Um olhar sociológico sobre as estratégias adotadas por mulheres para a dinamização da economia familiar no meio rural na zona da mata Mineira / A sociological look at the strategies adopted by women for the dynamization of the family economy in the rural environment in the area of mata zone Mineira

Ana Paula Evangelista de Almeida

Abstract


A proposta deste trabalho é propiciar discussões sociológicas sobre a atuação da mulher como integrante fundamental no processo sócio produtivo da agricultura familiar e da pecuária leiteira da região da Zona da Mata-MG. Além de realizar uma breve revisão teórica sobre a temática mulheres e ruralidade (AMORIM, 2016; MEDEIROS et al, 2014), este trabalho contextualiza as trajetórias e história de vida das pesquisadas. O intuito é investigar as estratégias adotadas por elas para dinamizar a economia familiar no meio rural, tais como o cooperativismo/associativismo e participação em sindicatos, a luta pela garantia das políticas públicas, a pluriatividade, a diversificação da produção e a capacitação técnica (através do SENAR e EMATER) para a manutenção de modos de viver o/no meio rural, dado que nas últimas décadas o êxodo de famílias rurais para a cidade foi muito acentuada (RONSINI, 2004). Descreverei como se dá o acesso a terra, a participação social, física e prática destas mulheres em movimentos comunitários e associações locais, suas ações no dia a dia campestre e suas redes de relações produtivas, para além do trabalho doméstico, dando assim visibilidade a estes atoressociais como agentes de um novo e complexo modo de viver no meio rural (SCHNEIDER, 2010).


Keywords


mulheres, rural, movimentos, dinamização, pluriatividade.

References


BIONDI, Karina. Etnografia no movimento: território, hierarquia e lei no PCC. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014. 336 f.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1992b.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papirus, 1996.

CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. Os interstícios da hospitalidade. Revista Hospitalidade. São Paulo, v. XII, n. especial, p. 42-69, mai. 2015.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. São Paulo: LTC, 2003.

GUEDES, André Dumans. O trecho, as mães e os papéis: etnografia de movimentos e durações no norte de Goiás. 1. ed. São Paulo: Garamond, 2013. 455p.

INGOLD, Tim. Being alive: essays on movement, knowledge and description.Londres: Routledge, 2011.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: Emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, 37, p. 25- 44, 2012.

KAGEYAMA, Angela et al. Pluriatividade e ruralidade: aspectos metodológicos. Economia Aplicada, v. 2, n. 3, p. 515-551, 1998.

LAHIRE, Bernard. A fabricação social dos indivíduos: quadros, modalidades, tempos e efeitos de socialização. Educação e Pesquisa, v. 41, n. spe, p. 1393-1404, 2015.

LAHIRE, Bernard. O homem plural – Os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.

LAUBSTEIN, Fernanda C. A ruralidade ontem e hoje: uma análise do rural na contemporaneidade. AURORA ano V número 8 - AGOSTO DE 2011. Disponível em: http://ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/TDs/td_0702.pdf. Acesso em fevereiro de 2017.

MARTINS, José de Souza. O futuro da Sociologia Rural e sua contribuição para a qualidade de vida rural. Estuda, v. vol.15 nº.43. São Paulo Sept./Dec. 2001.Disponível: em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142001000300004. Acesso em fevereiro de 2017.

MOREIRA, Roberto. Projeto de Pesquisa: Ruralidades, Cultura e Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em http://r1.ufrrj.br/cpda/ruralidades/arquivos/arquivos_pesquisa/46_ARQ.pdf. Acesso em fevereiro de 2017.

SALVARO, Giovana Ilka Jacinto; ESTEVAM, Dimas de Oliveira; FELIPE, Daiane Fernandes. Mulheres em cooperativas rurais virtuais: reflexões sobre gênero e subjetividade. Psicol. Ciênc. Prof, p. 390-405, 2014.

SCHNEIDER, Sérgio. Teoria Social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), vol. 18, nº. 51 fevereiro/2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v18n51/15988.

SILVA, José Graziano da Silva; GROSSI, Mauro Eduardo del. O Novo Rural brasileiro. IE/Unicamp, Porto Alegre, 1996.

WANDERLEY, Maria de Nazareth B. A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas: o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos Sociedades e Agricultura, Rio de Janeiro: UFRRJ/CPDA, n. 15, p. 87-146, 2000.

WHITTINGTON, Richard. Estratégia após o modernismo: recuperando a prática. RAE v. 44, n. 4, 2004. ______. O que é estratégia. São Paulo: Pioneira, 2002a. ______. Strategy as practice. Long Range Planning. v. 29, n. 5, 1999.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.