Reflexões sobre abordagem da inteligência competitiva em pesquisas nacionais / Reflections on the approach of competitive intelligence in national research

Renata Giacomin Menezes

Abstract


A atividade de Inteligência Competitiva é normalmente apontada como fator essencial para as empresas enfrentarem osambientes competitivosde forma mais eficaz, capaz de levar adiante as decisões de modo antecipado, buscando garantir uma melhor performance e permanência no mercado. Assim, este artigo tem como objetivo descrever como a Inteligência Competitiva vem sendo abordada em pesquisas nacionaispublicadas na base brasileiraScientific Periodicals Electronic Library(SPELL).A metodologia utilizada foi a pesquisa bilbliográfica descritiva, analisando os artigos da base escolhida, o período de publicação dos trabalhos em estudo não foi delimitado, no entanto, encontraram-se artigos sobre IC a partir de 1993.A pesquisa foi realizada em Julho de 2018 e os resultados apresentaram75artigosque exploraram como foco a inteligência competitiva em diferentes abordagens de estudo de campo sendo relevante também ressaltar a amplitude destes estudos (foco, setores e países).Este artigo avança na discussão acerca do tema inteligência e instiga novos estudos a partir dos exemplos descritos.

 


Keywords


Inteligência Competitiva. Pesquisa bibliográfica. Base Spell.

References


Aldasoro, J., Jordi, M., Zarrabeitia, E., & Larrea, A. (2015). Is competitive position associated to intensity in competitive intelligence activities?(p.97-100), International Work Conference on Bio-inspired Intelligence (IWOBI).

Almeida, F, & Hirata, P.(2016). Entendendo e implantando um sistema de inteligência competitiva. REGE - Revista de Gestão, 23, 111-122.

Alvarenga Neto, R., & Barbosa, R. (2003). Inteligência competitiva como função do conhecimento: gerentes como usuários de informação. Reuna, 8(24), 9-32.

Araújo, P., & Castilho Júnior, N. (2014). Contribuições da gestão da informação para o subprocesso de coleta do processo de inteligência competitiva. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(2), 50-66.

Ashton, W., & Klavans, R. (1997). Keeping abreast of science and technology: technical intelligence for business. United States: Battelle Press.

Azevedo, A., & Santana, J. (2014). Inteligência competitiva no cenário da web 2.0: um estudo do monitoramento da informação no contexto organizacional. Revista de Gestão e Tecnologia, 4(2), 105-114.

Barney, J., & Hesterly, W. (2011).Administração estratégica e vantagem competitiva. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Barroso, A., & Gomes, E. (1999). Tentando entender a gestão do conhecimento. RAP, 2, 147-70.

Bayandin, N., & Kretov, V. (2012). A competitive intelligence monitoring system for small businesses. Scientific and Technical Information Processing, 39(4), 236-239.

Bensoussan, B. (2003). Australian CI practices: a comparison with the US. Journal of Competitive Intelligence and Management, 1(3).

Birkinshaw, J., & Gibson, C. (2004). Building ambidexterity into an organization. MIT Sloan Management Review, 45(4).

Bose, R. (2008). Competitive Intelligence process and tools for intelligence analysis. Industrial Management & Data Systems, 108(4), 510-528.

Brody, R. (2008). Issues in defining competitive intelligence: an exploration. Journal of Competitive Intelligence and Management, 4(3), 3-16.

Calof, J., & Wright, S. (2008). Competitive intelligence: a practitioner, academic and inter-disciplinary perspective. European Journal of Marketing, 42(7/8), 717-730.

Câmara, E., Lara, J., & Sousa, C. (2015). Estratégicas de orientação para o mercado no varejo farmacêutico: um estudo no estado de Minas Gerais. Gestão & Planejamento, 16(3), 516-533.

Cavalcanti, C., Oliveira, M., &Bronzo, M. (2016).Alcançando a inovação em processos por meio da abordagem analítica. Revista de Ciências da Administração, 18(45), 127-139.

Choo, C. (2002). Information management for the intelligent organization: the art of scannig the environment. (3. ed.). Medford: Information Today Inc.

