Análise da correlação entre o modelo fleuriet e os indicadores de rentabilidade e liquidez para as maiores e melhores empresas de capital aberto segundo a revista exame / Analysis of the correlation between the fleuriet model and the indicators of profitability and liquidity for the biggest and best companies of open capital according to the exame magazine

Claudia Horrany Guimarães Silva Morel, Geovane Camilo dos Santos, Dryelle Laiana de Jesus Silva dos Santos, Alexandre Pedroza Francisco, Alexandre de Carvalho Paranaiba

Abstract


Este estudo buscou identificar a existência de correlação entre os indicadores do Modelo Fleuriet e os indicadores de rentabilidade e liquidez classificadas pela Revista Exame, no ano de 2017, como as Melhores e Maiores e que são de capital aberto. A amostra foi composta por 9 entidades da B3 que ficaram classificadas entre as 20 Melhores e Maiores empresas segundo a Revista Exame, sendo o período de análise de 2009 a 2016.Os resultados revelaram a presença de três tipologias Modelo Fleuriet, o primeiro “Sólida”, o segunda “Insatisfatória” e um grupo “Sem Tendência Definida”.Nas correlações das empresas consideradas “Sólidas”, o Saldo em Tesouraria (ST) e Indicador Estoque possuem correlação negativa. Houve correlação relação negativa com Índice de Liquidez de Necessidade de Capital de Giro (ILNCG) e estoques. Constatou-se também correlação entre ILNCG e os indicadores de Liquidez Imediata (LI), Seca (LS) e Corrente (LC). Nas organizações classificadas como “Insatisfatórias” observou que existe correlação entre NCG e os indicadores de LG, LS e LC. Por outro lado, não houve correlação entre os indicadores do Modelo Fleuriet e os indicadores de rentabilidade.


Keywords


Modelo Fleuriet. Capital de Giro.Indicadores de Rentabilidade e Liquidez

References


AMBROZINI, M. A.; MATIAS, A. B.; PIMENTA JÚNIOR, T. Análise dinâmica de Capital de Giro segundo o Modelo Fleuriet: uma classificação das empresas Brasileiras de Capital Aberto no período de 1996 a 2013. Revista Contabilidade Vista e Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 2, p. 15-37, maio/ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

ASSAF NETO, A. Estrutura e Análise de Balanços: um enfoque econômico-financeiro.11. ed. São Paulo: editora Atlas, 2015.

B3. Quem Somos: BM&FBovespa. 2017. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

BRAGA, R.; NOSSA, V.; MARQUES, J. A. V. C. Uma proposta para a análise integrada da liquidez e Rentabilidade das empresas. Revista Contabilidade e Finanças - USP, São Paulo, v. 15 , Número Especial, jun. 2004. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

CARDOSO, A. L.; BRITO, B. X. Administração Financeira e Orçamentária. 3. ed. Goiânia: UCG, 2002.

CARNEIRO JÚNIOR, J. B. A.; MARQUES, J. A. V. G. Planejamento financeiro a certo prazo: um estudo de caso da análise dinâmico do Capital de Giro aplicado em uma indústria Têxtil no período de 1999 – 2004. Pensar Contábil, Rio de Janeiro, v. 7, n. 29, jul./ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

COSTA, F.; MELLO GARCIAS, P. Concentração de Mercado e desempenho das Indústrias Brasileiras de papel e celulose:Recorrendo à modelagem de Fleuriet para analisar o Paradigma ECD. Revista de Contabilidade e Organizações, São Paulo, v. 3, n. 6, p. 143-163, maio/ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

DENOTI, J. D.; MOREIRA, V. C. C. A importância da Administração do Capital de Giro para a sobrevivência de uma empresa. SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 8. 2011, Resende. Anais eletrônicos.... Resende: SEGET, 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 de set. 2011.

FLEURIET, M.; ZEIDAN, R. O modelo dinâmico de Gestão Financeira. Rio de Janeiro: editora Alta Books, 2015.

FONSECA, J. L.; CERETTA, P. S. A Gestão da Liquidez e o seu reflexo no retorno sobre o capital próprio e no lucro por ações das empresas pertencentes à BM&FBovespa. Revista Alcance– eletrônica, Biguaçu, v. 19, n. 2, p. 202-221, abri./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2017.

