Avaliação da qualidade de vida de mulheres climatéricas atendidas em ambulatório especializado / Evaluation of the quality of life of climate women at a specialized ambulatory

Raíssa Leão de Andrade, Ana Catarina Mattos Fernandes, Jessika Rafaela Paixão Dias, Brenda Matsunaga Laurindo, Rodolpho Cruz Vieira

Abstract


INTRODUÇÃO: O climatério é definido como uma fase biológica da vida e não um processo patológico, que compreende a transição entre o período reprodutivo e o não reprodutivo da vida da mulher. A menopausa é um marco dessa fase, correspondendo ao último ciclo menstrual. OBJETIVO: este estudo teve como finalidade principal avaliar a qualidade de vida de mulheres climatéricas, que não utilizam reposição hormonal, atendidas em ambulatório especializado na cidade de Belém. Além disso, objetivou conhecer o perfil sócio demográfico das pacientes e comparar a QV de acordo com o estado menopausal e faixa etária. MÉTODO: trata- se de um estudo do tipo transversal e descritivo, realizado no CEMEC no período de 06 de Outubro a 02 de Dezembro de 2016. A amostra foi composta por 37 mulheres compreendidas entre 40 e 65 anos, que responderam aos questionários de variáveis de interesse (sócio-demográficas e estilo de vida), MRS e WHOQOL-bref. A estatística analítica foi utilizada para avaliar os resultados das variáveis categóricas da amostra através do Teste Qui-Quadrado e Teste G Aderência nas tabelas univariadas e o Teste t Student para análise comparativa dos domínios, entre os grupos estudados. RESULTADOS: O perfil traçado mostrou maior prevalência na faixa etária de 50 a 59 anos, casadas, ensino médio incompleto e com renda familiar de 1 a 2 salários mínimos. A maioria declarou-se não tabagista, não etilista e não sedentária. Os escores médios da MRS foram altos (18), e não houve diferença significante nos diferentes estados menopausais e faixa etária. O valor médio da QV global foi de 61,6, tendo o domínio físico a melhor pontuação 63,3 e as relações sociais a menor pontuação 59,9. O estado menopausal e a idade não interferiram na QV segundo os resultados analisados através do WHOQOL-bref. CONCLUSÃO: A qualidade de vida não foi influenciada pelo estado menopausal e idade neste estudo. A severidade dos sintomas climatéricos encontrados provavelmente se deve ao hipoestrogenismo que favorecem sintomas urogenitais e vasomotores, assim como  a maior preocupação a cerca da menopausa e suas consequências com a saúde parecem estar relacionadas com os sintomas psicológicos. Porém, devem-se levar em conta certas limitações, já que as entrevistadas foram questionadas sobre informações retrospectivas, tornando o viés da memória inevitável em mulheres de maior idade.


Keywords


Qualidade de vida, estado menopausal, climatério.

References


Gallon CW, Wender MCO. Estado nutricional e qualidade de vida da mulher climatérica. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2012; 34(4): 175-183.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de atenção à mulher no climatério/menopausa. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2008. 11p.

Menezes DV, Oliveira ME. Evaluation of life's quality of women in climacteric in the city of Floriano, Piauí. Fisioter. mov. 2016; 29( 2 ): 219-228.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Censo 2010. Available from: http://www.censo2010.ibge.gov.br/primeiros_dados_divulgados/index.php?uf=00

De Lorenzi DRS, Catan LB, Moreira K, Ártico GR. Assistência à mulher climatérica: novos paradigmas. Rev. bras. enferm. 2009; 62( 2 ): 287-293.

De Lorenzi DRS, Danelon C, Saciloto B, Padilha Jr. I. Fatores indicadores da sintomatologia climatérica. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2005; 27( 1 ): 7-11.

Sociedade Brasileira de Climatério. Consenso brasileiro multidisciplinar de assistência à mulher climatérica [Internet]. São Paulo (SP): SOBRAC; 2003. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lis-LISBR1.1-21461

Sociedade Brasileira de Clínica Médica. Diagnóstico e Tratamento volume 3, Barueri, SP: Manole, 2007, 531-532p.

Miranda JS, Ferreira MLSM, Corrente JE. Qualidade de vida em mulheres no climatério atendidas na Atenção Primária. Rev. bras. enferm. 2014; 67( 5 ): 803-809.

Fallahzadeh H . Quality of life after the menopause in Iran: A population study

. Qual Life Res 2010 ; 19 : 813 – 19

Syed Alwi SA , Lee PY , Awi I , Malik PS , Haizal MN . The menopausal experience among indigenous women of Sarawak, Malaysia . Climacteric 2009 ; 16 : 548 – 56

Som N , Ray S . Menopause-specifi c quality of life of urban women in West Bengal, India . Menopause Int 2012 ; 18 : 99 – 105

OMS. Organização Mundial da Saúde. Carta de Constituição da Organização MundialdaSaúde.1946.Acessadoem:http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMSOrganiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html

De Lorenzi DRS. Avaliação da qualidade de vida no climatério.Rev.Bras.Ginecol.Obstet.2008

Mendelsohn ME, Karas RH. HRT and the young at heart. N Engl J Med.2007;

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L et al . Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida "WHOQOL-bref". Rev. Saúde Pública. 2000;

Heinemann LA, Ruebig A, Potthoff P, Hermann PG, Schneider HP, Strelow F, et al. The Menopause Rating Scale (MRS): a methodological review. Qual Life Outcomes. 2004; 2:45.

