WU, Sijing et al. Playing a first-person shooter vídeo game induces neuroplastic change. Journal of cognitive neuroscience, v. 24, n. 6, p. 1286-1293, 2012.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.