GUIMARÃES, A. L. S.; NOSSA, V. Capital de Giro, Lucratividade, Liquidez e Solvência em operadoras de planos de saúde.Brazilian Business Review, Vitória, v. 7, n. 2, p. 40-63, maio/ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

LEMES JÚNIOR, .B.; RIGO, C. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. C. Administração Financeira: Princípios, Fundamentos e Práticas Brasileiras. 3. ed. Rio de Janeiro: editora Elsevier, 2010.

MACHADO, E. A. et. al. Desempenho operacional – Financeiro e concentração de mercado sob o enfoque do paradigma estrutura – conduta – desempenho: um estudo exploratório na Indústria Brasileira de Laticínios no período de 1997 a 2006. Brazilian Business Review, Vitória, v. 7, n. 1, p. 118-140, jan./abr. 2010.

Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

MARQUES, J. A. V. C.; BRAGA, R. Análise dinâmica do Capital de Giro: O Modelo Fleuriet. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 49-63, mai./jun. 1995. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2017.

MARQUES, L.; SANTOS, V.; BAUREN, I. M. Abordagem dinâmica do Capital de Giro em artigos publicados nos periódicos nacionais do Qualis CAPES. Revista de Economia e Administração, São Paulo , v. 11, n. 1, p. 109-130, jan./mar. 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

MATARAZZO, D. C. Análise Financeira de Balanços: Abordagem Gerencial. 7. ed. São Paulo: editora Atlas, 2010.

MIRANDA, G. J.; SILVA, T. D.; SANTOS, G. C. Modelo Fleuriet e Retorno do Investimento: uma análise Setorial. CONGRESSO ANPCONT, 10., 2016, Ribeirão Preto. Anais eletrônicos.... São Paulo: ANPCONT, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.

MODRO, W. M.; FAMÁ, R.; PETROKAS, L. A. Modelo tradicional x modelo dinâmico de análise do Capital de Giro:Um estudo comparativo entre duas empresas de mesmo setor com diferentes performances financeiras. FACEP Pesquisa Desenvolvimento e Gestão, Franca, v. 15, n. 1, p. 90-106, jan./abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2017.

NASCIMENTO, C. et. al. Tipologia de Fleuriet e a Crise Financeira de 2008. Revista Universo Contábil, Blumenau , v. 8, n. 4, p. 40-59, out./dez., 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

PERUCELO, R. M.; SILVEIRA, M. P.; ESPEJO, R. A. As análises econômico – Financeira Tradicional e Dinâmica e o desempenho percebido pelo Mercado de Ações: Um estudo de empresas do Setor Têxtil e Vestiário do Brasil no período de 1998 a 2007. Enfoque: Reflexão Contábil, Paraná, v. 28, n. 3, p. 36-50, set./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

SANTOS, N. C. et. al. Modelo Econômico – Contábil – Financeiro para diagnóstico Organizacional. Revista de Administração da Unimep, São Paulo, v. 11, n. 2 , p. 119-142 , maio/ago., 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

SCHUMANM, K. M. et. al. A influência da Gestão de preços no Capital de Giro em empresas do comércio de confecções de catanduvas, Joaçaba e Herval D’Oeste. UNOESC e Ciência, Joaçaba, v. 5, n. 1, p. 7-18, jan./jun.2014. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2017.

SILVEIRA, E.; ZANOLLA, E.; MACHADO, L. Uma classificação alternativa à atividade econômica das empresas brasileiras baseados na tipologia Fleuriet. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, Lisboa – Portugal, v. 14, n. 1, p. 14-25, mar./abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

SOUZA, L. A. et. al. Análise dinâmica das demonstrações financeiras de Guararapes Confecções S/A. Revista Capital Científico – Eletrônica, Guarapuava, v. 15, n. 2, p. 99-114, abr./jun., 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2017.

VAZ, T. As 20 premiadas de Melhores e Maiores de EXAME por categoria. Revista Exame, São Paulo, 7 ago. 2017. Negócios. Disponível em: . Acesso em: 09 set


Refbacks

  • There are currently no refbacks.