Análise do valgo dinâmico como fator responsável pela dor anterior de joelho em jogadores de futebol de campo / Analysis of dynamic valgus as a factor responsible for anterior knee pain in field soccer players

Aline Margioti Zanella, Fabiana Seixas da Costa Lima, Wallace Ribeiro Stefanini, Claudia Augusta Hidalgo, Cristiane Bonvicine

Abstract


O valgo dinâmico do joelho pode ser favorecido por alterações cinemáticas no tronco, na pelve e no quadril, de forças e de recrutamento dos músculos estabilizadores do complexo lombo pélvico, da hiperpronação da articulação subtalar. Esse valgismo levaria à alteração do alinhamento da articulação do joelho e possível dor anterior de joelho. Objetivo: Analisar a relação entre valgo dinâmico e dor anterior do joelho em jogadores de futebol de campo profissional. Métodos: Foram avaliados 24 jogadores de futebol, com idade média de 15 e 17 anos (15,29 ± 1,04 anos), massa corporal de (60,09 ± 8,04 kg) e altura de (1,76 ± 0,06m), todos foram submetidos a exames físicos da amplitude de movimento, perimetria, testes para alterações proximais como Ober, Thomas, Trendelembug, flexibilidade dos isquiostibiais, ângulo Q, teste funcional Cross Over Hop Test, navicular drop test, step down test. Foram questionados com relação à existência de lesão nos últimos seis meses e tiveram sua dor avaliada pela escala visual analógica. Adotou-se o nível de significância de p≤0,005. O projeto foi aprovado Comitê de Ética da Universidade Paulista-UNIP- CAAE: 44651815.8.0000.5512. Resultados:  4 (16,7%) jogadores apresentaram medidas de circunferência acima de 1,5 entre os membros e na amplitude não houve diferença entre os lados. No teste de Thomas e Ober, os 24 (100%) jogadores estavam com flexibilidade normal, no teste do Drop navicular, em três (12,5%) houve queda do navicular, no teste da flexibilidade dos isquiotibiais 14 (58,33%) tinham flexibilidade reduzida, no Ângulo Q, sete (29,17%) tinham aumento, no teste do Trendelemburg em 12 (50%) houve queda da pelve, no crossover hop test, cinco (20,83%) apresentaram instabilidade postural e, por fim, no teste do step down, os 24 (100%) apresentaram valgo dinâmico. Os 24 dores negaram a existência de dor e apenas três jogadores relataram lesões nos seis meses anteriores à avalição. Conclusão: todos os jogadores apresentaram valgo dinâmico; no entanto, tal fator parece não ter influenciado o surgimento de dor e lesões.

 


Keywords


Geno valgo; Joelho; Futebol.

References


Sizínio Hebert, Tarcísio Eloy P. Barros filho, Renato Xavier. Ortopedia e Traumatologia. In: Sizínio Hebert, et al organizadores. Princípios e Prática. Porto Alegre: Artmed; 2003. p.244.

Hall, S.J. Biomecânica Básica. Barueri: Manole; 2009.p.232-252.

Maia, M. S., Carandina, M. H. F., Santos, M. B., & Cohen, M. Associação do valgo dinâmico do joelho no teste de descida de degrau com a amplitude de rotação medial do quadril. Rev Bras Med Esporte 2012; 18(3):164-65.

Fukuda, Thiago Yukio et al. Hip posterolateral musculature strengthening in sedentary women with patellofemoral pain syndrome: a randomized controlled clinical trial with 1-year follow-up. Journal of orthopaedic & sports physical therapy 2012; 42 (10):823-30.

Magalhães, Eduardo et al. A comparison of hip strength between sedentary females with and without patellofemoral pain syndrome. Journal of orthopedic & sports physical therapy 2010; 40 (10): 641-47.

Souza, Richard B.; Powers, Christopher M. Differences in hip kinematics, muscle strength, and muscle activation between subjects with and without patellofemoral pain. Journal of orthopedic & sports physical therapy 2009; 39(1):12-19.

Nakagawa, T. H., Muniz, T. B., de Marche Baldon, R., & Serrão, F. V.Hip muscle’s functional approach in the of patellofemoral pain syndrome treatment. Fisioter. Mov. 2008; 21(1):66-72.

Baldon, R.M., Lobato, D. F. M., Carvalho, L. P., Wun, P. Y. L., & Serrão, F. V. Diferenças biomecânicas entre os gêneros e sua importância nas lesões do joelho. Fisioterapia em Movimento 2011; 24(1):158-66.

Powers, Christopher M. The influence of altered lower-extremity kinematics on patellofemoral joint dysfunction: a theoretical perspective. Journal of Orthopedic & Sports Physical Therapy 2003; 33(11):639-646.