De Lorenzi DRS, Catan LB, Cusin T, Felini R, Bassani F, Arpini AC. Caracterização da qualidade de vida segundo o estado menopausal entre mulheres da Região Sul do Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2009; 9(4): 459-466.

Serpa MA, Lima AA, Guimarães ACP, Carrilo MRGG, Coura-Vital W, Veloso VM. Fatores associados à qualidade de vida em mulheres no climatério. Reprod Clim. 2016.

Da Silva Filho EA, Costa AM. Avaliação da qualidade de vida de mulheres no climatério atendidas em hospital-escola na cidade do Recife, Brasil. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2008; 30( 3 ): 113-120.

Lui Filho JF, Baccaro LFC, Fernandes T, Conde DM, Costa-Paiva L, Pinto Neto AM. Epidemiologia da menopausa e dos sintomas climatéricos em mulheres de uma região metropolitana no sudeste do Brasil: inquérito populacional domiciliar. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2015; 37( 4 ): 152-158.

Mastropietro AP, Oliveira-Cardoso EA, Simões BP, Voltarelli JC, Santos MA. Relação entre renda, trabalho e qualidade de vida de pacientes submetidos ao transplante de medula óssea. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010; 32(2): 102-107.

Freitas RF, Freitas TF, Vieira DR, Rocha NGS, Santos GS, Reis VMCP, Passos BMA et al. Qualidade de vida de mulheres climatéricas de acordo com o estado menopausal. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações. 2015 13(1): 37-47.

De Lorenzi DRS, Baracat EC, Saciloto Br, Padilha Jr. I. Fatores associados à qualidade de vida após menopausa. Rev. Assoc. Med. Bras. 2006; 52(5): 312- 317.

Castro MRP T, Nunes SOV. Características clínicas e qualidade de vida de fumantes em um centro de referência de abordagem e tratamento do tabagismo. J Bras Pneumo. 2010;36(1):67-74

Moraes M, de Laat EF, Lara L, Leite GT. Consumo de álcool, fumo e qualidade de vida: um comparativo entre universitários. Cinergis. 2011; 11(1).

López AF, De Lorenzi DRS, d'Andretta TAC. Calidad de vida de mujeres en fase de transición menopáusica evaluado por la menopause rating scale (MRS). Rev. chil. obstet. ginecol. 2010; 75( 6 ): 375-382.

Nisar N, Sohoo NA. Severity of menopausal symptoms and the quality of life at different status of menopause: a community based survey from rural Sindh, Pakistan. Int J Collab Res Intern Med Public Health 2010; 2: 118–30

Souza NLSA, Araújo CLO. Marco do envelhecimento feminino, a menopausa: sua vivência, em uma revisão de literatura. Revista Kairós Gerontologia 2015 18(2), pp. 149-165.

Vigeta SMGA, Bretas ACP. A experiência da perimenopausa e pós- menopausa com mulheres que fazem uso ou não da terapia de reposição hormonal. Cad. Saúde Pública. 2004 ; 20( 6 ): 1682-1689.

Kluthcovsky ACGC, Kluthcovsky FA. O WHOQOL-bref, um instrumento para avaliar qualidade de vida: uma revisão sistemática. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul. 2009; 31( 3 Suppl ).

Moriyama CK. Impacto isolado e associado da terapia hormonal e exercício físico na qualidade de vida em mulheres no climatério pós-menopausa [Internet] Faculdade de Medicina da Universidade deSãoPaulo2007;Availablefrom:www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5148/tde16022009.../Carolinakmoriyama.pdf

Lima R, Mata W, Rodrigues T, Nascimento L, Silva, L, Lemos, T. A qualidade de vida em mulheres menopausadas praticantes de atividade física. Revista de trabalhos acadêmicos - Universo Recife. 2014; 1(1).

Gonçalves AKS, Canário ACG, Cabral PUL, Silva RAH, Spyrides MHC, Giraldo PC et al. Impacto da atividade física na qualidade de vida de mulheres de meia idade: estudo de base populacional. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2011; 33( 12 ): 408-413.

Guimarães ACA, Baptista FM. Índice de Massa Corporal e Qualidade de Vida Relacionada com a Saúde em Mulheres de Meia-Idade. Rev Bras Clin Med, 2008; 6:228-232.

Presado MHCV. Climatério/menopausa, relacionamento conjugal e qualidade de vida. [Internet]. UniversidadeAbertaLisboa,2013.Availablefrom:https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/2688/3/Helena_Presado_Climat%C3%A9rioMenopausa,%20Relacionamento%20Conjugal%20e%20Qualidade%20de%20Vida.pdf

Figueiredo Neto JA, Figuerêdo ED, Barbosa JB, Barbosa FF, Costa GRC, Nina VJS et al. Síndrome metabólica e menopausa: estudo transversal em ambulatório de ginecologia. Arq. Bras. Cardiol. 2010 Sep; 95(3): 339-345.

Macedo E. Domínio Relações Sociais da Qualidade de Vida: Um Foco de Intervenção em Pessoas com Doenças do Humor. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental. 2012; ( 7 ): 19-24.

Gordia AP, Quadros TMB, Campos W. Variáveis sociodemográficas como determinantes do domínio meio ambiente da qualidade de vida de adolescentes. Ciênc. Saúde coletiva. 2009; 14( 6 ): 2261-2268.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.