Coinfecção TB/HIV em adolescentes residentes em pernambuco, notificados no período de 2001 a 2016 / TB/HIV coinfection in adolescents resident in pernambuco, notified in the period 2001 to 2016

Taciana Lima de Paula Black, Mirian Domingos Cardoso

Abstract


Introdução: Na adolescência, a ampliação do convívio e lazer em conglomerados aumenta a possibilidade de exposição ao bacilo da tuberculose, e este risco aumenta na presença da infecção pelo HIV.  Particularmente vulnerável em virtude da construção da autonomia e dificuldade na adesão ao tratamento, apresentar coinfecção TB/HIV na adolescência torna-se um desafio, uma vez que a TB é a maior causa de morte entre pessoas que vivem com HIV. Objetivo: Descrever características demográficas, clínicas e laboratoriais de adolescentes com co-morbidade TB/HIV-Aids residentes em Pernambuco, notificados no período de 2001 a 2016. Desenho de estudo: Estudo epidemiológico observacional descritivo de base populacional. Métodos: Os casos foram identificados no banco de dados do SINAN disponibilizados pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. Para análise estatística foi utilizado o programa SSPS versão 22.  O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Pernambuco. Resultados: No período estudado, 5174 adolescentes foram notificados como caso de TB, dos quais 162 (3%) estavam infectados pelo HIV. Dos casos com co-morbidades, 33% estavam internados no momento do diagnóstico e 88% eram caso novo de TB, 54% realizaram baciloscopia, 70% apresentavam forma pulmonar e 73% não estavam em tratamento supervisionado.  A média de idade foi 16 anos, 58% eram do sexo masculino, 61% pardos/pretos; 44% tinham o ensino fundamental incompleto; 91% residiam na Macrorregião Metropolitana do estado e 10% eram alcoolistas.  Quanto ao seguimento, 75% foram hospitalizados no transcurso do acompanhamento, 38% evoluíram para cura; 22% para o abandono e 12% dos adolescentes morreram por tuberculose. Discussão: Adolescentes do sexo masculino, em fase tardia da adolescência, com baixa escolaridade e residência em região metropolitana formam a maioria dos casos, refletindo a vulnerabilidade dessas condições. Quanto à evolução dos casos, observou-se alto percentual de não acompanhamento do tratamento, hospitalização e desfechos desfavoráveis. Conclusão: Conhecer o perfil do adolescente com associação TB/HIV permite que o adequado manejo clínico e ações intersetoriais e interdisciplinares sejam intensificados, como diagnóstico precoce do HIV e início oportuno dos antirretrovirais, uma vez que esse grupo apresenta maior risco para desfechos adversos.


Keywords


Tuberculose; HIV; Adolescente.

References


ABREU, G.R.F; FIGUEIREDO, M.A.A. Abandono do tratamento da tuberculose em Salvador, Bahia – 2005–2009. Rev Baiana Saúde Pública, Salvador, v.37, n.2, p. 407-422, abr./jun. 2013.

BELO, E.N. et al. Tuberculose nos municípios amazonenses da fronteira Brasil-Colômbia-Peru-Venezuela: situação epidemiológica e fatores associados ao abandono. Rev Panam Salud Publica, Washington, v.34, n.5, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.132p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2011a. 284p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Tratamento diretamente observado (TDO) da tuberculose na atencao basica: protocolo de enfermagem. Brasília: Ministério da Saude, 2011b. 172p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Brasília: Ministério da Saúde, v. 48, n. 1, 2017a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Brasília: Ministério da Saúde, v. 48, n. 8, 2017b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano nacional pelo fim da tuberculose. Brasília: Ministério da Saúde, 2017c. 40p.

CRUZ, A.T. et al. Adolescents with tuberculosis: A Review of 145 Cases. Pediatr Infect Dis J, v.32, n.9, p. 937-941, 2013.

FERREIRA, A.C.G. et al. Desfechos clínicos do tratamento de tuberculose utilizando o esquema básico recomendado pelo Ministério da Saúde do Brasil com comprimidos em dose fixa combinada na região metropolitana de Goiânia. J Bras Pneumol, São Paulo, v.39, n.1, p. 76-83, 2013.

FERRER, G.C.N. et al. A carga de doença por tuberculose no estado de Santa Catarina. J Bras Pneumol, São Paulo, v.39, n.6, p.61-68, 2013.

FURLAN, M.C.R.; OLIVEIRA, S.P.O.; MARCON, S.S. Fatores associados ao abandono do tratamento de tuberculose no estado do Paraná. Acta Paul Enferm, São Paulo, v.25, n.especial1, p.108-114, 2012.

GUIX-COMELLAS, E.M. et al. Influence of nursing interventions on adherence to treatment with antituberculosis drugs in children and young people: research protocol. ‎J. Adv. Nurs, v.71, n.9, p.2189–2199, 2015.

