A exposição itinerante como extensão universitária: um instrumento para disseminar conhecimentos de zoologia e conservação da biodiversidade / The itinerant exposure as a university extension: an instrument to disseminate knowledge of zoology and conservation of biodiversity

Clécio Danilo Dias-da- Silva, Carmem Maria da Rocha Fernandes, Daniele Bezerra dos Santos, Lúcia Maria de Almeida

Abstract


Como resposta aos problemas ambientais, em especial à crescente diminuição da biodiversidade brasileira, muitas escolas e instituições de ensino superior tem se preocupado com a Educação Ambiental não formal, envolvendo em suas atividades de extensão e/ou práticas que despertem o interesse dos educandos e da comunidade pela conservação do meio ambiente e da biodiversidade planetária. Atendendo essa demanda social, as exposições itinerantes são atividades de suma importância que possibilitam o acesso a informações científicas e vivencia junto a biodiversidade, neste sentido as exposições itinerantes do projeto de extensão “Café com Ciências”, do curso de Ciências Biológicas do Centro Universitário Facex (UNIFACEX), foram criadas com o objetivo de proporcionar a alunos, professores e ao público em geral, uma reflexão sobre o conhecimento e a importância da manutenção da biodiversidade.Para concretização dos objetivos e das metas do projeto foram preparadas e apresentadas, por alunos voluntários do UNIFACEX e Projeto PIBID/UNIFACEX, quatroexposições itinerantes, que ocorreram entre julho a dezembro de 2017, em escolas públicas e particulares das cidades de Natal e Nísia Floresta/RN, com a participação de 635 pessoas, incluindo alunos, professores e comunidade em geral. A apresentação das exposições contou com a participação de doze acadêmicos voluntários, que se revezaram ao longo das atividades. A participação dos acadêmicos nas atividades promoveu a inserção social dos mesmos, por meio da divulgação de seus conhecimentos científicos para a comunidade, além de oportunizar o exercício profissional e motivação no processo de ensinar Ciências e Biologia.


Keywords


Biodiversidade. Mostra. Extensão. Formação de professores.

References


BAILEY, E. et al. Vistors Behavior at an Constructivist Exhibition: Evaluation Investigate! at Boston’s Museum of Science. In: DUFRESNE-TASSÉ, C. (Org.) Évaluationet education muséale:nouvellestendances. ICOM/CECA, 1998.

BONADIMAM, H. et al. Difusão e popularização da ciência – uma experiência em Física que deu certo. In: XVI Simpósio Nacional do Ensino de Física. Anais...Rio de Janeiro: SNEF, 2005.

BUENO, W. C. Jornalismo científico no Brasil: Os compromissos de uma prática dependente. 1984, 364 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

BARRIONUEVO, W. R. et al.Revista de Cultura e Extensão da USP, n. 14, p.83-93, nov. 2015.

CAMELO, N. R. et a. Projeto parque itinerante: um incentivo ao desenvolvimento em educação ambiental. In: I Congresso Nacional de Educação, 1, 2015. Campina Grande. Anais... Campina Grande. 2015.

CAZELLI, S; MARANDINO, M.; STUDART, D. Educação e Comunicação em Museus de ciência. In: GOUVÊA, G.; MARANDINO, M.; LEAL, M.C. (Orgs.). Educação e Museu:A Construção Social do Caráter Educativo dos Museus de Ciência.Rio de Janeiro: Editora Access, 2003.

COSTA, T. M. L.et al. Museu itinerante ponto UFMG. Belo Horizonte, junho de 2008. In: Anais do I Seminário de Educação Profissional e Tecnológica – SENEPT. Anais... Disponível em: . Acesso em: 20 de maio de 2017.

DIAS-DA-SILVA, C. D. Ensino de Ciências Naturais: pesquisas, diálogos e reflexões. Alemanha: Novas edições Acadêmicas, 2018.

