Anti-colonizar os afetos da branquitude no feminismo Brasileiro / Anti-colonization of the affections of whiteness in Brazilian feminism

Élida Lima de Almeida

Abstract


O artigo pretende instigar brevemente a crítica de algumas formas pelas quais efeitos teóricos e afetos cotidianos da branquitude têm suscitado enfrentamentos e transformações no movimento de mulheres brasileiras nos últimos anos, em especial na experiência feminista interseccional. A teoria feminista tem produzido sistematicamente uma crítica à masculinidade; deseja-se salientar que é necessário para o feminismo conectado ao cotidiano social alcançar uma crítica às normativas raciais. O presente estudo percorre algumas heranças de um Brasil-colônia, assim como as atualizações de conceitos e práticas no feminismo marcadas pela intensificação, na última década, dos protagonismos e pautas do feminismo negro, que tem levado o feminismo interseccional a se deparar com sua branquitude. Perceberemos que a branquitude, ou identidade racial branca, pode ser uma porta de entrada para encarar questões da interseccionalidade que passam a ser melhor consideradas pelo feminismo como problemas relacionais, assim como um espaço afetivo-teórico onde se revelam questões capazes de interpelar o conjunto de valores que determina o modelo universal de humanidade e brasilidade. O processo de discussão sobre relações raciais no feminismo pode ser uma genuína experiência de formação política, como potente mobilizador de forças de libertação? Pesquisamos transformações nas subjetividades para expressar afetos contemporâneos em relação aos quais os universos vigentes tornaram-se obsoletos. Trata-se da produção de ideias e de ações capazes de fazer enfrentamento a todo pensamento colonizador das subjetividades. Sendo o feminismo uma filosofia prática, é preciso intensificar suas crises ao ponto de gestar conceitos e práticas atualizados às estratégias feministas anti-coloniais.

 


Keywords


feminismo; relações raciais; branquitude; interseccionalidade; anticolonialismo.

References


Azevedo, Célia Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites no século XIX. Paz e Terra, 1987.

BENTO, Maria Aparecida. Branqueamento e branquitude no Brasil. InPsicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Vozes, 2002a.

BENTO, Maria Aparecida. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. Tese de doutorado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2002b.

BUTLER, Judith. Gender trouble: Feminism and the Subversion of Identity. New York: Routledge, 1990.

CARNEIRO, Suely. Raça estrutura classe no Brasil. Entrevista. Revista CULT, número 223, ano 20, maio de 2017.

CARONE, IRAY. Breve histórico de uma pesquisa psicossocial sobre a questão racial brasileira. In: Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Vozes, 2002.

CARREIRA, Denise. Indicadores da qualidade na educação: relações raciais na escola / Denise Carreira, Ana Lúcia Silva Souza. Ação Educativa, 2013.

ELTIS, David; RICHARDSON, Davis. Atlas of the Transatlantic SlaveTrade. New Haven & Londres: Yale University Press, 2010.

HELMS, Janet E. Black and White Racial Identity: Theory, Research, and Practice. New York: Autora, 1990.

LIMA, Diane. Agora Somos Todxs Negrxs? Texto sobre exposição homônima curada por Daniel Lima no Videobrasil, em São Paulo. Revista Bravo, 2017.

MOMBAÇA, Jota.Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência. Oficina de imaginação política. Fundação Bienal de São Paulo, 2016. p. 11, 15.

PIZA, Edith. Porta de vidro: entrada para a branquitude. In: Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 59, 77.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo Negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

TRUTH, Sojourner. Ain’t I a Woman? Women’s Convention. Discurso. Akron, Ohio, 28-29 May 1851.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.