Bolgla, L. A., Malone, T. R., Umberger, B. R., & Uhl, T. L. Hip strength and hip and knee kinematics during stair descent in females with and without patellofemoral pain syndrome. journal of orthopaedic & sports physical therapy 2008; 38(1): 12-18.

Powers, Christopher M. The influence of abnormal hip mechanics on knee injury: a biomechanical perspective journal of orthopedic & sports physical therapy 2010; 40(2): 42-51.

Neumann, Donald A. Cinesiologia do Aparelho Musculoesquelético. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.p.520-56.

Silva, R. S., Ferreira, A. L. G., Veronese, L. M., Driusso, P., & Serrão, F. V. Relação entre hiperpronação subtalar e lesões do ligamento cruzado anterior do joelho: revisão de literatura. Fisioterapia em Movimento 2012; 25(3): 68088.

Souza, T. R., de Almeida Pinto, R. Z., & Trede, R. G. Pronação excessiva e varismos de pé e perna: relação com o desenvolvimento de patologias músculo-esqueléticas–Revisão de Literatura. Fisioterapia e Pesquisa 2011; 18(1):92-98.

Carvalho, D. A. Lesões Ortopédicas nas Categorias de Formação de um Clube de Futebol. Revista Brasileira de Ortopedia 2013; 48(1):42-45.

Carvalhais, V. O. D. C., Santos, T. R. T. D., Araujo, V. L., Leite, D. X., Dias, J. M. D., & Fonseca, S. T. D. Muscular strength and fatigue index of knee extensors and flexors of professional soccer players according to their positioning in field. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2013;19(6):45356.

Pedrinelli, A., da Cunha Filho, G. A. R., Thiele, E. S., & Kullak, O. P. Estudo epidemiológico das lesões no futebol profissional durante a Copa América de 2011, Argentina. Revista Brasileira de Ortopedia 2013; 48(2):132.

Leonardi, A. B. A.; Martinelli, M.O.; Duarte Jr, Aires. Are there differences in strength tests using isokinetic dynamometry between field and indoor professional soccer players? Revista Brasileira de Ortopedia 2012;47(3): Pg.368-74.

Santos, C. M. D., Ferreira, G., Malacco, P. L., Sabino, G. S., Moraes, G. F. D. S., & Felício, D. C. Intra and inter examiner reliability and measurement error of goniometer and digital inclinometer use. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2012; 18(1), 38-41.

James R. Andrews, Gary L.Harrelson, Kelvin E. Wilk. Reabilitação Física do Atleta. Rio de Janeiro: Elsevier ;2005.p.105.

Dutton, M. Fisioterapia Ortopédica: Exames, avaliação e intervenção. Porto Alegre: Artmed; 2006. p.835-987.

Magee, David J. Avaliação musculoesquelética. Barueri: Manole; 2002.p.653-985.

Ferber, R., Kendall, K. D., & McElroy, L. Normative and critical criteria for iliotibial band and iliopsoas muscle flexibility. Journal of Athletic Training 2010; 45(4): 344.

Test, O., & Test, M. O. Testes de Ober e Ober modificado: um estudo comparativo e de confiabilidade. Fisioterapia em Movimento 2005; 18(3): 3138.

Smith, T. O., Hunt, N. J., & Donell, S. T. The reliability and validity of the Qangle: a systematic review. Knee Surgery, Sports Traumatology, Arthroscopy 2008; 16(12):1068-1079.

Sabino, G. S., Rocha, I. C., Guimarães, C. Q., de Alcântara, M. A., & Felício, D. C. Análise da confiabilidade do teste clínico de queda do navicular.

Fisioterapia em Movimento 2012; 25(2):301-9

Barton, C. J., Bonanno, D., Levinger, P., & Menz, H. B. Foot and ankle characteristics in patellofemoral pain syndrome: a case control and reliability study. Journal of orthopedic & sports physical therapy 2010;40(5): 286-296.

Reid, A., Birmingham, T. B., Stratford, P. W., Alcock, G. K., & Giffin, J. R. Hop testing provides a reliable and valid outcome measure during rehabilitation after anterior cruciate ligament reconstruction. Physical therapy 2007; 87(3): 337-349.

Arliani, G. G., Almeida, G. P. L., Santos, C. V. D., Venturini, A. M., Astur, D. D. C., & Cohen, M. O efeito do esforço na estabilidade postural em jovens jogadores de futebol. Acta ortop. Bras. 2013; 21(3):155-58.

Marques, A.P. Cadeias Musculares. Um programa para ensinar avaliação fisioterapêutica global. São Paulo: Manole; 2000.p.35


Refbacks

  • There are currently no refbacks.