O avanço das commodities e a pilhagem territorial no Maranhão / The advance of commodities and the territorial looting in Maranhão

Guilherme Marini Perpetua, Saulo Barros da Costa, Antonio Thomaz Junior

Abstract


Na última década e meia, o Maranhão foi palco de um intenso avanço de monocultivos voltados para exportação (soja e eucalipto), como parte do avanço geral das commodities no Brasil no mesmo período. Ligado a dinâmicas mais amplas, este fenômeno não ocorreu nem tem ocorrido de maneira idílica e isenta de contradições, mas em rota de colisão com a diversidade de arranjos e formas de uso das terras, das águas e os sujeitos sociais que protagonizam a permanência nos territórios. O presente artigo se propõe a analisar esse processo contraditório e destrutivo, vinculado às imposições da dinâmica contemporânea de acumulação do capital, caracterizada pela predominância de mecanismos especulativos, precarização das relações de trabalho, destruição dos ambientes naturais, deterioração das formas tradicionais de vida e trabalho no campo, concentração fundiária e da riqueza em geral e explosão da miséria, tratando de tais práticas predatórias como expressões da pilhagem territorial.

 


Keywords


commodities; território; pilhagem; Maranhão; Brasil.

References


Os autores agradecem à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelos recursos concedidos para a realização das pesquisas, individuais e coletivas, que resultaram neste artigo.

REFERÊNCIAS

AB’SABER, A. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

ALMEIDA, A. W. B. de. Terras tradicionalmente ocupadas: processos de territorialização e movimentos sociais. Rev. Bras. de Estudos Urbanos e Regionais, v. 6, n. 1, p. 9-32, mai. 2004.

ALTVATER, E. O preço da riqueza: pilhagem ambiental e a nova (des)ordem mundial. São Paulo: Ed. UNESP, 1995.

ASSELIN, V. Grilagem: corrupção e violência nas terras do Carajás. Imperatriz: Ética, 2009.

BACHETTA, V. La fraude de la celulosa. Montevideo: Doble Clic Editoras, 2008.

BIAZUS, A.; HORA, A. B. da; LEITE, B. G. P. Panorama de mercado: celulose. In: BNDES setorial, São Paulo, n. 32, p. 311-370, 2010.

BOITO JUNIOR, A. As bases políticas do Neodesenvolvimentismo. In: Fórum Econômico da FGV, São Paulo. Anais... São Paulo: FGV, 2012.

BRANDÃO, C. R.; BORGES, M. O lugar da vida: comunidade e comunidade tradicional. Campo Território, Uberlândia, Ed. esp. XXI ENGA 2012, p. 1-23, jun. 2014.

Comissão Pastoral da Terra (CPT). Conflitos no Campo – Brasil 2017. Goiânia: CPT Nacional, 2018.

COSTA, S. B. Produção de eucalipto no Baixo Parnaíba Maranhense: ordenamento e conflito territorial em foco. In: XIV Jornada do Trabalho, Anais... Presidente Prudente, [s. n.] 2012.

______. Chapadas e lutas: resistência camponesa no Baixo Parnaíba maranhense na rota do agronegócio silvicultor – conflitos territoriais e “usos” da natureza. 2016. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

CUNHA, R. C. C. Gênese e dinâmica produtiva da Sul do Maranhão. 2015. 221f. Dissertação (Mestrado em Geografia), CFLCS, Universidade Federal de Santa Catarina.

DELGADO, G. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século. Porto Alegre: EdUFRGS, 2012.

DOWBOR, L. A era do capital improdutivo: por que oito famílias têm mais riqueza do que metade da população do mundo? São Paulo: Autonomia Literária, 2017.

FRANKLIN, A. Breve história de Imperatriz. Imperatriz: Ética, 2005.

FREDERICO, S. Lógica das commodities, finanças e cafeicultura. Boletim Campineiro de Geografia, p. 97-116, v. 3, n. 1, 2013.

______. Agricultura científica globalizada e fronteira agrícola moderna no Brasil. Confins – Revue franco-brésilienne de geographie¸ Paris, n. 17, [s. p.] 2013b.

FREITAS, R. G.; MENDONÇA, M. A. A. Expansão agrícola no Brasil e a participação da soja: 20 anos. RESR, Piracicaba, v. 54, n. 03, p. 497-516, jul.-set. 2016.

GONÇALVES, R. J. de A. F. No horizonte, a exaustão: disputas pelo subsolo e efeitos socioespaciais dos grandes projetos de mineração em Goiás. 504f. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal de Goiás, 2016.

GONÇALVES, R. J. A. F.; PERPETUA, G. M.; MILANEZ, B. Espaços de lutas, de enfrentamentos e de resistências frente à pilhagem territorial dos grandes projetos de mineração em Goiás, Brasil. In: NASCIMENTO, D. T. F.; GONÇALVES, R, J. de A. F. (Org.). Águas do Cerrado: gestão, usos e conflitos. 1ed. Goiânia: Kelps, 2018, v. 1, p. 15-36.

