Efeitos do exercício físico na aptidão física e funções cognitivas de idosos / Effects of physical exercise on physical fitness and cognitive functions of elderly

Marcia Rosa da Silva Rojo, Sebastião Marcos Ribeiro de Carvalho, Maria José Sanches Marin, Gilsenir Maria Prevelato de Almeida Dátilo, Pedro Marco Karan Barbosa

Abstract


Objetivo: Este estudo avalia a eficácia do exercício físico com pesos livres na aptidão física e funções cognitivas de idosos. Método: Intervenção com 24 idosos (60 a 80 anos). Participaram de exercício físico regular em 18 sessões, duas vezes na semana, com uma hora de duração, realizado em cadeira convencional com uso de pesos livres (1 a 2 Kg) para membros inferiores e superiores. Coleta de dados: instituição de aposentados em uma cidade do interior de São Paulo; foram avaliados antes e após a intervenção: Questionário-Sócio-econômico-demográfico-saúde, MEEM, IPAQ adaptado, ”Functional Fitness Test”. Resultado: O “Teste de Wilcoxon” foi significante para o Score Total MEEM (p < 0,001), indicando que houve aumento significativo  do Score Total MEEM após intervenção, (mediana dos escores antes 26,5 e após 28,5); resultado do teste t foi significante e evidenciaram ganho na aptidão física: PotênciaAeróbica (p<0,001), média Antes intervenção 66,1(DP=19,8), média após 80,8(DP=19,4); Força MM  Superiores (p<0,001), média  Antes intervenção 13,7(DP=3,3) após 20,7(DP=4,1); M  Inferiores  (p<0,001), média Antes intervenção 10,4(DP=2,4) após 14,0(DP=3,3); Veloc Normal Andar (p<0,001), média Antes intervenção 3,9(DP=0,6), após 3,1(DP=0,5) Veloc  Máx Andar  média Antes intervenção 2,6(DP=0,4) após 2,4(DP=0,5) Conclusão: O exercício físico exerceu impacto positivo na aptidão física e contribuiu para um melhor funcionamento cognitivo dos idosos. Verificou-se que à medida que a capacidade física do indivíduo aumenta, melhora sua conexão corpo-cérebro. A pesquisa indica uma inovação no que se refere a programa de exercício físico com pesos livres, realizado em cadeira convencional. É de fácil aplicabilidade e baixo custo. Recomenda-se implantação em políticas públicas de promoção da saúde, prevenção de doenças do envelhecimento.


Keywords


Idoso, Exercício, Aptidão física, Cognição

References


Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):548-54.

Camarano AA, organizador. Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro (RJ): IPEA; 2010.

Souza EMS. Fragilidade em idosos institucionalizados: aplicação da Edmonto Frail Scale associada à independência funcional [tese na Internet]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2014. 154 p.[citado 6 novembros 2016]. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-22052014-184011/pt-br.php

Fino SS. Funcionamento cognitivo em idosos, o papel da estimulação cognitiva e do uso da internet nas funções executivas [dissertação]. Porto (Portugal). Universidade Fernando Pessoa: 2016. 63p.

Bandimonte MA, Bruno N, Collina S. Cognition. In: Pawlik, Ydewalle G, eds. Psychological concepts: na International Historical Perspective. Hove, UK: Psychology Press, 2006.

Carvalho AFT, Peixoto ERS. Memória na prática da terapia ocupacional e da fonoaudiologia. Rio de Janeiro (RJ): Rubio; 2012

ROCHA, M. A M. Envelhecimento saudável, através de intervenção psicopedagógica, com enfoque neuropsicológico. Constr. Psicopedag.2012; 20(20). Disponível em . Acesso em:15 out.2015.

Ratey J, Hagerman E. Corpo ativo mente desperta: a nova ciência do exercício físico e do cérebro. Rio de Janeiro (RJ): Objetiva; 2012.

Bugalho PMF. Avaliação clínica na disfunção fronto-estriatal: movimento e cognição [dissertação]. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa; 2013. 341 p.

Centers for Disease Control and the Alzheimer’s Association. The Healthy Brain Initiative: a national public health road map to maintaining cognitive health. Chicago (IL): Alzheimer’s Association; 2007.

Silva TBL, Yassuda MS, Guimarães VV, Florindo AA. Fluência verbal e atividade física no processo de envelhecimento normal: um estudo epidemiológico em Ermelino Matarazzo, São Paulo, Brasil.Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(1):50-6.

Brigola AG, Rossetti ES, Santos BR, Neri AL, Zazzetta MS, Inouye K, Pavarini SCI. Relationship between cognition and frailty in elderly. A systematic review. Dement Neuropsychol 2015;9(2):110-19. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/dn/v9n2/1980-5764-dn-09-02-00110.pdf

Kohl, HW et al. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet. 2012; 380(9838): 294-05.

