A importância do diagnóstico precoce e adesão terapêutica no hipotireoidismo congênito / The importance of early diagnosis and therapeutic adherence in congenital hypothyroidism

Emilly Ferreira Lima, Mariana Dias Cabral, Thales Silva Ferreira, Lorena Prado Cardoso, Taís Naiara Cardoso, Amanda Romero, Paula de Oliveira Leão, Lara Cândida de Sousa Machado

Abstract


O hipotireoidismo congênito é uma das principais causas preveníveis de problemas neuropsicomotores em crianças, causado por má-formação da tireoide, tendo como consequência a carência de hormônios produzidos por este. As manifestações porem ocorrer logo após o nascimento ou em longo prazo. Diante disso, o diagnóstico precoce pode evitar complicações irreversíveis. Objetiva-se demonstrar a análise da relação entre a importância do diagnóstico precoce e tratamento para evitar tais complicações. Para tanto, foi realizado uma revisão de literatura atualizada, tendo como base de dados o Medline, PubMed e Scientific Library Online. Em relação à incidência da doença, há uma variação 1:2.000 a 1:4.000 crianças nascidas vivas em países com insuficiência iódica. No Brasil, a prevalência varia de 1:2.595 a 1:4.795. Foi observado que em uma região do Brasil, manifestações na fala e audição foram recorrentes e mais agressivos do que em crianças que já haviam sido diagnosticadas e cursavam com o tratamento. Em suma, em reforço ao benefício do diagnóstico precoce por meio do Programa de Triagem Neonatal, cabe também aos profissionais a obtenção de maiores informações sobre o tema, além de orientar os pacientes sobre a importância do rastreio e as possíveis consequências da falta de tratamento.

 

 


Keywords


tireoidopatias congênitas, hormônios, triagem neonatal.

References


Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria SAS/MS nº 56, de 29 de janeiro de 2010. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Hipotireoidismo Congênito, 2010. Disponível em:

CORBETTA, C. et al. A 7-year experience with low blood TSH cutoff levels for neonatal screening reveals an unsuspected frequency of congenital hypothyroidism (CH). Clin Endocrinol (Oxf), v. 71, n. 5, p. 739-745, 2010.

MACIEL, L. et al. Hipotireoidismo congênito: recomendações do Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, São Paulo, v. 57, n. 3, p. 184-192, abr. 2013.

FERREIRA, L. O. et al. Manifestações fonoaudiólogas relatadas por pais de crianças com hipotireoidismo congênito. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, v.16, n.3, p.317-22, 2011.

OLIVEIRA, V.; Maldonado, R. R. Hipotireoidismo e Hipertireoidismo – Uma breve revisão sobre as disfunções tireoidianas. Interciência & Sociedade (ISSN: 2238-1295) – v. 3, n. 2, 2014.

CIELONKO, L. et al. Provider variability in the initial diagnosis and treatment of congenital hypothyroidism. Journal of Pediatric Endocrinology and Metabolism, v. 30, n. 5, p. 583-586, maio 2017.

NASCIMENTO, M. L. Situação atual da triagem neonatal para hipotireoidismo congênito: críticas e perspectivas. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, São Paulo, v. 55, n. 8, p. 528-533, nov. 2011.

TRIANTAFYLLOU, P. et al. Neurophysiologic evaluation of infants with congenital hypothyroidism before and after treatment. Acta Neurologica Belgica, v. 115, n. 2, p 129-136, jun. 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2%20-058

Refbacks

  • There are currently no refbacks.