GUIX-COMELLAS, E.M. et al. Adherence to antituberculosis drugs in children and adolescents in a low-endemic setting: a retrospective series. Pediatr Infect Dis J, v.36, n.6, p. 616-618, 2017.

HECK, M.A.; COSTA, J.S.C.; NUNES, M.F. Prevalência de abandono do tratamento da tuberculose e fatores associados no município de Sapucaia do Sul (RS). Rev Bras Epidemiol, Rio de Janeiro, v.14, n.3, p. 478-85, 2011.

HINO, P. et al. Coinfecção de Tb/HIV em um distrito administrativo do Município de São Paulo. Acta Paul Enferm, São Paulo, v.25, n.5, p.755-761, 2012.

LOPES, A. J. et al. Características da tuberculose em adolescentes: uma contribuição para o programa de controle. Rev Bras Pneumol Sanit, Rio de Janeiro, v. 15, n.1, p. 7-14, 2007.

MARGARIT, A. et al. Tuberculosis en el adolescente; reto y oportunidad de evitar el contagio a la comunidad. An Pediatr, Barcelona, 2016.

QUEIROGA, R.P.F et al. Distribuição espacial da tuberculose e a relação com condições de vida na área urbana do município de Campina Grande – 2004 a 2007. Rev Bras Epidemiol, São Paulo, v.15, n.1, p. 222-232, 2012.

OLIVEIRA, G.P. et al. Tuberculosis in Brazil: last ten years analysis—2001–2010. Braz J Infect Dis, v.17, n.2, p.218–33, 2013.

OLIVEIRA, N.F.; GONÇALVES, M.J.F.G. Fatores sociais e ambientais associados à hospitalização de pacientes com tuberculose. Rev Latino-am Enfermagem, Ribeirão Preto, v.21, n.2, [08 telas], 2013.

ORELLANA, J.D.Y; GONÇALVES, M.J.F; BASTA, P.C. Características sociodemográficas e indicadores operacionais de controle da tuberculose entre indígenas e não indígenas de Rondônia, Amazônia Ocidental, Brasil. Rev Bras Epidemiol, São Paulo, v. 15, n.4,p. 714-724, 2012.

OROFINO, R.L. et al. Preceptores dos desfechos do tratamento da tuberculose. J Bras Pneumol, São Paulo, v. 38, n. 1, p.88-97, 2012.

REIS, D.C. dos et al. Perfil epidemiológico da tuberculose no Município de Belo Horizonte (MG), no período de 2002 a 2008. Rev Bras Epidemiol, São Paulo, v.16, n.3, p.592-602, 2013.

RUEDA, M.J.M. et al. Factores asociados al abandono del tratamiento de la tuberculosis en la provincia de Granada. Rev Clín Esp, Barcelona, v.212, n.8, P.383-388, 2012.

SANCHEZ M. et al. Outcomes of TB treatment by HIV status in national recording systems in Brazil, 2003- 2008. PLoS One, v.7, n.3, 2012.

SANT´ANNA, C. C. Atualização sobre a tuberculose em adolescentes. Adolesc Saúde, Rio de Janeiro, v.7, n.3, p. 7-16, 2010.

SANT´ANNA, C. C. Diagnóstico da Tuberculose na Infância e na Adolescência. Pulmão RJ, Rio de janeiro, v. 21, n. 1, p. 60-64, 2012.

SANT’ANNA, C.C. et al. Tuberculose em adolescentes em duas capitais brasileiras. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 111-116, 2013.

SELIG L. et al. Proposta de vigilância de óbitos por tuberculose em sistemas de informação. Rev Saúde Públ, São Paulo, v.44, n.6, p. 1072-1078, 2010.

SILVA, D.R. et al. Características clínicas e evolução de pacientes imunocomprometidos não HIV com diagnóstico intra-hospitalar de tuberculose. J Bras Pneumol, São Paulo, v.36, n.4, p.475-484, 2010.

SILVA, C.C.A.V. da; ANDRADE, M.S.; CARDOSO, M.D. Fatores associados ao abandono do tratamento de tuberculose em indivíduos acompanhados em unidades de saúde de referência na cidade do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil, entre 2005 e 2010. Epidemiol Serv Saúde, Brasília, v.22, n.1, p.77-85, 2013.

SOARES, M.L.M. et al. Aspectos sociodemográficos e clínico- epidemiológicos do abandono do tratamento de tuberculose em Pernambuco, Brasil, 2001-2014. Epidemiol Serv Saúde, Brasília, v.26, n.2, p. 369-378, 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidance for national tuberculosis programmes on the management of tuberculosis in children. 2ª ed. Genebra: WHO/CDS/TB, 2014. 146 p.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Tuberculosis Report 2016. Genebra: WHO/CDS/TB, 2016. 214p.

ZOMBINI, E.V. et al. Perfil clínico-epidemiológico da tuberculose na infância e adolescência. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 52-57, 2013.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.