GUDYNAS, E. Estado compensador e nuevos extractivismos las ambivalencias del progresismo sudamericano. Nueva Sociedad, v. 237, p. 128-46, 2012.

MARANHÃO. Perfil da agricultura maranhense. São Luís, SAGRIMA: dez. 2016.

MENDONÇA, B. R. Continuum colonial: colonialidade (= modernidade), empreendimentos capitalistas, deslocamentos compulsórios e escravos da república no Estado do Maranhão, Brasil. 2017. 313f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Maranhão, Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, São Luís.

MÉSZÁROS, I. O Século XXI. Socialismo ou Barbárie? São Paulo: Boitempo, 2003.

MITIDIERO JUNIOR, M. A.; BARBOSA, H. J. N.; SÁ, T. E. de. Quem produz comida para os brasileiros? 10 anos do Censo Agropecuário 2006. Pegada, Presidente Prudente, v. 18, n. 3, p. 7-77, set.-dez. 2017.

OLIVEIRA, A. U. de. A mundialização da agricultura brasileira. São Paulo: Iãnde Editorial, 2016.

PAULA ANDRADE, M. A Suzana: o cerco das terras camponesas e a destruição dos recursos naturais pela Suzano Papel e Celulose. In: 35º Encontro Anual da ANPOCS, Anais... Caxambu (MG), 2011. p. 1-19.

PAULO NETTO, J. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PERPETUA, G. M. Pilhagem territorial, precarização do trabalho e degradação do sujeito que trabalha: a territorialização do capital arbóreo-celulósico no Brasil contemporâneo. 2016. 370f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

PERPETUA, G. M.; GONÇALVES, R. J. A. F. A recente expansão das commodities agrominerais e a questão do desenvolvimento regional no Brasil: algumas notas preambulares. In: SILVA, C. H. R. da (Org.). O despertar regional (vol. 2): diálogos sobre geografia(s) e desenvolvimento regional de Mato Grosso do Sul. 1ed. Saarbrücken (Alemanha): NEA, 2017. p. 39-53.

PERPETUA, G. M.; THOMAZ JUNIOR, A. Desconstruindo o discurso de legitimação da produção brasileira de commodities agrominerais a partir da celulose. Sapiência, v. 5, n. 1, p. 57-74, 2016a.

______. Revisitando o conceito de acumulação do capital: a pilhagem territorial promovida pela Veracel Celulose no Extremo Sul da Bahia. Campo-Território, Ed. Esp. Grilagem e Estrangeirização de Terras, p. 225-256, jun. 2016b.

______. Commoditização do território no Brasil do Século XXI: a saúde do trabalhador em questão. In: PERPETUA, G. M.; THOMAZ JUNIOR, A. (Orgs.). Geografia e trabalho no século XXI (vol. 9 – Especial: Commodities, conflitos territoriais e degradação do trabalho no Brasil). Presidente Prudente: Editorial Centelha, 2018.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Geografia da riqueza, fome e meio ambiente: pequena contribuição crítica ao atual modelo agrário/agrícola de uso dos recursos naturais. In: OLIVEIRA, A. U. de; MARQUES, M. I. M. (Orgs.). O campo no Século XXI: Território de vida, de luta e de construção da justiça social. São Paulo: Casa Amerela; Paz e Terra, 2004.

______. A reinvenção dos territórios: a experiência latino-americana e caribenha. In: CECEÑA, A. E. (Org.). Los desafios de las emancipaciones en un contexto militarizado. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

ROCHA, R. G. O rural no Sul do Maranhão e a construção de um lugar pelos sertanejos. XI ENANPEGE, Anais... Presidente Prudente, 2015. p. 177-1789.

SANTOS, D. A reinvenção do espaço: diálogos em torno da construção do significado de uma categoria. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

SVAMPA, M. Consenso de los commodities y lenguajes de valoración en América Latina. Nueva Sociedad, n. 244, p. 30-46, mar.-abr. 2013.

VALVERDE, O. Geografia econômica e social do Babaçu no Meio Norte. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano XIX, n. 4, p. 381-420, out./dez. 1957.

VERSIANI, F. R.; SUZIGAN, W. O processo brasileiro de industrialização: uma visão geral. In: X Congresso Internacional de História Econômica, Anais... 1990.

THOMAZ JUNIOR, A. Movimento territorial do trabalho e desterreação do sujeito/classe. In: PERPETUA, G. M.; THOMAZ JUNIOR, A. (Orgs.). Geografia e trabalho no século XXI (vol. 9 – Especial: Commodities, conflitos territoriais e degradação do trabalho no Brasil). Presidente Prudente: Editorial Centelha, 2018.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.