Ciupak, C., & Rodrigues, L. (2017). Conceitos clássicos e abordagens correntes em inteligência competitiva: um estudo bibliométrico de 2005 a 2015. Revista Ibeo-Americana de Estratégia, 17(1), 45-61.

Colauto, R., Beuren, I., & Santána, L. (2004). O benchmarking como suporte ao Sistema de inteligência competitiva. Revista de Negócios, 9(4), 237-248.

Colauto, R., Gonçalves, C., Beuren, I., & Santos, N. (2004). Os fatores críticos de sucesso como suporte ao sistema de inteligência competitiva: o caso de uma empresa brasileira. Revista de Administração Mackenzie, 5(2), 119-146.

Competitive Intelligence Foundation. (2006). State of the Art, Alexandria, VA.

Costa, E. (2002). Gestão estratégica. São Paulo: Saraiva.

Costa Neto, P. (1977). Estatística. São Paulo: Edgard Blücher.

Cristofoli, F., & Dias, R. (2010). A visão periférica como diferencial na identificação, de ameaças e oportunidades. Revista Gestão e Serviços, 1(1), 10-25.

Cunha, J., & Medeiros, J. (2007). Redes sociais no desenvolvimento de inteligência competitiva. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 5(3), 373-395.

Dalfovo, O., Schirmann, F., & Correia, R. (2011). A utilização do observatório da educação como inteligência competitiva em uma instituição de ensino superior. Estratégia e Negócios, 3(2), 140-158.

Deliberal, J., D’Arrigo, F., & Fachinelli, A. (2015). Gestão de sinais fracos em inteligência competitiva: o caso da metalúrgica PV. Revista da Micro e Pequena Empresa, 9(3), 93-105.

Du Toit, A. (2013). Comparative study of competitive intelligence practices between two retail banks in Brazil and South Africa. Journal of Intelligence Studies in Business 2, 30-39.

Fachinelli, A., Giacomello, J., & Bertolini, A. (2013). Inteligência estratégica: desenvolvimento de uma escala para compreensão do construto. Revista Brasileira de Estratégia, 6(2), 179-191.

Fachinelli, A., Luchesi, J., Crespi, K., & Machado, R. (2013). Inteligência competitiva e distância psíquica no setor moveleiro. Revista de Administração FACES, 12(3), 28-43.

Falcão, R., Mazzero, S., & Campomar, M. (2016). A criação de valor para o cliente com base nos processos estratégicos de segmentação e posicionamento. Revista Interdisciplinar de Marketing, 6(2), 25-41.

Feitosa, W. (2013). Um estudo de caso sobre o uso da inteligência de mercado no desenvolvimento do planejamento. Revista Pensamento & Realidade, 28(2), 1-19.

Fernandez, M., & Lana, R. (2008). Inteligência competitiva: uma nova ferramenta para o empreendedorismo. RACE, 7(2), 149-166.

Ferraresi, A., & Santos, S. (2006). Inteligência empresarial e gestão do conhecimento como praticas de suporte para a decisão estratégica.Revista de Administração e Inovação, 3(1), 102-114.

Fleisher, F., & Bensoussan, B. (2003). Strategic and competitive analysis: methods and techniques for analyzing business competition. New Jersey: Prentice Hall.

Fleisher, C. S., & Wright, S. (2009). Examining differences in competitive intelligence practice: China, Japan, and the West. Thunderbird International Business Review, 51(3), 249-261.

Francisco, T., Nakayama, M., Melo, P., Pitta, M., & Oliveira, F. (2014). O processo de inteligência competitiva em uma faculdade isolada: um estudo das principais contribuições. Revista Administração em Diálogo, 16(3), 162-190.

Fuld, L. (2007). Inteligência competitiva: como se manter à frente dos movimentos da concorrência e do mercado. (235 p.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Garcia, A. (2017). A inteligência competitiva e o desenvolvimento de capacidades dinâmicas nas organizações. Revista Ibero-Americana de Estratégias, 16(1), 69-90.

Ghoshal, S., & Westney, D. E. (1991). Organizing competitor analysis systems. Strategic Management Journal, 12, 17-31.

Gilad, B. (2000). An Ad Hoc, entrepreneurial CI model. Competitive Intelligence Magazine, 3(4), 33-39.

