O ciclo de vida como proposta curricular para o ensino de ciências e biologia na formação de jovens e adultos da educação básica / The life cycle as a curricular proposal for teaching science and biology in the training of young people and adults in basic education

Luciano Luz Gonzaga, Andrea Velloso, Cristina de Oliveira Maia, Denise Lannes

Abstract


Recentemente, a Educação de Jovens e Adultos (EJA) vem se configurando como um campo pedagógico comprometido com o desenvolvimento de reflexões críticas sobre suas necessidades e objetivos. Entretanto, poucos esforços vêm sendo feitos no sentido de explicitar ou discutir seus contornos e especificidades neste campo do conhecimento. Assim, o objetivo basilar deste trabalho é registrar a trajetória percorrida na elaboração de uma proposta curricular significativa para o ensino de ciências e biologia, priorizando os tempos e os ritmos de aprendizagem do estudante na modalidade EJA. Como metodologia, utilizamos a análise documental dos documentos advindos do Ministério da Educação e da Secretaria Estadual de Educação do Estado do Rio de Janeiro, assim como a colaboração de professores da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro, por meio de audiências públicas. Este trabalho resultou em uma proposta curricular de formação generalista, inspirado no ciclo da vida, organizado por temas, competências e habilidades dentro de um período de 01 (um) ano e meio de formação.

 


Keywords


Ciências, Biologia, Currículo, Ciclo da Vida

References


AGUIAR, R. H. A. Educação de Adultos no Brasil: políticas de (des) legitimação. Tese de Doutorado. Orientação Lúcia Mercês de Avelar. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2001. 174 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação.

ALTMAN,H. Orientação sexual nosparâmetros curricularesnacionais. RevEstudFem; v. 9, n.2, p.575-586, 2001.

ARAÚJO, R. M. B; BARROS, J. M. P. A gênese da dualidade histórica do ensino médio e daformação profissional, uma herança portuguesa com certeza. Revista EJA em debate, Ano. 5, n. 7, 2016.

ARAÚJO, D; MIRANDA, M. C. G. de; BRASIL, S. L. Formação de profissionais de saúde na perspectiva da integralidade. Revista Baiana de Saúde Pública, v.31, supl.1, p.20-31, jun, 2007.

BORGES, R. M. R.; LIMA, V. M. do R Tendências contemporâneas do ensino de Biologia no Brasil .Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciências, vol. 6, n.º 1. 2007.

BOSSELMANN K In searchof global law: The significanceofthe Earth Charter. Worldview, v. 8, n. 1, p. 62–75, 2004

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Saraiva, 1996.

BRASIL. Novo Ensino Médio. Ministério da Educação, 2016.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=40361. Acesso em: 10, Dez, 2017.

BRASIL. Brasil. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais– Brasília: MEC, 1997.

CALHÁU, M. A concepção do aluno nos programas de EJA no Brasil .Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa, v. 2, n. 3, p. 76-92, fev, 2008.

CASSOL, K. P; CANCELIER, J. W; MENEZES, L. J. M. de; ZANON, J. S; ALBERTI, E. A. Sustentabilidade e educação ambiental sob a perspectiva da globalização. Revista di@logus,volume 4, nº 2, p.201-211, 2015.

CRUZ, E; GONÇALVES, M. R.Evasão na educação de jovens e adultos. Revista Científica Interdisciplinar, v. 2, n. 3, jul-set, 2015.

DEMÉTRIO, C. F. Contextualização de conteúdos na EJA: A percepção de professores de Ciências Naturais. 2016. 44f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas)- Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2016.

Disponível em: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/11935.

Acesso: 13 Jan, 2018.

FIGUEIREDO, V. de. A evasão escolar na EJA, sob o olhar foucaultiano no município de SÃO JOAQUIM S/C. Revista UNIPLAC, v.6, n.1, 2018.

FRIEDRICH, M, et al. Trajetória da escolarização de jovens e adultos no Brasil: de plataformas de governo a propostas pedagógicas esvaziadas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas Educacionais, v.18, n. 67, p.389-410, 2010.

GARDNER, E. J. PrinciplesofGenetics. New York: JonhWiley, 8ª ed, 1991

GONZAGA, L. L; VELLOSO, A; LANNES, D. Atitudes escolares de alunos e professores do Ensino Médio diurno e noturno: Representações Sociais acerca da escola. Revista Contexto & Educação, v. 27, n.88, 2013.

GONZAGA, L.L. Somos todos interligados: uma experiência compartilhada entre escola e comunidade. Revista Educação Pública (Rio de Janeiro), v.1, n.1, maio, 2014.

