Análise do Discurso da patologização da transexualidade / Analysis of the speech of the pathologization of transsexuality

Rafael De Tilio, Gabriel Braga Calegari

Abstract


Introdução: O tema da patologização da transexualidade tem sido muito discutido nos ambientes acadêmicos e há diversos movimentos políticos contrários a tal, como, por exemplo, o Stop Trans Patholyzation, que enfatiza o DSM nominalmente, já que é um dos mais importantes manuais de transtornos mentais do mundo, que delimita o fenômeno como uma categoria nosográfica. Objetivos: Diante desse contexto o presente estudo visa fazer uma crítica científica e epistemológica, com o referencial da Análise do Discurso de tradição francesa, cujo principal referêncial é Michel Pêcheux, em relação ao texto do DSM-V que delimita a Disforia de Gênero.Além de desmistificar a neutralidade científica, visa mostrar como esse discurso é legitimado, imbricado de ideologia e por uma memória discursiva (interdiscurso). Resultados: O manual referido, o DSM-V, se enquadra – em relação ao texto que delimita a Disforia de gênero - como um discurso científico e patologizante pertencente a uma formação discursiva biomédica. A instituição APA também busca legitimar seu discurso de acordo com sua posição nas condições de produção de nossa formação social. O conceito de função-autor que busca de certa forma “domestificar” o discurso e, remetê-lo a um sujeito específico, não se aplica uniformemente ao discurso de DSM-V, já que quando nos referimos à ele (à patologização, em outras palavras), nos referimos à uma instituição a “APA” e não a um sujeito específico inscrito historicamente. O efeito de sentido (e de discurso) dessa manobra discursiva é de uma blindagem institucional e por conseguinte a legitimação de "verdade". O discurso também se classifica como autoritário, tipologia essa aplicável à maioria dos discursos científicos, já que a polissemia é contida e o referente está apagado pela relação com a linguagem. Apoio: PIBIC/CNPq.

 


Keywords


transgeneridade - discurso – Patologização

References


Althusser, L. (1969). Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). Tradução de Maria Laura V. de Castro, 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

Almeida, G. & M. Daniela. (2013). Reflexões sobre a possibilidade da despatologização da transexualidade e a necessidade da assistência integral à saúde de transexuais no Brasil. Sexualidade, Saúde e Sociedade, 14, 380-407.

American Psychiatric Association (2013).Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-V). Arlington.

Arán, M. (2006). A transexualidade e a gramática normativa do sistema sexo-gênero. Ágora, 9(1), 49-63.

Arán M., Murta D., & Lionço T. (2009). Transexualidade e saúde pública no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 14(4), 1141-1149.

Bento, B. (2012). Sexualidade e experiências trans: do hospital à alcova. Ciência e Saúde Coletiva, 17(10), 559-568.

Bento, B. & Pelúcio, L. (2012). Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Revista Estudos Feministas, 20(2), 559-568.

Butler, J. & Rios, A. (2009). Desdiagnosticando o gênero. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19(1), 95-126.

Calligaris, C. (1989). Introdução a uma clínica diferencial das psicoses. Porto Alegre: Artes Médicas.

Campos, P.H., Matão, M.E.L., Miranda D.B., Teles, M.N.A. & Mesquita, L.B. (2010). Representações sociais da transexualidade: perspectivas dos acadêmicos de enfermagem e medicina. Revista Baiana de Saúde Pública, 34(1), 101-18.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1972). O anti-édipo. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Foucault (1979): Microfísica do Poder. São Paulo: Editora Graal.

Gregolin, M. R. V. (2003) Análise do discurso: lugar de enfrentamentos teóricos. In: FERNANDES, C. A.; SANTOS, J. B. (Org.). Teorias linguísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: EDFU.

Moreira M.A. & Gomes, A.J.M. (2013). Representações sociais de estudantes concluintes de enfermagem sobre transexualidade. Revista de Enfermagem da UFPE, 7(5):4378-88.

Orlandi E. P. (2009).Análise de Discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes, 8 ed, 100p.

Pêcheux. M. (1975). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni P. Orlandi [et al.]. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.