Gilad, B., & Gilad, T. (1988). The business intelligence system. New York: Amacom.

Guedes, I., & Cândido, G. (2008). Modernização administrativa no setor público: utilização de tecnologias de gestão e de informação para o gerenciamento do conhecimento. Revista Gestão Organizacional, 6(2), 158-173.

Hagiu, A., & Tanascovici, M. (2013). Competitive intelligence in the knowledge-based organisation. Network Intelligence Studies, 1(Issue 1).

Herring, J. P. (1999). Key intelligence topics: a processs to identify and define intelligence needs. Competitive Intelligence Review, 10(2), 4-14.

Hofmann, R., Pelaez, V., Melo, M., & Aquino, D. (2008). Aspectos técnicos e institucionais de um sistema de inteligência competitiva desenvolvido para a indústria de máquinas para madeira. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, 5(1), 61-86.

Hohhof, B. (1994). Developing Information Systems for Competitive Intelligence Support. Library Trends,43(2), 226-238.

Janissek-Muniz, R., Freitas, H., & Lesca, H. (2007). A inteligência estratégica antecipativa e coletiva como apoio ao desenvolvimento da capacidade de adaptação das organizações. Anais do CONTECSI, 4º. São Paulo/SP.

Jorge, C., & Sutton, M. (2016). Games como estratégia na construção e gestão do conhecimento no contexto da inteligencia organizacional. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 6, 103-118.

Krücken-Pereira, L., Debiasi, F., & Abreu, A. F. (2001 Maio-Jun.). Inovação tecnológica e inteligência competitiva: um processo interativo. REAd, Edição 21, 7(1).

La Falce, J., Giacomin, R., & De Muylder, C. (2016). Inovação e inteligência competitiva: análise da utilização dos temas em trabalhos científicos. In: T. M. S., Algarve. Tourism and Management Studies International Conference. Algarve, Portugal.

Lana, R., Perfeito, J., Dalvovo, O, & Selig, P. (2005). Inteligência competitiva: fator-chave para o sucesso das organizações no novo milênio. Revista de Negócios, 10(1), 33-46.

Lévy, P. (2007). A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. (5. ed.), São Paulo: Loyola.

Liebowitz, J. (2006). Strategic intelligence: business intelligence, competitive intelligence, and knowledge management. CRC Press: Auerbach Publications.

Lins, A., SilvA, W., & QuandT, C. (2009). Criação de inteligência competitiva a partir de regressão logística: estudo no setor de telecomunicações. Revista ADM.MADE, 13(1), 38-56.

Lodi, C. F. G. (2006). Planejamento por cenários e inteligência competitiva: integrando seus processos para tomar decisões estratégicas mais eficazes. In: C., Starec, E., Gomes, & J. Bezerra. (org). Gestão estratégica da informação e inteligência competitiva. (p. 124-142). São Paulo: Saraiva.

Lopes, B., De Muylder, C., & Judice, V. (2011). Inteligência competitiva e o caso de um arranjo produtivo local de eletrônica brasileiro. Revista Gestão e Planejamento, 12(2), 213-231.

Macedo, D., Rodrigues, L., & Silveira, A. (2011). Sistema de inteligência acadêmica na gestão de pós-graduação stricto sensu em Administração. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 136-160.

Maccari, E., Alonso, C., Tanaka, T., & Júnior, A. (2010). The internationalization process of the sales operations of the products of a sanitary ware industry. Future Studies Research Journal, 2(2), 157-178.

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4.ed. Porto Alegre: Bookman.

Maltz, E., & Kohli, A. (1996). Marketing intelligence dissemination across functional boundaries. Journal of Marketing Research, 33(1), 47-61.

Massukado-Nakatani, M. S. (2009). Métodos e técnicas de pesquisa em turismo: amostragem.Recuperado de:http://www.turismo.ufpr.br/drupal5/files/ Aula%2022%20-%20Amostragem.pdf.

Marcial, E., & Grumbach, R. (2005). Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor. (3. ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Martre, H., Clerc, P., & Harbulot, C. (1994). Intelligence économique et stratégie des entreprises. Paris: Commissariat Général du Plan. Recuperado de: http://www.ladocumentation francaise.fr.

