Whodas 2.0: avaliação da incapacidade de indivíduos com história de acidente vascular cerebral / Whodas 2.0: evaluation of the disability of individuals with history of vascular cerebral accident

Lílian de Fátima Dornelas

Abstract


O whodas 2.0 (world health organization disability assessment schedule 2.0) é um questionário de avaliação da incapacidade da Organização Mundial de Saúde, que avalia de forma prática e genérica a saúde e deficiência no âmbito populacional ou clínico, em seis domínios da vida: cognição, mobilidade, autocuidado, relações interpessoais, atividades de vida e participação social. Este estudo tem como objetivo avaliar indivíduos com história de Acidente Vascular Cerebral (AVC), quanto ao nível de deficiência para identificação de necessidades no processo de reabilitação. Para isso, participaram do estudo 10 indivíduos com história de AVC, encaminhados para a reabilitação no Centro Especializado em Reabilitação III (CER III) na cidade de Uberlândia, Minas Gerais. Os pacientes com AVC apresentaram escore médio de incapacidade 61,6 (±18,24), identificando demandas complexas em todos os domínios da vida. As terapias indicadas foram principalmente: fisioterapia, terapia ocupacional, psicologia e serviço social. Conclui-se que os indivíduos com história de AVC apresentam demandas complexas as quais requerem a atuação de uma equipe multiprofissional com abordagem interdisciplinar.


Keywords


Avaliação da Deficiência; AVC; Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde.

References


Adams JAA. A closed-loop theory of motor learning. Journal Motor Behavior. 1971; 3(2): 111-119.

Ares MJJ. Acidente Vascular Encefálico In: Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC, editores. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. São Paulo: Roca. 2003. p. 03-16.

Carvalho AC, Vanderlei LC, Bofi TC, Pereira JDS, Nawa VA. Projeto Hemiplegia – Um modelo de fisioterapia em grupo para hemiplégicos crônicos. Arquivos Ciências da Saúde. 2007; 14(3): 161-168.

Cecatto RB. Acidente Vascular Encefálico: aspectos clínicos. In: Cruz DMC, editores. Terapia Ocupacional na Reabilitação Pós-Acidente Vascular Encefálico. São Paulo: Santos; 2012. p. 3-18.

Organização Mundial de Saúde. Avaliação de Saúde e Deficiência: Manual do WHO Disability Assessment Schedule (WHODAS 2.0): OMS, 2015.

Da Cruz KCT, Diogo MJD. Avaliação da capacidade funcional de idosos com acidente vascular encefálico. Acta Paulista de Enfermagem. 2009; 22(5): 666-672.

Fitts PM, Posner MI. Human performance. Oxford: Brooks/Cole; 1967.

Fontes SV. Tratamento fisioterápico em grupo para pacientes hemiplégicos ou hemiparéticos por AVC isquêmico no território da artéria cerebral média [dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 1996.

Gonçalves RL, Santos NGB, Freitas TWR, Barbosa Neto JCL. Condicionamento aeróbico em vítimas de acidente vascular cerebral: guia clínico para fisioterapeutas. in: Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional; Garcia CSNB, Facchinetti LD, organizadoras. PROFISIO Programa de Atualização em Fisioterapia Neurofuncional: Ciclo 3. Proto Alegre: Artmed Panamericana; 2016. p. 111-162. (Sistema de Educação Continuada a Distância, v. 4).

Kantak SS, Winstein CJ. Learning-performance distinction and memory processes for motor skills: a focused review and perspective. Behavioral Brain Res. 2012; 228(1): 219-231.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.