Análise do uso de solo de áreas de preservação permanente e da qualidade hídrica dos rios Itapemirim, Jucu, Benenvente e Santa Maria da Vitória (ES) / Analysis of soil use of areas of permanent preservation and water quality of rivers Itapemirim, Jucu, Benevente e Santa Maria da Vitória (ES)

Caio Henrique Ungarato Fiorese, Herbert Torres

Abstract


A qualidade da água é um fator extremamente importante no que diz respeito ao abastecimento para consumo e uso humano. Vários cursos hídricos enfrentam problemas oriundos da ação antrópica como, por exemplo, ocupação desordenada próxima aos leitos dos rios e a consequente destruição da mata ciliar constituem algumas causas do comprometimento da qualidade de um corpo hídrico. O objetivo deste estudo foi compreender a situação do uso de solo de Áreas de Preservação Permanente (APP) de quatro corpos hídricos, discutir e relacionar com a qualidade da água com base em parâmetros físico-químicos, bem como propor sugestões para novos estudos e melhorias destes corpos hídricos. Foram estudados os rios Itapemirim, Jucu (Braço Norte e Braço Sul), Benevente e Santa Maria da Vitória, todos localizados no estado do Espírito Santo. Juntamente com o Sistema Nacional de Informações Sobre Recursos Hídricos, foram coletados os parâmetros: demanda bioquímica de oxigênio (DBO), fósforo, índice de qualidade da água (IQA), oxigênio dissolvido (OD) e turbidez. Todos em formato shapefile e referentes ao ano de 2014. No programa ArcGIS, por meio de suas ferramentas de edição, foram inseridos os pontos de análise nos rios que, por sua vez, foram delimitados conforme o banco de dados de uso de solo do estado do Espírito Santo, fornecido pelo Geobases/ES. As informações dos parâmetros foram obtidas e classificadas conforme a legislação vigente, considerando que todos os rios são de classe 2. Através das informações do Geobases/ES e do recurso buffer, do ArcGIS, foram feitas a determinação e quantificação das classes de uso de solo e na APP dos rios, considerando que todos os rios possuem largura acima de 10 metros. Foram traçados comparativos entre uso de solo e os resultados das análises dos parâmetros. Os parâmetros do rio Itapemirim estavam de acordo com a legislação vigente. Porém, os outros rios apresentaram pelo menos um parâmetro em desacordo com a legislação. Os índices de qualidade da água e oxigênio dissolvido foram, no mínimo, aceitáveis em todos os cursos hídricos. Quanto ao uso de solo, há maior predominância de pastagens nos rios considerados. A presença de construções edificadas foi maior no rio Itapemirim, e os índices de mata nativa foram menores no rio Itapemirim, e maiores no rio Santa Maria da Vitória. Os piores valores de qualidade da água foram visualizados nos cursos hídricos da bacia do Rio Jucu. Há grande variabilidade de classes de uso de solo em todas as APPs, com maiores áreas de pastagem e mata (nativa e em estágio inicial de regeneração). Não foi possível estabelecer uma grande relação entre uso de solo no trecho considerado e alteração dos parâmetros avaliados. Reflorestamento de APPs, trabalhos de educação ambiental e maiores investimentos em tratamento de efluentes, são medidas fundamentais na melhoria da qualidade ambiental dos rios. Para futuros estudos, sugere-se monitorar com mais rigor os pontos considerados e coletar amostras de água sob condições climáticas diversas.  

 


Keywords


Impactos Ambientais; Mitigação; Monitoramento da Água; Ocupação nas Margens de Rios; Parâmetros Físico-Químicos.

References


ALKIMIN, A. F. de. Geoambientes, morfometria e solos da bacia do rio Benevente, ES. 2009. 109f. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.

ANA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Encontre mapas interativos, conjunto de dados geográficos, imagens de satélite e outros serviços. Disponível em: . Acesso em: 5 mai. 2018.

ANA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Indicadores de qualidade – índice de qualidade das águas (IQA). Disponível em: . Acesso em: 4 jul. 2018.

BAIRD, C. Química ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002. 622 p

BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 313 p.

BRASIL. Resolução n° 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 mar. 2005.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual de saneamento. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2006. 408 p.

BRASIL. Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da mata nativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 mai. 2012.

BRAZ, A. M. et al. Mapeamento e caracterização dos conflitos de uso do solo nas APPs da bacia hidrográfica do Córrego do Cavalo/MS. In: SIMPÓSIO SOBRE AS GEOTECNOLOGIAS E GEOINFORMAÇÃO NO ESTADO DE ALAGOAS, 3., 2015, Maceió, AL.

CARVALHO, F. P. O município e a gestão de recursos hídricos. In: SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE, 4., 2004, São Luiz, MA.

CETESB. Apêndice D – Índices de qualidade das águas. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2018.

