Preparações de temakis adaptados à culinária brasileira: alimentos nutricionalmente adequados? / Preparations of temakis adapted to the Brazilian cuisine: nutritionally adequate foods?

Sandyerlly da Paz do Nascimento, Rhayra Priscilla Moraes Nóbrega, Ana Paula Moraes Ventura, Katia Rau de Almeida Callou

Abstract


No Brasil, os restaurantes japoneses conquistaram espaços e se tornaram cada vez mais comuns. Desde então, a culinária japonesa vem ganhando vários adeptos, apesar das diferenças alimentares e culturais existentes, sendo o temaki uma das preparações com maior consumo. Desse modo, o presente trabalho tem como objetivo avaliar os aspectos nutricionais dos temakis, além de traçar um comparativo dessas diferentes preparações comercializadas no Brasil daquelas comuns à tradição japonesa, compreendendo se a prerrogativa de alimento saudável do temaki o torna uma preparação que transcende sua popularidade. Para tanto, foi feita uma análise quali-quantitativa de quatro preparações de temakis comercializadas em João Pessoa. O valor nutricional e a composição de macronutrientes das preparações foram obtidos por meio do Programa Dietbox®. Os resultados mostraram que os temakis da versão brasileira apresentam valor médio de 317 Kcal, com 77,5 Kcal acima do valor energético da versão original japonesa, sendo 15,8 g proteína, 9,7 g de lipídios e 53,8 g de carboidrato. Dentre os ingredientes que mais contribuem para o valor energético estão o arroz japonês (136 Kcal), seguidos do cream cheese (77,5 Kcal) e açúcar refinado (77,4 Kcal). Apesar de os temakis apresentarem mais de 20g de açúcar refinado em sua composição, são considerados alimentos bastante energéticos, apresentam proteínas de alto valor biológico advindas dos pescados, bem como fornecem ácidos graxos essenciais. Sendo assim, o consumo de temakis é uma alternativa saudável quando incluídos em uma alimentação adequada nutricionalmente, transcendendo a sua popularidade.


Keywords


Temaki, valor nutricional, culinária japonesa.

References


ALVES, L. de. L. Desenvolvimento de cream cheese simbiótico: caracterização e perfil lipídico com ênfase em ácido linoléico conjugado. 2009. 128f. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Disponível em: Acesso em 16 mai. 2018.

ABRASEL. Cozinhas multiculturais sustentam as atividades na capital gastronômica do país. Disponível em: Acesso em 10 mar. 2018.

BBC BRASIL. Sushi de feijão e shoyu de tucupi: como imigrantes japoneses recriaram pratos típicos na Amazônia. 17 de março de 2018. Disponível em: Acesso em 13 mai. 2018.

BESTOR, T. How Sushi Went Global. Foreign Policy. Novembro/dezembro, 2000, p. 54-63.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 216 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Disponível em: Acesso em 13 de maio de 2018.

CABRERA, R.; ALTAMIRANO-TRILLO, M. D. P. Anisakidosis: ¿Una zoonosis parasitaria marina desconocida o emergente en el Perú? Revista Gastroenterol Perú, v.24, 2004, p.335-342. Disponível em: < http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1022-51292004000400006> Acesso em: 17 mai. 2018.

CARROLL, W. Sushi: Globalization through Food Culture: Toward s a Study of Global Food Networks. Journal of East Asian Cultural Interaction Studies, 2009, p. 451-456.

DAL BOSCO, S.; CONDE, S. Óleos e gorduras. In: DAL BOSCO, S.; CONDE, S. (Org.). Nutrição e Saúde. Lajeado: Univates, 2013.

DUPOUY-CAMET, J. PEDUZZI, R. Current situation of hum an diphylobothriasis in Europe. EuroSurveillance, 2004. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2018.

EDWARDS, P. Global Sushi: Eating and Identity. Perspectives on global development and technology. 2012, p. 211-225.

ESTADÃO. Isto é wasabi [Revista Digital]. Publicação do dia 24 de abril de 2013. Disponível em: Acesso em 10 mai. 2018.

FAO. The State of World Fisheries and Aquaculture. Fisheries and Aquaculture Department. Rome: 2016.

FAO - CODEX ALIMENTARIUS. Standard for cream cheese. Disponível em: Acesso em 10 mai. 2018.

GERMANO, P; GERMANO, M. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. 5. ed. Editora Manole: São Paulo, 2015.

GLASER, B.; STRAUSS, A. The discovery of Grounded Theory: Strategies for qualitative research. AldineTransaction, 1967.

YAMAZAKI, K.; NARUTO, Y.; NAKAMURA, H.; TAKAHASHI, K. Improving the Breaking Properties and Oil Absorption of Breadcrumbs by Microbial Transglutaminase. Food and Science Technology Research. 2007.

KIPLE, K.; ORNELAS, K. The Cambridge World History of Food, v. 2. Cambridge University Press, 2000.

KOVALICK, R. Temaki é considerado fast food no Japão e faz sucesso entre os jovens. Disponível em: Acesso em 30 mar. 2018.

LOPES, A. P. R.; MAGALHÃES, J. Verificação da Aplicação de Boas Práticas de Fabricação e Avaliação da Qualidade Microbiológica de Alimentos Produzidos em Restaurantes Japoneses em Divinópolis/MG. São Paulo. Editora Blucher, 2014. Disponível em: Acesso em: 14 de maio de 2018.

MAGNONI, D. Os segredos do Doutor Gourmet. São Paulo: Matrix, 2012.

MORIMITSU, Y.; HAYASHI, K.; NAKAGAWA, Y.; HORIO, F.; UCHIDA, K.; OSAWA, T. Antiplatelet and anticancer isothiocyanates in Japanese domestic horseradish, wasabi. Biofactors, 2000, p. 271-276.

NISHIYAMA, G. Da neurociência à análise sensorial: implicando à gastronomia japonesa. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Pedro Leopoldo. Minas Gerais, 314 p., 2016.

NODA, H. Health benefits and nutritional properties of nori. Journal of Applied Phycology. 1993, p. 255-258.

OETTERER, M.; D'ARCE, M.; SPOTO, M. Fundamentos de Ciência e Tecnologia de Alimentos. São Paulo: Manole, 2006.

SAKURAI, C. Primeiros pólos da imigração japonesa no Brasil. Revista USP, setembro/novembro, 1995, p. 32,45.

SEBRAE. Como montar uma Temakeria - Sushi em Cone de Alga. Disponível em: Acesso em 10 mar. 2018.

SARTORI, A; AMANCIO, R. Pescado: importância nutricional e consumo no Brasil. Revista Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 2012, p. 83-93.

SOUZA, T. et al. Microrganismos de interesse sanitário em sushis. Revista Instituto Adolfo Lutz. 2015. Disponível em Acesso em: 13 de maio de 2018.

SUZUKI, T. A imigração japonesa no Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. 1995, p.57-65.

THIRY-CHERQUES, H. Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, opinião e mídia. 2009, p. 20-26.

THOMAZ, G.; PANCHAL, S.; WARD, L.; WORRAL, S. Effect of wasabi (Wasabia japonica) on metabolic parameters of diet-induced obese Wistar rats. Diabetologie und Stoffwechsel, 2017.

UMAMI Information Center & International Glutamate Service. What is umami? Umami Basics. Disponível em: Acesso em 10 mai. 2018

YAMAGUCHI, S. Basic Properties of Umami and Effects on Humans. Physiology & Behavior, v. 49, p. 833-841.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.