Market Wire. (2007). Corporate spending on competitive intelligence projected to rise ten-fold, to $10 Billion, in Five Years. Press release. Recuperado de: http://www.marketwire.com.

McGonagle, J. J.; & Vella, C. (1990). The internet age of competitive intelligence. USA: Greenwood Publishing Group.

Meneghetti, F. (2011). O que é um Ensaio-Teórico? Revista de Administração Contemporânea,15(2), 320-332.

ra.

Moraes, C., Toledo, L. & Garber, M. (2015).La inteligencia de mercado: un ensayo hacia la competitividad. Future Studies Research Jornal, 7(2), 03-20.

Morejón-Bravo, Y. (2016). Los estudios de mercado y perfiles de sector como herramientas útiles para la toma de decisiones. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 6, 143-151.

Muller, M. (2007). Competitive intelligence and international business. South African Journal of Information Management, 9(1).

Murphy, C. (2006). Competitive intelligence: what documents can tell you. Business Information Review, 23(2), 35-42.

Nascimento, N., Santos, J., Valentim, M., & Cabero, M. (2016). O estudo das gerações e a inteligência competitiva em ambientes organizacionais. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 6, 16-28.

Nolasco, D., Silva, M., El-Aouar, W., Barreto, L., &Vasconcelos, C. (2018). Gestão do conhecimento e inteligência competitiva: instrumentos para gestão organizacional. Desafio Online, 6(1), 160-180.

Nunes, M., & Lequain, L. (2016). A utilização da inteligência competitiva na seleção de mercados para exportação: Uma análise comparativa de quatro métodos. Internext, 11(3), 22-35.

Oliveira, T. (2006). A relação entre orientação para o mercado e conhecimento de mercado. Pretexto, 7(1), 25-34.

Oliveira, P. (2013). Explorando a relação entre intensidade concorrencial e inteligência competitiva. Pretexto, 14(3), 114-128.

Oliveira, P. (2014). Avaliação da eficiência de unidades de inteligência competitiva por meio da Data Envelopment Analysis (DEA). Revista de Administração FACES, 13(4), 57-75.

Oliveira, P., Gonçalves, A., & Paula, E. (2010). Visão baseada em recursos da empresa, inteli- gência competitiva e balanced scorecard: em busca da vantagem competitiva sustentável. Revista de Ciências da Administração, 12(28), 60-82.

Oliveira, P., Gonçalves, A., & Paula, E. (2012). A visão baseada em recursos da inteligência competitiva. Revista de Ciências de Administração, 15(35), 141-151.

Oliveira, P., Pechin, D., Meyer, B., Paulo, B., & Santos, L. (2015). Inteligência competitiva no contexto das micro e pequenas empresas do setor imobiliário. Caderno Profissional de Administração – UNIMEP, 5(2), 46-62.

Ozaki, A., Rey, A., & Almeida, F. (2011). Technological monitoring radar: a weak signals interpretation tool for the identification of strategic surprises. Future Studies Research Journal, 3(1), 85-111.

Panizzon, M., Conto, M., & Malafaia, G. (2009). A inteligência estratégica

e a formação de alianças internacionais no setor automotivo de grande porte. Revista de Estudos de Administraçã0, 9(18), 23-57.

Panizzon, M., Roesch, S., Olea, P., & Milan, G. (2014). Nada acontece por acaso: uma história sobre a interface entre estratégia e processos de negócio. Revista ALCANCE, 21(3), 563-579.

Parreiras, V., & Antunes, A. (2012). Aplicação de foresight e inteligência competitiva em um centro de P&D empresarial por meio de um observatório de tendências: desafios e benefícios. Revista de Gestão e Conexões, 1(1), 55-73.

Passos, A., & Ferreira, D. (2016). Inteligência competitiva: percepções e práticas nas empresas da região autónoma dos açores. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 6, 72-86.

Pelissari, A., Gonzalez, I., Vanalle, R., & Soares, M. (2011). Diagnóstico do uso da inteligência competitiva empreendedora em peque- nas empresas da indústria de confecções da cidade de VILA VELHA – ES. Revista de Administração UFSM, 5(2), 183-203.

