Diagnóstico da assistência farmacêutica em duas unidades básicas de saúde no interior do Rio Grande do Sul. / Diagnosis of Pharmaceutical Services in two basic health units in the interior of Rio Grande do Sul.

Marília Cruz Guttier, Marysabel Pinto Telis Silveira, Alini da Fonseca Rodrigues, Raquel Beskow, Giana de Paula Cognato, Juliane Fernandes Monks da Silva

Abstract


Introdução: A Assistência Farmacêutica (AF) é parte do sistema de saúde público com papel importante na consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS), permitindo a integralidade da atenção à saúde. Objetivos: Avaliar a capacidade gerencial dos processos que envolvem a AF, e desenvolver ações e estratégias a serem implementadas para melhorar a estruturação e organização da AF em Unidades Básicas de Saúde (UBS). Métodos: Estudo transversal realizado em duas UBS do município no interior do RS, no mês de julho de 2016. Foi aplicado o Instrumento de Autoavaliação para o Planejamento da Assistência Farmacêutica (IAPAF) do Ministério da Saúde, adaptado para a realidade das UBS, para diagnóstico da AF municipal. Resultados: Foram analisados 15 itens pelo IAPAF, a maioria encontrava-se no nível 1 (pior avaliação), 6 no nível 2 (intermediário) e somente 1 indicador estava no nível 3 (ideal). Ações como modificações na estrutura física das farmácias, realização de grupos de educação em saúde para prescritores e usuários, cursos de capacitação técnica para farmacêuticos e auxiliares, foram melhorias sugeridas para os indicadores que obtiveram pior avaliação. Conclusão: Os parâmetros avaliados demonstraram falhas no planejamento das diferentes etapas do ciclo da AF, para as duas UBS. A baixa qualificação dos recursos humanos são aspectos que comprovam a necessidade de organização desta atividade. Ações estratégicas para melhoria dos processos devem ser desenvolvidas a fim de qualificar serviços e o acesso aos medicamentos na rede de saúde.


Keywords


Assistência farmacêutica, avaliação em saúde, Indicadores Básicos de Saúde, medicamentos essenciais

References


Brasil, Conselho Nacional de Secretários de Saúde, Assistência Farmacêutica no SUS. Coleção Progestores – Para entender a gestão do SUS Brasília: CONASS; 2007.

Araújo AdLAd, Pereira LRL, Ueta JM, Freitas Od. Perfil da assistência farmacêutica na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2008;13:611-7.

Brasil. Portaria nº 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006–Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2006.

Brasil. Portaria GM nº. 698, de 30 de março de 2006: Define que o custeio das ações de saúde é de responsabilidade das três esferas de gestão do SUS, observado o disposto na Constituição Federal e na Lei Orgânica do SUS. Diário Oficial da União. 2006.

LYRA JUNIOR DP, Porto J, Souza L. Avaliação da estrutura e dos processos de organização e gestão da assistência farmacêutica em município do estado de Sergipe. Revista de ciencias farmaceuticas basica e aplicada. 2012;32(3):403-10.

Farmácia CFd. Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS. Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS. 2019:all.

Oliveira L, Ceretta LB, Bosse TS, Gava FL, Maragno CD, Feltrin JO, et al. Diagnóstico e Planejamento da Gestão da Assistência Farmacêutica de um Município do Sul de Santa Catarina. Revista de Saúde Pública de Santa Catarina. 2014;6(4):43-54.

Bittencourt RA, Silveira MPT, Guttier MC, Miranda FF, Bertoldi AD. Avaliação da Assistência Farmacêutica em um município no Sul do Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2017;20:310-23.

Oliveira LCFd, Assis MMA, Barboni AR. Assistência farmacêutica no Sistema Único de Saúde: da Política Nacional de Medicamentos à atenção básica à saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2010;15:3561-7.

De Bernardi CL, Bieberbach EW, Thomé HI. Avaliação da assistência farmacêutica básica nos municípios de abrangência da 17ª Coordenadoria Regional de Saúde do Rio Grande do Sul. Saúde e sociedade. 2006;15:73-83.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência TeIEDdAFeIE. Planejar é preciso: uma proposta de método para aplicação à assistência farmacêutica. Editora do Ministério da Saúde Brasília; 2006.

Pelotas SMdSd. Diretrizes da atenção básica de saúde de Pelotas [internet]. . Pelotas: Disponível em http://www.pelotas.com.br/dev/arquivo/DIRETRIZES-DA-ATENCAO-BASICA-11-ABRIL-2016.pdf; 2016.

Pelotas PMd. O que é a REDE BEM CUIDAR? Site Prefeitura de Pelotas2018 [cited 28 mar 2018. Available from: http://www.pelotas.rs.gov.br/saude/rede-bem-cuidar.

Leite SN, Manzini F, Álvares J, Guerra AA, Costa EA, Acurcio FdA, et al. Infraestrutura das farmácias da atenção básica no Sistema Único de Saúde: análise dos dados da PNAUM-Serviços. Rev Saúde Pública. 2017;51(suppl 2):-.

Saúde Md, Secretaria de Ciência TeIE, Estratégicos DdAFeI. Diretrizes para estruturação de farmácias no âmbito do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde Brasília (DF); 2009.

Magarinos-TorresI R, EsherII Â, CaetanoIII R, PepeII VLE, Osorio-de-CastroII CGS. Adesão às Listas de Medicamentos Essenciais por Médicos Brasileiros em Atuação no Sistema Único de Saúde Adherence to the Essential Medicines Lists by Brazilian Physicians in the Unified. Revista Brasileira de Educação Médica. 2014;38(3):323-30.

Sanitária ANdV, Saúde OP-Ad, Saúde OMd. A importância da farmacovigilância: monitorização da segurança dos medicamentos. Organização Mundial da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde Brasília; 2005.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-045

Refbacks

  • There are currently no refbacks.