A Inserção de Acadêmicos de Medicina na Sala Vermelha e a Complementação ao Ensino de Urgência e Emergência: Relato de Experiência / The Insertion of Medical Students in the Red Room and Complementation to Teaching Urgency and Emergency: Experience Report

Ailton Marques Rosa Filho, Cristiane Vieira Brunetti, Gabriela Rodrigues de Menezes, Liliana Francisco Silva Japeniski, Marcelo Eidy Fukuda Lins, Rogério Massaru Watanabe

Abstract


Introdução: Acidentes, envenenamentos e violências constituem as principais causas de mortalidade na população, entre 15 e 49 anos, das regiões metropolitanas. O atendimento hospitalar das vítimas descritas inicia-se na sala vermelha, com a avaliação adequada e a estabilização do quadro. Objetivo: Relatar as experiências vivenciadas, em tais ambientes, pelos acadêmicos, durante as atividades extracurriculares. Metodologia: Os estudantes realizaram plantões na área vermelha do Hospital da Vida e da Unidade de Pronto Atendimento, de Dourados, no período setembro de 2017 a agosto de 2018, acompanhados pela equipe profissional responsável do setor hospitalar. Resultados: A vivência na sala vermelha permitiu a realização, pelos discentes, de procedimentos e técnicas hospitalares no contexto de urgência e emergência, além da obtenção de conhecimentos acerca das principais ocorrências atendidas. Conclusões: A introdução acadêmica na sala vermelha contribui para a formação do profissional, sendo importante, sobretudo, porque médicos recém-formados acabam trabalhando em plantões, seja em prontos-socorros, unidades de pronto atendimento ou atendimento pré-hospitalar.


Keywords


Sala Vermelha, Urgência e Emergência, Educação Médica, Ligas Acadêmicas

References


BRASIL, ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Traumas matam mais que as três grandes endemias: malária, tuberculose e AIDS. Brasília - DF, 2012.

NATIONAL ASSOCIATION OF EMERGENCY MEDICAL TECHNICIANS. Atendimento Pré-hospitalar ao Traumatizado-PHTLS. Elsevier, 7º ed. 2012.

HOPITAL SÃO MARCOS. O custo do Trauma no Brasil chega perto de 200 bilhões. Teresina – PI, 2018. Disponível em: http://www.saomarcos.org.br/artigo/o-custo-do-trauma-no-brasil-chega-perto-de-200-bilhoes. Acesso em: 14 de março de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva . Urgência e emergência: sistemas estaduais de referência hospitalar para o atendimento de urgência e emergência. Brasília - DF: Ministério da Saúde, 2001. 28 p.

MARTINS, Júlia Trevisan et al. Equipe de enfermagem de emergência: riscos ocupacionais e medidas de autoproteção [Emergency nursing team: occupational risks and self protection]. Revista Enfermagem UERJ, v. 22, n. 3, p. 334-340, 2014.

RIO DE JANEIRO (ESTADO), Secretaria Estadual de Saúde. Portal da Saúde do RJ. UPAs 24 Horas [Internet]. Rio de Janeiro: SES; c2016 [cited 2016 Mar 10]. Disponível em: http//www.saude.rj.gov.br/upas-24-horas. Acesso em: 14 de março de 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. Manual Instrutivo da Rede de Atenção as Urgências e Emergências do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2013 [cited 2016 Mar 10].

SOBRAL SOARES, Tânia Catarina et al. PROFILE OF USERS SERVED IN THE RED ROOM OF A 24 HOUR HEALTH UNIT. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, v. 10, n. 12, 2016.

SHENVI, Christina L.; BIESE, Kevin; TINTINALLI, Judith. 30 años de programas de residencia en Medicina de Urgencias y Emergencias en Estados Unidos. Emergencias, v. 25, n. 1, p. 9-12, 2013.

FERREIRA, Iago Gonçalves; SOUZA, Luís Eduardo Almeida de; BOTELHO, Nara Macedo. Ligas Acadêmicas de Medicina: perfil e contribuições para o ensino médio. Rev. Soc. Bras. Clín. Méd, 2016, 14.4: 239-244.

BOTELHO, Nara Macedo; FERREIRA, Iago Gonçalves; SOUZA, Luis Eduardo Almeida. Ligas acadêmicas de medicina: artigo de revisão. Rev. para. med, 2013.

CAVALCANTE, Ana Suelen Pedroza, et al. As Ligas Acadêmicas na Área da Saúde: Lacunas do Conhecimento na Produção Científica Brasileira. Rev. bras. educ. méd, 2018, 199-206.

TEDESCHI, Luciana Thurler, et al. A experiência de uma liga acadêmica: impacto positivo no conhecimento sobre o trauma e emergência. Rev Col Bras Cir, 2018, 45.1: e1482.

BRASIL. Lei 12.871/2013, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis nº8.745, de 9 dez. de 1993, e nº6.932, de 7 jul. de 1981. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 out. 2013.

AGUIAR, Harley Daviddson Gomes, et al. O ensino da medicina de urgência no Brasil. Rev Med Minas Gerais, 2011, 21.4: 27-31.

FRAGA, Gustavo Pereira; PEREIRA-JUNIOR, G. A.; FONTES, Carlos Edmundo Rodrigues. A situação do ensino de urgência e emergência nos cursos de graduação de medicina no Brasil e as recomendações para a matriz curricular. Lampert JB, Bicudo AM, editores, v. 10, 2014.

PINHEIRO DA COSTA, Bartira Ercília, et al. ReflexÕes sobre a importância do currículo informal doestudante de medicina. Scientia Medica, 2012, 22.3.

DE QUEIROZ, Sílvio José, et al. Ligas Acadêmicas e Currículo Médico: relações e relato de experiência. Revista Fragmentos de Cultura-Revista Interdisciplinar de Ciências Humanas, 2015, 25.1: 47-55.

HAMAMOTO FILHO, Pedro Tadao. Ligas acadêmicas: motivações e críticas a propósito de um repensar necessário. Revista Brasileira de Educação Médica, 2011, 35.4: 535-543.

MONTEIRO, L. L. F., et al. Ligas acadêmicas: o que há de positivo? Experiência de implantação da Liga Baiana de Cirurgia Plástica. Rev bras cir plást, 2008, 23.3: 158-161.

TORRES, Albina Rodrigues, et al. Ligas Acadêmicas e formação médica: contribuições e desafios. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2008, 12: 713-720.

PERES, Cristiane Martins; ANDRADE, Antonio dos Santos; GARCIA, Sérgio Britto. Atividades extracurriculares: multiplicidade e diferenciação necessárias ao currícu. Revista Brasileira de Educação Médica, 2007, 31.3: 203-211.

LEMOS, Érica Freitas Lima, et al. Educação em saúde: a experiência de alunos de Medicina no ensino em primeiros socorros. 2011.

FERNANDES, Cláudia Regina, et al. Conhecimento de estudantes de medicina sobre o funcionamento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Revista Brasileira de Educação Médica, 2014, 38.2: 253-260.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-089

Refbacks

  • There are currently no refbacks.