Pellissier, R., & Nenzhelele, T. (2013). Towards a universal definition of competitive intelligence. Journal of Information Management, 15(2), 7.

Pereira, F., Jeunon, E., Barbosa, R., & Duarte, L. (2017). Inteligência competitiva como suporte à estratégia empresarial em micro e pequenas empresas: um estudo na aerotrópole de Belo Horizonte. Revista Ibero-Americana de Estratégias, 17(1), 93-111.

Pimentel, M., & Almeida, F. (2017). Relação entre monitoramento e orientação estratégica: um estudo da percepção de profissionais da inteligência competitiva. Gestão e Regionalidade, 33(99), 128-145.

Pizzol, L., Todesco, J., & Todesco, B. (2016). Como a web de dados pode apoiar o processo de inteligência competitiva. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 5, 87-102.

Pozzebom, M., Freitas, H., & Petrini, M. (1997). Pela integração da inteligência competitiva nos enterprise information systems. Ciência da Informação, 26(1).

Prestes, A., Olea, P., Nodari, C., Ganzer, P., Guimarães, J., & Dorion, E. (2012 Jan-Jun). A introdução do conceito e a aplicabilidade de inteligência competitiva em hospitais de Caxias do Sul. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 54-64.

Pricewaterhousecoopers. (2002). Trendsetter Barometer. PricewaterhouseCoopers. London: March, 2002.

Quadros, R., Vieira, G., Consoni, F., & Quintão, R. (2014). Choosing accurately: competitive intelligence on prospecting partners for technological cooperation. Revista de Administração e Inovação, 11(3), 323-346.

Quinello, R., & Nicoletti, J. (2005). Inteligência competitiva nos departamentos de manutenção industrial no Brasil. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, 2(1), 21-37.

Reche, M., & Muniz, R. (2018). Inteligência estratégica e design thinking: conceitos complementares, sequenciais e recorrentes para estratégia inovativa. Future Studies Research Journal, 10(1), 82-108.

Reginato, C., & Gracioli, O. (2012). Gerenciamento estratégico da informação por meio da utilização da inteligência competitiva e da gestão do conhecimento: um estudo aplicado à indústria. Gestão da Produção [online], 19(4), 705-716. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/gp/v19n4/a04v19n4.pdf.

Ribeiro Filho, J., Lopes, J., Pederneiras, M., Silva, A., & Mulatinho, C. (2010). Recomendações em auditoria operacional: uma prospecção de fragilidades, com base na inteligência competitiva. Revista de Administração UFSM, 3(2), 191-204.

Rodarte, A. (2003). Nuevo paradigma de planeación estratégica en centros de investigación aplicada y desarrollo tecnológico. Rev. Cent. Ciências Administrativas, 9(1), 51-57.

Rodrigues, H., Antunes, A., & Dutra, L. (2003).Análise de propostas de modelos de gestão direcionados para o conhecimento. Revista de Administração, 38(1), 66-76.

Rodrigues, L., Rechziegel, W., Esteves, G., & Fernandes, V. (2012). Inteligência competitiva como instrumento de inovação nos processos de negócio. Revista Gestão Organizacional,5(2), 229-241.

Rodrigues, L., Sierra. J., & Rechziegel, W. (2013). Maturidade organizacional em inteligência competitiva - o caso de uma instituição financeira brasileira. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 126-139.

Rodrigues, L., Zoschke, A., Vieira, S., Junior, S., & Galeano, R. (2009). As redes de contatos pessoais e as práticas de inteligência competitiva: um estudo sobre a arquitetura de relacionamento em uma empresa de logística. Revista de Negócios, 14(4), 67-86.

Rodriguez, M., & Fontana, E. (2005). Inteligência competitiva: nível de uso e influência nas receitas nos pequenos negóciosexportadores.REAd, 11(3), 1-26.

Russo, R., Frederick, B., & Nogueira, C. (2008). Criação de sentido e decisão naturalista. Gestão & Regionalidade, 24(72), 27-37.