DIAS-DA-SILVA, C. D. et al. Caravana zoológica: contribuições ao ensino de ciências e biologia. In: II Congresso Nacional de Educação, 2, 2016. Campina Grande. Anais... Campina Grande. 2016.

DIAS-DA-SILVA, C. D. Abordando o sistema respiratório em uma perspectiva dos três momentos pedagógicos. CARPE DIEM: Revista Cultural e Científica do UNIFACEX, v. 16, n. 1, p. 29-43, 2018.

DIAMOND, J. Practical evaluation guide: tools for museums and other informal educational settings. WalnutCreek, Calif.: AltaMira Press, 1999.

DUTRA, P. D.; MAGALHÃES, C.M. Aprendendo a ensinar: a autonomia do professor aprendiz no projeto de extensão da Faculdade de Letras da UFMG. Linguagem & Ensino, V. 3, N. 2, p. 61-73, 2000.

FARIA, M. D. et al. Museu itinerante de anatomia animal: um incentivo ao desenvolvimento da educação social e ambiental. UDESC em Ação, v. 2, n. 1, p. 1-14, 2008.

FERREIRA, N. P.; DIAS-DA-SILVA, C. D. Práticas educativas no ensino de Ciências e Biologia. Alemanha: Novas Edições Acadêmicas, 2017.

GASPAR, A. Museus e centros de ciências:conceituação e proposta de um referencial teórico. Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

GOUVÊA, G. A divulgação científica para crianças: O caso da Ciência Hoje das crianças. 2000, 305 f. Tese (Doutorado) – CCS, UFRJ, 2000.

GOUVÊA, G.; MARANDINO, M.; LEAL, M.C. (Orgs.). Educação e Museu:A Construção Social do Caráter Educativo dos Museus de Ciência.Rio de Janeiro: Access, 2003.

KNOBEL, M.; MURRIELLO, S. Exposições e Museus de Ciências no Brasil. ComCiência, Campinas, n. 100, p. 1-3, 2008.

LÜDKE, M; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U, 2017.

MARANDINO, M. et al.Ensino de biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: Eduff, 2005.

MARANDINO, M. O conhecimento biológico nas exposições de museus de ciências: análise do processo de construção do discurso expositivo.Tese (Doutorado),Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

McMANUS, P. Investigation of Exhibition Team Behaviors and the Influences on Them: Towards Ensuring that Planned Interpretations Come to Fruition. In: DUFRESNE- TASSÉ, C. Cultural Diversity, Distance and Learning. Quebéc: ICOM – CECA, 2000.

MEYER, M. A. A. Seminário - Novos Tempos para o Ensino de Ciências no Brasil - a vez e a voz dos museus e centros de ciências. Editora Vozes: Goiânia, 2000.

MONTEIRO, A. M. Formação docente: território contestado. In: MARANDINO, M. et al. Ensino de biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: Eduff, 2005.

MORAIS, L. A. et al. Parque itinerante: educação ambiental em escolas públicas de Natal. In: I Congresso Nacional de Educação, 1, 2015. Campina Grande. Anais... Campina Grande. 2015.

NASCIMENTO, A. C. L. M. et al. Atividades práticas no ensino de ciências: a relação teoria e prática e a formação do licenciando em ciências biológicas. CARPE DIEM: Revista Cultural e Científica do UNIFACEX, v. 16, n. 1, p. 44-60, 2018.

PIMENTA, S. G.; GHENDIN, E. (Orgs.) O professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PODGORNY, Irina. Travelling Museums and Itinerant Collections in Nineteenth¬-Century Latin America.Museum History Journal, v. 6, n. 2, p.127-146, 2013.

OPORTO, V. F. O. et al. “Núcleo de ciências”: promovendo a popularização da ciência e do método científico para alunos do ensino médio em escolas públicas de Natal-RN. In: I Congresso Nacional de Educação, 1, 2015. Campina Grande. Anais... Campina Grande. 2015.

WOLCOTT, H. W. Criteria fo an ethnographic approach to research in education. HumanOrganization, v. 34, n. 2, p. 111-128, 1975.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.