CHAGAS, D. S. Relação entre a concentração de sólidos suspensos e turbidez da água medida com sensor de retroespalhamento óptico. 2015. 78f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2015.

CORNELLI, R. et al. Análise da influência do uso e ocupação do solo na qualidade da água de duas sub-bacias hidrográficas do município de Caxias do Sul. Scientia cum Industria, v. 4, n. 1, p. 1-14, 2016.

CUNHA, J. P. de S.; LUCENA, R. C. F. de.; SOUSA, C. A. F. de. Monitoramento do uso e ocupação de Áreas de Preservação Permanentes urbanas com o apoio de geotecnologias: o caso do rio Jaguaribe em João Pessoa-PB. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 5, n. 30, p. 42-50, 2017.

DASSOLLER, T. F. et al. Identificação de conflito da terra em Áreas de Preservação Permanente na bacia hidrográfica córrego Padre Inácio, Mato Grosso. In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 5., 2014, Campo Grande, MS.

DIAS, R. S. et al. Utilização de ferramentas livres para gestão do território do nexo água e energia. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 30, p. 109-126, jul. 2014.

ESPINDULA, N. L. Influência do uso e cobertura da Terra na qualidade da água na bacia hidrográfica do rio Bubu, município de Cariacica – ES. 2012. 69f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geografia) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.

ESPÍRITO SANTO. Ministério Público do Espírito Santo. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2018.

FERNANDES, M. M. et al. Influência do uso de solo na qualidade da água da microbacia Glória, Macaé-RJ. Engenharia Ambiental, v. 8, n. 2, p. 105-116, 2011.

GARDIMAN JUNIOR, B. S. Caracterização do processo de poluição das águas superficiais da Bacia Hidrográfica do Rio Jucu, estado do Espírito Santo, Brasil. Revista Agroambiente On-line, v. 9, n. 3, p. 235-242, 2015.

GIORDANO, G. Tratamento e controle de efluentes industriais. Revista ABES, v. 4, n. 76, 2004.

GEOBASES. Iema – Mapeamento ES – 2012-2015. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2018.

GOVERNO MUNICIPAL DE SANTA MARIA DE JETIBÁ. Consumo consciente. Disponível em: < http://186.202.182.134:7080/arquivos/estudos/Consumo%20Conscient e%20-%20Municipio%20de%20Santa%20Maria%20Jetiba.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2018.

IJSN. Rio Itapemirim: as águas voltaram a respirar. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2018.

LOPES, F. W. de A. Avaliação da qualidade das águas e condições de balneabilidade na bacia do ribeirão de Carrancas-MG. 2007. 96f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.

PEIXINHO, F. C. Gestão sustentável dos recursos hídricos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, 16., 2010, São Luís, MA.

PINTO, A. L.; OLIVEIRA, G. H. de.; PEREIRA, G. A. Avaliação da eficiência da utilização do oxigênio dissolvido como principal indicador de qualidade das águas superficiais da bacia do córrego Bom Jardim, Brasilândia/MS. Revista GEOMAE, v. 1, n. 1, p. 69-82, 2010.

SANTOS, N. C. dos et al. Avaliação dos usos e ocupações de solo na APP do rio Araguaia e sua compatibilidade legal no perímetro urbano de Conceição do Araguaia – PA. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL, 3., 2012, Goiânia, GO.

SÃO PAULO. Norma técnica interna SABESP. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2018.

SILVA, A. L. B. O. et al. Consumo de água de variedades de cana-de-açúcar irrigadas por gotejamento subsuperficial. In: WORKSHOP INTERNACIONAL DE INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA IRRIGAÇÃO, 4., 2012, Fortaleza, CE.

SILVA, M. S. da.; LEMOS, S. S. de.; MORAES, A. B. de. Uso de geotecnologias para delimitação de Áreas de Preservação Permanente e análise das áreas de conflito de uso e ocupação do solo na zona urbana do município de Mãe do Rio – PA. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2018.

SOBRINHO, M. A. da M.; ANDRADE, A. C. de. O desafio da conservação de manguezais em áreas urbanas: identificação e análise de conflitos socioambientais no manguezal do Pina – Recife-PE – Brasil. Unimontes Científica, v. 11, n. 1/2, 2009.

SOUZA, J. R. de. et al. A importância da qualidade da água e os seus múltiplos usos: o caso do rio Almada, Sul da Bahia, Brasil. Revista Eletrônica do Prodema, v. 8, n. 1, p. 26-45, abr. 2014.

TOMASONI, M. A.; PINTO, J. E. de S.; SILVA, H. P. da. A questão dos recursos hídricos e as perspectivas para o Brasil. Geotextos, v. 5, n. 2, p. 107-127, dez. 2009.

VON SPERLING, M. Introdução a qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 2.ed. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerai


Refbacks

  • There are currently no refbacks.