Santos, V., Santos, C., &Belluzzo, R. (2016). A competência em informação em articulação com a inteligência competitiva no apoio ao alinhamento estratégico das informações nas organizações. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 6, 45-60.

Sapiro, A. (1993). Inteligência informac/onal empresarial: a revolução da ação competitiva.Revista de Administração de Empresas, 33(3), 106-124.

Santarém, V., & Vitoriano, M. (2016). Gestão da informação, fluxos informacionais e memória organizacional como elementos da inteligência competitiva. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 5, 158-170.

Santos, M., Zilber, M., & Toledo, L. (2016). A study concerning open innovation and its relation to innovation and market orientation. Future Studies Research Journal, 3(2), 186-211.

Sauner, E., & Balestrin, A. (2006). Inteligência competitiva: contribuições para empresas de tecnologia da informação. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 2(3), 15-23.

Saxby, C., Parker, K., Nitse, P., & Dishman, P. (2002). Environmental scanning and organizational culture. Marketing Intelligence & Planning, 20(1), 28-34.

Schiffman, L., & Kanuk, L. (2000). Consumer behavior. New Jersey: Prentice-Hall.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE. (2017). Inteligência competitiva para pequenas empresas.Recuperado de:https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/inteligencia-competitiva-para-pequenas-empresas,c77836627a963410VgnVCM1000003b74010aRCRD.

Silva, M., & Barbosa, J. (2007). Obstáculos ao desenvolvimento de inteligência competitiva para o comércio exterior: o caso de um Arranjo Produtivo Local. Revista ADM.MADE, 11(3), 117-141.

Silva, E., Bassetto, C., Ottonicar, S., & Yafushi,C. (2016). O processo de inteligência competitiva e sua relação com indicadores de inovação e competência em informação. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 6, 240-252.

Silva, P., & Bicca, E. (2012). Inteligência estratégica antecipativa: oportunidades para uma nova empresa de tecnologia da informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 2(1), 182-193.

Society of Competitive Intelligence Profissionals. SCIP (2010). About SCIP. Retrieved from: http://www.scip.org.

Scientific Periodicals Electronic Library – SPELL. (2015). Recuperado de: http:// www.spell.org.br/.

Tao, Q., & Prescott, J. (2001). China: competitive intelligence practices in an emerging market environment. Competitive Intelligence Review, 11(4):65-78.

Tarapanoff, K. (2006). Informação, conhecimento e inteligência em corporações: relações e complementaridade. In: K., Tarapanoff (org.). Inteligência, informação e conhecimento em corporações. Brasília (DF): IBICT, UNESCO, 2006. 456 p. ISBN857652063X.

Tarapanoff, K. (2007). Inteligência social e inteligência competitiva. Organizações em Contexto, 3(5), 207-222.

Teixeira, T., &Valentim, M. (2016). Inteligência competitiva organizacional: um estudo teórico. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, 6, 3-15.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2013). Managing innovation. (5.ed., 658 p.). West Sussex: John Wiley & Sons.

Três, D., & e Cândido, M. (2010). Sistema inteligência setorial: acesso e compartilhamento de informação e conhecimento para a obtenção de vantagem competitiva. Revista Brasileira de Estratégia, Curitiba, 3(3), 245-252.

Valentin, M., Cervantes, B., Carvalho, E., Garcia, H., Lenzi, L., Catarino, M., & Tomaél, M. (2003 Jun.). O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero -Revista de Ciência da Informação, 4(3).

Viviers, W., Saayman, A., Calof, J. L., & Muller, M. L. (2002). Competitive intelligence practices: a South African study. South African Journal of Business Management, 33(3): 27-37.

Yap, C., & Rashid, Z. (2011). Competitive intelligence practices and firm performance. Libri, 61, 175-189.

Wright, S., & Calof, J. L. (2006). The quest for competitive, business and marketing intelligence: A country comparison of current practices. European Journal of Marketing, 40(5-6), 453-465.

Zenaide, V., & Castro, L. (2017). Cenário de práticas empresariais em inteligência competitiva na indústria de telecomunicac ̧ões. Um estudo sobre a prática em empresas no Brasil sob o framework Wright-Pickton. Revista de Gestão, 24, 110-121.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.