Avaliação da turbidez de águas de poços da zona rural do município de Caruaru-PE / Assessment of water turbidity in wells in the rural area of the municipality of Caruaru-PE

Angela Maria Coêlho de Andrade, Davi Araujo da Silva, Nayanne Marina Correia de Araújo

Abstract


A água é hoje um dos recursos ambientais mais preciosos e escassos da humanidade sendo indispensável à vida. A região agreste do estado de Pernambuco vem enfrentando um grave problema ambiental, a crise de água, devido às poucas precipitações de chuvas as comunidades rurais afastadas dos centros urbanos sofrem por não ter abastecimento d’água canalizada, uma das alternativas para esse déficit são os poços artesianos. A qualidade da água é decorrente de fenômenos naturais e da atuação do homem. Para verificar a qualidade dessa água foi analisada a água de dois poços distintos localizados na zona rural do município de Caruaru-PE, analisando sua qualidade através da análise físico-química dentro dos padrões de potabilidade para uso doméstico.Quanto aos resultados analisados comparado com a legislação do Ministério da Saúde nº 2.914 de 2011 juntamente com a portaria n° 518 de 2004 do Ministério da Saúde.

As águas dos dois poços P1 e P2 foram consideradas próprias para o consumo da população das comunidades rurais.


Keywords


Água Subterrânea, Poços, Turbidez.

References


ANDRADE, A.M.C, ANDRADE, C.C. Poço Artesiano; Avaliação da qualidade da água que abastece a zona rural no município de Calçado-PE. XIV SIBESA. Foz do Iguaçu-Cu. P. 1-10, 2018.

APHA. American Public Health Association Water Works Association & Water Enviroment Federation. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. Estados Unidos da América: A.E. 2012.

ARAÚJO, N.M.C. Influência do fármaco paracetamol no processo de digestão anaeróbia de efluentes. 2016. 45 folhas. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental). Faculdade ASCES-UNITA, Caruaru, 2016.

BICUDO, C.E.M.; et al. Águas do Brasil: análises estratégicas. São Paulo: Instituto de Botânica, p. 224, 2010.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geologia e EstatísticaCaruaru - IBGE. 2016. Disponível em: . Acessado em: 19 abril. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.914 de 12 de dezembro de 2011: Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. 2011. Disponível em: . Acesso em 08 set. 2017.

BRITO, C.A.; et al. Solidariedade e meio ambiente: uma análise dos resíduos sólidos do município de Caruaru. João Pessoa: Idéia, 2007, 122p.

CAMPOS, J.N.B.; STUDART, T.M.C. Secas no Nordeste do Brasil: Origens, causas e soluções. 2001. Disponível em: . Acessado em: 15 set. 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. 2014. Disponível em: . Acessado em: 28.08.2017.

LIBÂNIO, M. Procedimentos da qualidade da água e tratamento de água. Campinas: Átomo, p. 19-53, 2005.

JUNQUEIRA, M.A.D.R.; et al. Apontamentos sobre a lei brasileira das águas: a experiência do estado de São Paulo. REGE, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 159-175, abr./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2017.

MENDES, D.L.; et al. Avaliação da qualidade da água subterrânea na localidade do sitio canafístula em Limoeiro do Norte, CE. UNICAP, p. 8, 2013.

RODRIGUES, M.E.G.; NISHIJIMA, T. Educação ambiental: Trabalhando o uso racional da água nas séries iniciais. Monografias Ambientais, v. 4, n. 4, p. 696-706, 2011. Disponível em: . Acessado em: 25 ago. 2016.

TUNDISI, J.G.; TUNDISI, T.M. Recursos hídricos no século XXI. 1.ed. São Paulo: Oficina de texto, p. 23-27, 2011.

WIENHAGE, P. Responsabilidade social em Instituições de Ensino Superior: práticas adotadas para a gestão ambiental. In: Gestão Contemporânea, Porto Alegre, ano 6, n. 6, p. 97-119, 2009.

ZOBY, J.L.G. Panorama da qualidade das águas subterrâneas no Brasil. In: XV congresso Brasileiro de águas subterrâneas, Natal, 2008. Anais do XV congresso Brasileiro de águas subterrâneas. São Paulo: ABAS - Associação Brasileira de Águas Subterrâneas, 2008. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.