MORAIS, F.A. O ensino de Ciências e Biologia nas turmas de EJA: experiências no município de Sorriso- MT. Revista IberoAmaericana de Educación, v. 6, n.48, 2009.

ODENT, M. A primeira verdade inconveniente. Revista Eletrônica Tempus: Actas de Saúde Coletiva, v. 4, n.4, p. 61-66, 2010.

KLEIN,R. Como está a educação no Brasil? O que fazer?Ensaio: aval. pol.públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.51, p. 139-172, abr./jun. 2006.

LOUREIRO, C.F.B. O dito e o não dito na “década da educação para o desenvolvimento sustentável” promovida pela Unesco.Pesquisa em Educação Ambiental, vol.11, n.2, 2016.

LOURO, G. “Pedagogias da sexualidade”. In: SILVA, T. T. (Org.). O corpo educado:

pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

MACHADO, R.C.F; PALUDO, C. Educação de jovens e adultos (EJA) e a relação trabalho/educação no trabalho de educação popular.Currículo sem Fronteiras, v. 14, n. 1, p. 137-150, jan./abr. 2014.

MACHADO, M. M. A Educação de Jovens e Adultos. Após 20 vinte anos da lei nº 9.394, de 1996. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 10, n. 19, p. 429-451, jul./dez. 2016

OLIVEIRA,W. P; TORRES, J. R. Desenvolvimento sustentável e sustentabilidade: uma análise preliminar da abordagem dos conceitos na Proposta Curricular do Estado de São Paulo. Crítica Educativa (Sorocaba/SP), v. 4, n. 1, p. 16-29, jan./jun.2018.

PRAIA, J. F; CACHAPUZ, A. F. C; GIL-PEREZ, D. Problema, teoria e observação em ciência: para uma reorientação epistemológica da educação em ciência. Ciênc. educ. (Bauru), v. 8, n. 1, p. 127-145, 2002.

RAMOS, K. C. A. B. Ser um corpo mais humano: a visão de professores sobre o Ser Humano no ensino de Ciências e Biologia. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade). Rio de Janeiro: FFP/UERJ, 2017.

RAMOS,K. C. de A. B; FONSECA, L. C.de S; GALIETA, T. Visões sobre o ser humano e as práticas docentes no ensino de ciências e biologia. Revista Exitus, v. 8, n. 1, p. 305 - 331, Jan-Abr, 2018.

RODRIGUES CP, WECHSLER, AM. A sexualidade no ambiente escolar: a visão dos professores de educação infantil. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro SP, v. 1, n. 1, p. 89-104, 2014.

SANTOS, G. L. Educação ainda que tardia: a exclusão da escola e a reinserção de adultosdas camadas populares em um programa de EJA. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 107-125, 2003.

SANTOS, A. S. A política curricular da EJA na rede municipal de ensino de Salvador: um estudo compreensivo e propositivo da “Proposta Tempos de Aprendizagem” na perspectiva dos atores curriculantes docentes. Salvador, 2016.134f. Dissertação apresentada ao MestradoProfissional em Educação de Jovens e Adultos-MPEJA, Departamento de Educação-Campus I, Universidade do Estado da Bahia.

Disponível em: http://www.uneb.br/mpeja/files/MPEJA-UNEB.pdf

Acesso em: 05. Fev, 2018

SILVEIRA, A. Ensino de história indígena e EJA: práticas e desafios. Revista do laboratório de ensino de história e educação, v.1, n.1, jul-dez, 2014.

SILVEIRA, C. O; DELGADO, Z.C. Educação de jovens e adultos e a evasão escolar: análise e proposição. Revista Educação: Teoria e Prática,v. 28, n.57, p23-40, jan-apr, 2018.

STRELHOW, T. B. Breve história sobre a educação de jovens e adultos no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, v. 10, n. 38, p. 49-59, 2010.

TAUCEDA, K. C. O contexto escolar e as situações de ensino em ciências: interações que se estabelecem na aprendizagem entre alunos e professores na perspectiva da teoria dos campos conceituais. Tese de Doutorado, 2014, 426 f. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/105016.

Acesso em: 10, Jan, 2018.

TRIVELATO, S. L. F. Que corpo/ser humano habita nossas escolas? In: MARANDINO, M; SELLES, S. E; FERREIRA, M. S.; AMORIM, A. C. (Orgs.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: EDUFF, 2005

VAN LENTEREN J.C. From Homo economicusto Homo ecologicus: towardsenvironmentally safe pestcontrol. In: RosenD., Tel-Or E., Hadar Y., Chen Y. (eds) ModernAgricultureandtheEnvironment. Developments in PlantandSoilSciences,. Springer, Dordrecht, vol 71, 1997.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.