Desigualdade social, formação profissional e trabalho coletivo da e na saúde: dilemas da atualidade / Social inequality, Professional training and collective work of and in health: current dilemmas

Samara Silva dos Santos, Laína Jennifer Carvalho Araújo, Edna Maria Goulart Joazeiro

Abstract


O estudo é empreendido com base em produção bibliográfica, em consonância com o arcabouço jurídico, com os marcos legais e conceituais da Política de Saúde e do Sistema Único de Saúde (SUS) e com a Lei das Diretrizes e Bases da Educação. Analisa e discute a formação superior e o trabalho no campo da Saúde, buscando articular a experiência concreta da formação e do ensino do trabalho no âmbito do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde, PET Saúde GRADUASUS da Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS) e da Universidade Federal do Piauí da qual as autoras fizeram parte no período de 2016/2018. A análise busca aprofundar aspectos da Educação Superior e do processo de formação da e na universidade e a esfera da produção do cuidado no campo da saúde pública. Analisa as transformações ocorridas no âmbito da sociedade capitalista e como estas têm implicado em mudanças significativas nas relações de sociabilidades, no aumento das desigualdades sociais que torna mais complexa a questão social e sua relação com os Determinantes Sociais em  Saúde (DSS) no processo saúde-doença, tornando frágil o acesso do direito à saúde e a vida de significativos contingentes populacionais marcados pela desigualdade no acesso aos direitos sociais. Esses fatores marcam de modo inelutável a relação entre instituições formados e os serviços de saúde. Cabe às instituições formadoras o papel de formar profissionais de qualidade tendo em vista a necessidade de coadunar os conhecimentos do corpus de saberes das diversas profissões que estão inseridas no processo de produção do cuidado na Saúde, com vistas a fortalecer as diversas políticas públicas nas quais se inserem.   

 


Keywords


Educação Superior. Formação Profissional. Desigualdade Social. Trabalho Coletivo. Saúde Pública

References


BRASIL, Ministério da Saúde, Edital n.º 13/ 2015, de 28 de setembro de 2015, Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde, PET Saúde GRADUASUS.

BRASIL.Presidência da República. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.Brasília, 20 de dezembro de 1996. DOU de 23.12.1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (Pacs). Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 22 out. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

» http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acesso em: 7 de nov. De 2018

BARROCO, M. L. Barbárie e neoconservadorismo: os desafios do projeto ético-político. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 106, p. 205-218, abr./jun. 2011. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0101-662820110002&lng=pt&nrm=is Acesso em: > 09 de novembro de 2018.

BARATA, R. B. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

BUSS, P.M.; FILHO, A.P.A Saúde e seus Determinantes Sociais. PhysisRev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17(1):77-93, 2007. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a06.pdf Acesso em: > 07 de novembro de 2018.

CAMPOS, G.W.S. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência & Saúde Coletiva, v.5. n.2, p.219-230, 2000.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. O quadrilátero da formação para a área de saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis Rev. Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.14, n.1, p. 41- 65, 2004.

CECCIM, R. B., BRAVIN, F.P., SANTOS, A. A. Educação na saúde, saúde coletiva e ciências políticas: uma analise da formação e desenvolvimento para o Sistema Único de Saúde como política pública. Lugar Comum (UFRJ). 2009; (28):159-180.

COSTA, D. A. S; SILVA, R.F.;LIMA V. V.; RIBEIRO, E. C. O. Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface.22 (67) Oct-Dec 2018. https://scielosp.org/article/icse/2018.v22n67/1183-1195.

IAMAMOTO, M. V. A questão social no capitalismo. Temporalis. Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. Ano 2. nº 3. (jan./jun.2001). Brasília: ABEPSS, Grafline, 2001.

JOAZEIRO, E. M. G. Supervisão acadêmica e de campo: relação entre saberes. Teresina: EDUFPI, 2018.

JOAZEIRO, E.M.G; ARAÚJO, L.J.C; ROSA, L.C.S. Formação e trabalho coletivo na saúde mental: intersetorialidade e sinergia. Tempus Actas de Saúde Coletiva. Brasília, DF v. 11, n. 3, p. 69-84. 2017 ISSN 1982-8829. Disponível em Acesso em6 de novembro de 2018.

MONNERAT, G. L, SOUZA, R. G. Intersetorialidade e políticas sociais: um diálogo com a literatura atual. In. MONNERAT GL, ALMEIDA NLT, SOUZA, R. G. A intersetorialidade na agenda das políticas sociais.Campinas (SP): Papel Social,2014, p. 41-54.

OLIVEIRA, R.N. da C. O agir comunicativo no contexto das práticas de educação em saúde pública: um estudo à luz da teoria da ação comunicativa de J. Habermas. Serviço Social & Sociedade., São Paulo, n. 106, p. 267-283, abr./jun. 2011. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n106/n106a05.pdf. Acesso em: > 07 de novembro de 2018.

FREIRE, P. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979, p. 43-60.

FREIRE, P. Entrevista: A pratica de pensar a prática é a melhor maneira de aprender a pensar certo. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano1, n. 3, p. 71-79, out. 1980.

SANTOS, M. O dinheiro e o território. In: SANTOS, M. et al. Território e territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006, 2ª edição, p. 13-21.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.