Fístula Arteriovenosa Na Insuficiência Renal Crônica: cuidados e complicações / Arteriovenous Fistula In Cronic Renal Insufficiency: care and complications

Victor Augusto Rocha Magalhães, Gracielle Fernanda dos Reis Silva, Humberto Caldeira Brant Junior

Abstract


A insuficiência renal crônica, em estágios avançados, é tratada por terapia renal substitutiva. A hemodiálise, enquanto tipo mais utilizado, necessita de um acesso vascular com bom fluxo sanguíneo. Dessa forma, a fístula arteriovenosa (FAV) é a modalidade de acesso venoso com mais benefícios. Diante disso, o presente estudo objetivou caracterizar as medidas de cuidado necessárias, por parte dos pacientes e dos profissionais de saúde, durante o período de maturação e de uso de FAV, bem como as complicações advindas do incorreto manejo desse acesso vascular. Como metodologia, foi adotada uma revisão de literatura das bases de dados BVS, EBSCO e Scielo, sendo selecionados 11 artigos. Evidenciou-se que, após confecção da FAV, o período de maturação é importante para dilatação da artéria e aumento da espessura da parede venosa, o que permite aumento do fluxo sanguíneo e da resistência da parede venosa. A partir desse período, são importantes as medidas de cuidado visando a diminuição de complicações e a durabilidade da FAV. Essas medidas são representadas pela proteção contra traumatismos e grandes esforços, não dormir sobre o membro utilizado, não realizar curativos circulares; evitar aferição de pressão arterial, retirada de sangue e infusão de medicamentos na FAV. Como complicações associadas ao manejo incorreto desse acesso vascular, têm-se a trombose, a infecção, o fenômeno de roubo e a hipertensão venosa, principalmente. Conclui-se que os benefícios advindos da utilização de FAV estão intrinsecamente relacionados às medidas de cuidado, o que ressalta a importância do correto manejo do acesso vascular por parte dos profissionais e dos pacientes.


Keywords


Diálise renal. Fístula arteriovenosa. Insuficiência renal crônica.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes clínicas para o cuidado ao paciente com Doença renal Crônica – DRC no Sistema Único de Saúde. Brasília, 2014.

CLEMENTINO, Daniella Caldas et al. Pacientes em hemodiálise: importância do autocuidado com a fístula arteriovenosa. Rev enferm UFPE on line, Recide, v. 12, n. 7, p. 1841-52, jul. 2018.

DA CRUZ, Renan Nunes et al. Influência do diabetes mellitus sobre a perviedade da fístula arteriovenosa para hemodiálise. J Vasc Bras., São Paulo, v. 14, n. 3, jul-set. 2015.

DA SILVA, Dejanilton Melo. A enfermagem e o indivíduo em terapia hemodialítica para proposição de cuidado humano em sua dimensão estética. 2018. Tese (Doutorado em Ciências do Cuidado em Saúde) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

DOS SANTOS, Bianca Pozza et al. Doença renal crônica: relação dos pacientes com a hemodiálise. ABCS Health Sci., Santo André, v. 42, n. 1, p. 8-14, 2017.

FERNANDES, Alen Rodrigues et al. Identificação da fístula arteriovenosa e suas complicações pelos enfermeiros dos serviços de entrada de Cáceres-MT. Rev. APS, Juiz de Fora, v. 21, n. 3, p. 408-417, jul-set. 2018.

NOGUEIRA, Flávia Lidyane Lima et al. Percepção do paciente renal crônico acerca dos cuidados com acessos para hemodiálise. Cogitare Enferm., Paraná, v. 21, n. 3, p. 01-08, jul-set. 2016.

PEREIRA, Oscar Rockenbach; FERNANDES, Jaime da Silva; MENEGAZ, Thais Nazário. Avaliação do tempo de maturação das fístulas rádio-cefálicas para hemodiálise. Arq. Catarin Med, Santa Catarina, v. 45, n. 2, p. 2-10, abr-jun. 2016.

PESSOA, Natália Ramos Costa; LINHARES, Francisca Márcia Pereira. Pacientes em hemodiálise com fístula arteriovenosa: conhecimento, atitude e prática. Escola Anna Nery de Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 73-79, jan-mar. 2015.

RAMALHO NETO, José Melquiades et al. Fístula arteriovenosa na perspectiva de pacientes renais crônicos. Enferm. Foco, Salvador, v. 7, n. 1, p. 37-41, 2016.

SANTANA, Nilglisneide Feitoza; NOBRE, Valdjane Nogueira Noleto; DA LUZ, Luciane Katrine Teixeira. Autocuidado com fístula arteriovenosa em terapia renal substitutiva. Revista Recien, São Paulo, v. 9, n. 26, p. 60-67, abr. 2019.

SIMPLÍCIO, Aline Bigatão. Avaliação da perviedade e maturação das fístulas arteriovenosas com o exame ultrassom doppler precoce. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (título de Residência Médica) – Hospital do Servidor Público Municipal, São Paulo, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-057

Refbacks

  • There are currently no refbacks.