Gestão sustentável em uma organização militar no estado do Mato Grosso do Sul / Sustainable management in a military organization in the state of Mato Grosso do Sul

Natasha de Araujo Cezar, Daniela Althoff Philippi

Resumo


A prática do desenvolvimento sustentável (DS) nas organizações ainda requer muitos estudos. Comumente as organizações mantém em seus discursos a busca pela sustentabilidade que nem sempre condizem com a prática. O conceito originou-se de concepções restritas do desenvolvimento, limitando-se ao econômico, influenciando a existência de problemas de ordem ambiental e social. Para uma organização ser sustentável é necessário que procure em todos os seus processos a ecoeficiência e ser socialmente responsável. Em estudo exploratório, com base na literatura sobre o tema e a sua prática em Organizações Militares, verificou-se carência de estudos com essa temática no Exército Brasileiro. Diante disso, a pesquisa objetivou descrever os principais aspectos relativos à sustentabilidade na gestão de uma OM situada no estado do Mato Grosso do Sul. Quanto aos procedimentos metodológicos, a pesquisa foi qualitativa e do tipo estudo de caso. As fontes de dados foram documentos referentes à gestão ambiental da OM, entrevista com o principal responsável no que se refere às dimensões da sustentabilidade e a observação não participante. Como principais resultados, evidenciaram-se as ações da OM voltadas às dimensões social, econômica e ambiental do DS, que foram descritas como proposto. Observou-se algo peculiar neste tipo de organização no que se refere à sua missão institucional que, por natureza, traz em seu bojo a dimensão social. Contudo, alguns processos relacionados ao DS merecem revisão ou aprimoramento, especialmente quanto à dimensão ambiental, o que já está sendo trabalhado dentro da OM, conforme prevê o seu plano de gestão ambiental.


Palavras-chave


Gestão Ambiental; Sustentabilidade; Desenvolvimento Sustentável; Organização Militar

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Cintia Maria. Sustentabilidade: caminho ou utopia? São Paulo: Annablume, 2006.

ALIGLERI, Lilian; ALIGLERI, Luiz Antonio; KRUGLIANSKAS, Isak. Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas, 2009.

ALMEIDA, Fernando. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 2002.

AMADO, Frederico. Direito ambiental esquematizado. São Paulo: Método, 2014.

ARAÚJO, Gisele Ferreira de. Estratégias de sustentabilidade: aspectos científicos, sociais e legais, contexto global: visão comparativa. São Paulo: Editora Letras Jurídicas, 2008.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.

BRASIL. Planalto. Casa Civil. Lei n 12.305 de 2010. Disponível: https://goo.gl/C5kUTw. Acesso em agosto de 2016.

BRUNDTLAND, Relatório de. Nosso futuro comum. https://goo.gl/4frQ7T. 1987. Acesso em maio de 2017.

CORAL, Elisa. Modelo de planejamento estratégico para a sustentabilidade empresarial. Florianópolis: UFSC, 2002.

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FIALHO, Francisco Antonio Pereira; FILHO, Gilberto Montibeller; MACEDO, Marcelo; e MITIDIERI, Tibério da Costa. Gestão da sustentabilidade na era do conhecimento: o desenvolvimento sustentável e a nova realidade da sociedade pós-industrial. Florianópolis: Visual Books, 2008.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GRESSLER, Lori Alice. Introdução à pesquisa: projetos e relatórios. 3. ed. rev. atual. São Paulo: Loyola, 2007.

JUNG, Carlos Fernando. Metodologia para pesquisa e desenvolvimento: aplicada a novas tecnologias, produtos e processos. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2004.

LIMA, José Dantas. Gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil. 2008.

MARSHALL JUNIOR, Isnard; CICERO, Agliberto Alves; ROCHA, Alexandre Varanda; MOTA, Edmarson Bacelar; LEUSIN, Sérgio. Gestão da qualidade. 9. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MICHEL, Maria Helena. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

NEVES, Eduardo Borba.A gestão ambiental no Exército Brasileiro: ações e percepções. 2011. Tese apresentada com vistas à obtenção do título de Doutor em Ciências na área de saúde pública e meio ambiente. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca – ENSP, Rio de Janeiro.

PEREIRA, Adriana Camargo; SILVA, Gibson Zucca da; CARBONARI, Maria Elisa Ehrhardt. Sustentabilidade, responsabilidade social e meio ambiente. São Paulo: Saraiva, 2011.

PEREZINO, Paulo Eduardo de Mello. A evolução da legislação ambiental contemporânea e seus reflexos sobre o Exército Brasileiro do século XXI. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. Especialização. Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro.

PHILIPPI, Daniela Althoff; ERDMANN, Rolf Hermann.A Produção Mais Limpa e suas alterações no PCP: uma Análise a partir das Dimensões Social, Econômica e Ecológica do Desenvolvimento Sustentável, Anais do. XXV. Simpósio da Inovação Tecnológica, 2008, XXV SIMPOI -. Simpósio da Inovação Tecnológica, Brasília, DF,BRASIL, Português.

RAMPAZZO, Lino. Metodologia Científica: para alunos do curso de graduação e pós-graduação. 7. ed. São Paulo: Loyola, 2013.

REIS, Luis Filipe Sanches de Sousa; QUEIROZ, Sandra Mara Pereira de. Gestão Ambiental em pequenas e médias empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed, 2002.

ROBLES JR, Antonio; BONELLI, Valério Vitor. Gestão da qualidade e do meio ambiente: enfoque econômico, financeiro e patrimonial. São Paulo: Atlas, 2006.

ROSA, Carlos Mário de Souza Santos. As implicações da legislação ambiental para o Exército Brasileiro. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. Especialização. Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro.

SACHS, Ignacy. Espaços, tempos e estratégias do desenvolvimento. São Paulo: Vértice, 1986.

SEIFERT, Mari Elizabete Bernardini. Gestão Ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

UNEP – United Nations Environment Programme.Annual Report – 2007. Disponível em: Acesso em: 08/11/2013.

VAN BELLEN, Hans. M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Tese de doutorado 2002 (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina.

VILELA JR, Alcir; DEMAJOROVIC, Jacques. Modelo e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo – Senac, 2006.

VITERBO JR, Ênio. Sistema integrado de Gestão Ambiental: como implementar um sistema de gestão que atenda à norma ISO 14001, a partir de um sistema baseado na norma ISO 9000. São Paulo: Aquariana, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.