Lima DF, Levy RB, Luiz OC. Recomendações para atividade física e saúde:

Consensos, controvérsias e ambiguidades. Rev Panam Salud Publica. 2014.

(3): 164-70.

Dourado CS, Santos EL, Romero Junior, Alcaide AR, Silva AS. Efeitos do exercício resistido sobre a força muscular de idosos: uma revisão de literatura. Revistainspirar • movimento & saúde. 2015;7(2):11-5.

Folstein MF, Folstein SE, Mchugh PR. Mini-mental state: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatr Res. 1975;12(3):189-98.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci S. O mini-exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neurosiquiatr.1994;52(1):1-7.

Brucki SMD, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PHF, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(3B):777-81.

Benedetti TRB, Mazo GZ, Barros MV. Aplicação do Questionário Internacional de Atividade Física para avaliação do nível de atividades físicas de mulheres idosas: validade concorrente e reprodutibilidade teste/reteste. Rev Bras Ciênc Mov. 2004;12(1):25-33.

Matsudo S, Araújo Timóteo, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, Braggion G. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): Estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil.Rev bras fis saúde; 2001;6(2):05-18.

Rikli RE, Jones CJ. Functional fitness normative scores for community-residing

Older adults, ages 60-94. J Aging Phys Act. 1999;7:162-81.

Matsudo SMM. Avaliação do Idoso: física & funcional. Londrina (PR): Midiograf; 2000.

SPSS 21,0; 2012© Copyright IBM Corporation 2012; IBM Corporation; Route 100; Somers, NY 10589.

Armitage P, Berry G. Estadística para la investigación biomédica, 3ª Edição Madrid: Harcourt Brace, 1997,593p.

Callegari-Jacques SM. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre:Artmed;2003. 246p.

Santos SL, Soares MJGO, Ravagni E, Costa MML, Fernandes MGM, Desempenho da marcha de idosos praticantes de psicomotricidade. Rev Bras Enferm.2014; 67(4):617-22

Dátilo GMPA. Feminização do envelhecimento: porque as mulheres vivem mais?. In: Brabo TSAM, organizadora. Educação: mulheres, gênero e violência. Marília (SP): Cultura Acadêmica; 2015. p.181-93.

.Araujo CCR, Silveira C, Simas JPN, Zappelini A, Parcias SR, Guimarães ACA. Aspectos cognitivos e nível de atividade física de idosos. Saúde (Santa Maria), Santa Maria.2015; 41(2):193-02.

Chaves NS , Santos AM, Britto e Alves MTSS, Salgado Filho N. Associação entre declínio cognitivo e qualidade de vida de idosos hipertensos.Rev Bras Geriatr Gerontol. Rio de Janeiro. 2015; 18(3):545-56.

Melo DM, Barbosa AJG. O uso do Mini-Exame do Estado Mental em pesquisas com idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(12):3865-76. (DOI: 10.1590/1413-812320152012.06032015).

Sachdev PS, Lipnicki DM, Kochan NA, Crawford JD, Thalamuthu A, Andrews G, et al. The Prevalence of Mild Cognitive Impairment in Diverse Geographical and Ethnocultural Regions: The COSMIC Collaboration. PLoS ONE. 2015; 10(11):

e0142388. DOI:10.1371/journal.pone.0142388

Oliveira DV, Araújo APS, Bertolini SMMG. Capacidade funcional e cognitiva de idosas praticantes de diferentes modalidades de exercícios físicos. Rev Rene. 2015 ; 16(6):872-80. DOI: 10.15253/2175-6783.2015000600014

Ferreira SDP. Atividade física e aptidão física funcional em pessoas idosas com défice cognitivo [dissertação] Évora. Portugal: Universidade de Évora; 2016.95p

Gao S, Unverzagt FW, Hall KS, KA, Murrell JR, Hake AM, Smith-Gamble V, Hendrie HC. Mild cognitive impairment, incidence, progression, and reversion: findings from a community-based cohort of elderly African Americans. Am J Geriatric Psychiatry. 2014;22(7): 670-81. DOI:10.1016/j.jagp.2013.02.015.

Watfa G, Husson N, Buatois S, Laurian MC, Miget P, Benetos A. Study of Mini-Mental State Exam evolution in community-dwelling subjects aged over 60 years without dementia. J Nutr Health Aging. 2011;15(10):901-4.

Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz). Atualizações científicas. Exame de marcadores biológicos. [Internet]. São Paulo,SP. [citado 31 out 2016]. Disponível em :http://www.abraz.org.br/sobre-alzheimer/atualizacoes-cientificas




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-076

Refbacks

  • There are currently no refbacks.