Perfil sóciodemográfico e de saúde de gestantes em um pré-natal de alto risco / Socio-demographic and health profile of pregnant women in a high risk prenatal care

Juliana Vidal Vieira Guerra, Cristina Ortiz Sobrinho Valete, Valdecyr Herdy Alves

Abstract


Objetiva-se identificar o perfil sociodemográfico e de saúde das gestantes referenciadas ao pré-natal de alto risco, em um hospital público universitário em Niterói, período de janeiro a dezembro de 2013, visando identificar fatores de risco que possam ter contribuído para o desenvolvimento de uma gestação de risco. Estudo transversal descritivo retrospectivo documental. Foram descritos dados do perfil sociodemográfico e de saúde de gestantes no pré-natal de alto risco, utilizando o programa Microsoft Office Excel. Os resultados mostraram que predominou gestantes de faixa etária de 18 a 30 anos 96 (53,23%). Quanto a rede referenciada 96 (50,6%) foram encaminhadas da rede básica de saúde de Niterói. Destarte 41 (23,03%) realizaram menos de 6 consultas de pré-natal no alto risco. Ademais, 30 (16,8%) gestantes iniciaram o pré-natal no alto risco no 3º trimestre gestacional. Conclui-se que se faz necessário que mais estudos sejam realizados na unidade, com o intuito de esclarecer as questões que ainda são hiatos no pré-natal de alto risco.

 


Keywords


Saúde da mulher; Cuidado pré-natal; Gravidez de alto risco

References


Costa DC, Perondi AR, Cavalheiri JC, Ferreira AS, Teixeira GT, Bortoloti DS. Adequação do pré-natal de alto risco em um hospital de referência. Rev RENE. 2016; 17(4): 459-65.

Carpes F, Biff D, Stumm K E. Percepção de acadêmicos de enfermagem acerca do papel do enfermeiro no cuidado pré-natal. Rev. Enferm Atual. 2016; 79: 20-22.

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad. Saúde Coletiva. 2016; 24(2): 252-261.

Oliveira DC, Mandú ENT. Mulheres com gravidez de maior risco: vivências e percepções de necessidades e cuidado. Esc Anna Nery. 2015;19 (1): 93-101.

Costa DC, Cura CC, Perondi AR, França VF, Bortoloti DS. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE GESTANTES DE ALTO RISCO. Rev Cogitare Enferm. 2016; 21(2): 1-8.

Reis ZSN, Lage EM, Gaspar JS, Vitral GLN, Machado EG. Associação entre risco gestacional e tipo de parto com as repercussões maternas e neonatais. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2014; 36(2): 65-71.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial República Federativa do Brasil, 27 jun. 2011; Seção 1:109.

Mendes EV. ugênio As redes de atenção à saúde. Ciênc. Saúde Coletiva. 2010 ; 15(5): 2297-2305.

Buchabqui JP, Capp E, Ferreira J. Adequação dos encaminhamentos de gestações de alto-risco na rede básica de atenção à saúde de Porto Alegre

, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. Bras. Matern. Infant. 2006; 6 (1): 23-29.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Gestação de alto risco: Manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2014-2015. São Paulo: AC Farmacêutica; 2015.

World Health Organization. WHO recommendations for prevention and treatment of pre-eclampsia and eclampsia. Geneva: World Health Organization; 2011.

Azevedo RO, Ferreira HC, Silvino ZR, Christovam BP. Profile of high-risk pregnant women hospitalized in a maternity hospital: a descriptive study. Online Braz. J. Nurs. 2017; 16(2):218-225.

WHO recommendations on antenatal care for a positive pregnancy experience. Geneva: WHO; 2016.

Silva JR, Oliveira MBT, Santos FRPS, Neto MS, Ferreira AGN, Santos FS. Indicadores de qualidade da assistência pré-natal de alto risco em uma maternidade pública. Rev. Bras. Ciênc. Saude. 2018; 22(2): 109-116.

Vitória, TO, Moreira RCR. Acessibilidade de gestantes ao pré-natal de alto risco. Rev. Saúde Col. UEFS. 2017; 7(3): 45-51.

Leal M C, Theme-Filha M M, Moura E C de, Cecatti J G, Santos L M P. Atenção ao pré-natal e parto em mulheres usuárias do sistema público de saúde residentes na Amazônia Legal e no Nordeste, Brasil 2010. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2015; 15(1): 91-104.

Domingues R M S M, Dias M A B, Nakamura-Pereira M, Torres J A, d'Orsi E, Pereira A P E et al . Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Cad. Saúde Pública. 2014 ; 30(Suppl 1): S101-S116.

WHO. Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. Geneva: WHO; 2015

Leal M do C, Pereira A P E, Domingues R M S M, Filha M M T, Dias M A B, Nakamura-Pereira M et al . Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(Suppl 1): S17-S32.

Alvarenga M B, Francisco A A, Oliveira S M J V de, Silva F M B da, Shimoda G T, Damiani L P. Evaluación de la curación de episiotomía: confiabilidad de la escala de Enrojecimiento, Edema, Equimosis, Drenaje, Aproximación (REEDA). Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015 ; 23(1): 162-168.

Pereira A P E, Leal M do C, Gama S G N da, Domingues R M S M, Schilithz A O C, Bastos M H. Determinação da idade gestacional com base em informações do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública . 2014;30( Suppl 1 ): S59-S70.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.