A amônia como um novo parâmetro na detecção de infecções urinárias / Ammonia as a new parameter in the detection of urinary infections

Pedro Augusto Ramos Vanzele, Nataliê de Abreu Pereira, Natália Cristina Oliveira Moreira, Lívia da Silva Ciacci

Abstract


Este trabalho trata-se da determinação da amônia como um novo parâmetro na detecção de infecções urinárias. Tal abordagem se justifica devido grande maioria da população procurar ajuda médica ou realizar exames laboratoriais para tais infecções quando os sintomas já estão mais fortes. O propósito deste estudo é alertar para importância desse assunto e verificar a viabilidade da amônia para aumentar a sensibilidade dos testes e proporcionar a população uma forma simplificada e mais acessível de um teste para detecção de infecção urinária, similar a um dos testes feitos em laboratórios. Foram realizados testes comparativos para verificar se a amônia é um bom identificador para presença de bactérias na urina. As análises demonstraram que ao colocar o papel de filtro, embebido com o reagente de Nessler, em tubos de ensaio contendo urina contaminada ao fundo, não foram apresentados resultados significativos na mudança da coloração, apenas naquelas amostras que foram encubadas. Ao realizar a pipetagem do reagente direto na urina infectada, obteve-se mudança na coloração, em que a urina ficou laranja e depois alterou sua cor para cinza esverdeado, com a formação de precipitados. Confirma-se então que o pH urinário está diretamente relacionado com a presença de amônia e que o reagente não apresenta eficácia para detectar valores dessa molécula encontrados comumente em infecções urinárias, necessitando uma estimulação da multiplicação bacteriana para que ocorra um aumento nos níveis desse composto e sua identificação.


Keywords


Urinálise. Infecção Urinária. Amônia. Inovação.

References


ALMEIDA, et al. Catalisando a hidrólise da uréia em urina. Química nova na escola, [S.l.], n. 28, p. 42-46, maio 2008.

AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Treatment of urinary tract infections in nonpregnant women. ACOG Practice Bulletin, Washington, v. 111, n. 91, p. 785-794, 2008.

ARAÚJO, C. N. M. et al. Pielonefrite aguda: diagnóstico e manejo. Rev. Med. M.G., [S.l.], v.18, n. 3, supl. 4, p. 59-62, 2008.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Microbiologia clínica para o controle de infecção relacionada à assistência à saúde: procedimentos laboratoriais: da requisição do exame à análise microbiológica e laudo final. Brasília: Anvisa, 2013. p. 36-38. (Módulo 4).

BRUSCH, J. L. Urinary Tract Infection (UTI) in Males. 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2018.

CAMARGO, I. L. B. da C. et al. Diagnóstico bacteriológico das infecções do trato urinário - uma revisão técnica. Medicina, Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, v. 34, n. 1, p. 70-78, jan./mar. 2001.

DALLACORTE, R. R.; SCHNEIDER, R. H.; BENJAMIN, W. W. Perfil das infecções do trato urinário em idosos hospitalizados na Unidade de Geriatria do Hospital São Lucas da PUCRS. Sci. Med., Porto Alegre, v. 17, n. 4, p. 197-204, out./dez. 2007.

GONÇALVES, F. B.; LUIZ, M.; FREITAS, T. F. S. B. de. Uroanálise e fluidos biológicos. Brasil: ETB, 2015. p. 9-10. 1a ed.

FIGUE IREDO, José Alaor de, Infecção urinária. In: ZERATI FILHO, Miguel; NARDOZZA JÚNIOR, Archimedes; REIS, Rodolfo Borges dos (Org.). Urologia fundamental. São Paulo: Planmark, 2010. cap. XXXI, p.274-279.

FIHN, S.D. Acute uncomplicated urinary tract infection in women. N. Engl. J. Med., [S.l.], v. 349, n. 3, p.259-266, 17 jul. 2003.

FOXMAN, B. Urinary Tract Infection Syndromes: Occurrence, Recurrence, Bacteriology, Risk Factors, and Disease Burden. Infect. Dis. Clin. N. Am. [S.l.], v. 28, p. 1-13, 2014.

FOXMAN, B.; BROWN, P. Epidemiology of urinary tract infections Transmission and risk factors. Infect. Dis. Clin. N. Am., [S.l.], v. 17, p. 227-241, 2003.

HEGGENDORNN, L. H; SILVA, N. de A.; CUNHA, G. A.da; Urinálise: a importância da sedimentoscopia em exames físico-químicos normais. Rev. Elet. Biol., [S.l.], v. 7, n. 4, p.431-443, 2014.

HEILBERG, I. P.; SCHOR, N. Abordagem diagnóstica na infecção do trato urinário: ITU. Rev. Assoc. Med. Bras., [S.l.], v. 49, n. 1, p.109-116, 2003.

LABTEST DIAGNÓSTICA S.A. A tira reagente no exame de urina. Infotec, Lagoa Santa, n. 3, ano III, p. 1-8, 23 nov. 2016. Disponível em: < https://labtest.com.br/wp-content/uploads/2016/09/Infotec_Tira_de_Urina.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2018.

LO, D. S. et al. Infecção urinária comunitária: etiologia segundo idade e sexo. J. Bras. Nefrol., [S.l.], v. 35, n. 2, p. 93-98, 2013.

MATA, K. S. da et al. Complicações causadas pela infecção do trato urinário na gestação. Espaço para a Saúde - Revista de Saúde Pública do Paraná, Londrina, v. 15, n. 4, p. 57-63, out./dez. 2014.

LOPES, H. V.; TAVARES, W. Diagnóstico das infecções do trato urinário. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 51, n. 6, p. 306-308, nov./dez. 2005.

NETTO, Daiane. Utilização de zeólitas como adsorvente no tratamento terciário de efluentes líquidos provenientes de indústrias de processamento de leite. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

RORIZ FILHO, J. S., et al. Infecção do trato urinário. Medicina (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 43, n. 2, p. 118-125, 2010.

SADER, H. S. Pathogen Frequency and Resistance Patterns in Brazilian Hospitals: Summary of Results from Three Years of the SENTRY Antimicrobial Surveillance Program. Braz. J. Infect. Dis., Salvador, v. 5, n. 4, p. 200-214, ago. 2001.

VALIQUETTE, L., Urinary tract infections in women. Can. J. Urol., [S.l.], v.8, supl. 1, p.6-12, jun. 2001.

VIEIRA NETO, O. M. Infecção do trato urinário. Medicina, Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, v. 36, n. 1, p. 365-369, abr./dez. 2003.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.