Diagnóstico de câncer de mama por exames genéticos: uma revisão de literatura / Diagnosis of breast cancer by genetic exams: a literature review

Maisa Campêlo de Sousa, Luadna dos Santos e Silva, Camila Campêlo de Sousa

Abstract


Atualmente, o câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais incidente no mundo e o principal a causar a mortalidade em mulheres. Devido a isso, inúmeras pesquisas vêm sendo realizadas a fim de se descobrir novos métodos de diagnóstico uma vez que quanto mais precoce for, melhor prognóstico e chances de sobrevivência. Sabe-se que o câncer é decorrente de alterações genéticas como ativação dos proto-oncogenes, inativação ou diminuição da atividade dos genes pertencentes ao grupo supressor tumoral ou defeitos em genes reparadores do DNA. Muitos desses genes já foram descobertos, isolados e sequenciados. Assim, o aconselhamento genético para pacientes que possuem genes ou transcritos causadores da neoplasia da mama podem diminuir sua morbi-mortalidade e proporcionar uma melhoria em sua qualidade de vida. Este trabalho trata-se de uma revisão de literatura que apresenta métodos genéticos para o diagnóstico do câncer de mama.


Keywords


Tumor maligno de mama, Diagnóstico genético, Prevenção de câncer

References


ALLENDE, Y. C. S.; VILLARREAL, M. L.; LOARTE, M. T. Cáncer ginecológico hereditario en la era de la medicina genômica. Revista Peruana de Ginecología y Obstetricia, v. 64, n. 3, 2018.

ALMEIDA, R. S. S. Análise de mutações e caracterização do gene MYLK4 em carcinomas de mama. 2014. 77 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

BATISTA, D. R. R; MATTOS, M. de; SILVA S. F. da Convivendo com o câncer: do diagnóstico ao tratamento. Revista de Enfermagem, v. 5, n. 3, p. 499-510, 2015.

BATISTON, A. P. et al. Método de detecção do câncer de mama e suas implicações. Cogitare enfermagem, Curitiba, v. 14, n. 1, 2009.

BATISTON, A. P. et al. Conhecimento e prática sobre os fatores de risco para o câncer de mama entre mulheres de 40 a 69 anos. Revista Brasileira de Saúde Materna e Infantil, Campo Grande, v. 11, n. 2, p. 163-171, 2011.

CESAR, P. G. C. et al. Utilização de plataforma gênica no prognóstico do câncer de mama. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v. 37, n. 3, p. 154-161, 2012.

CUNHA, D. O. et al. Polimorfismo nulo do gene GSTM1 na suscetibilidade do câncer de mama: evidências baseadas em meta-análise. Revista Brasileira de Mastologia, v. 25, n. 1, p. 16-9, 2015.

DA ROSA, L. M.; RADÜNZ, V. Taxa de sobrevida na mulher com câncer de mama: estudo de revisão. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 21, n. 4, p. 980-989, 2012.

DANTAS, O; CRUZ, R. Câncer de mama em homem: uma realidade brasileira. Revista Brasileira De Educação e Saúde, v. 5, n. 3, p. 29-34, jul-set, 2015.

FELIX, G. E. S. Estudo de mutações pontuais de BRCA1, BRCA2, CHEK2 e TP53 em pacientes com alto risco para câncer de mama e ovário hereditário. 88f. il. Dissertação (Mestrado) – Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Pesquisas Gonçalo Moniz, Salvador, 2014.

FIGUEIREDO, M. C. P. Câncer de mama hereditário: rastreamento de mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 e busca de novos genes de susceptibilidade. 2014. Tese de Doutorado. Fundação Antônio Prudente.

MARQUES, E. F.; MEDEIROS, M. L. L.; SOUZA, J. A.; MENDONÇA, M. C.; BITENCOURT, A. G. V.; CHOJNIAK, R. Indicações de ressonância magnética das mamas em um centro de referência em oncologia. Radiologia Brasileira, v. 44, n. 6, p. 363–366, 2011.

MARSICANO, P. A. Câncer de Mama - Jornada Científica de Enfermagem , IV, 2014. Santa Catarina. Disponível no site: . Acesso em: 30.11.15.

MEDEIROS, G. C; BERGMANN, A; AGUIAR, S. S. THULER, L. C. S. Análise dos determinantes que influenciam o tempo para o início do tratamento de mulheres com câncer de mama no Brasil. Cadernos de Saúde Pública [online], v. 31, n. 6, p. 1269-1282, 2015.

MENKE, C. H. Autoexame ou autoengano? FEMINA, v. 38, n. 1, 2010.

MIGOWSKI, A.; DIAS, M. B. K.; NADANOVSKY, P.; SILVA, G. A.; SANT’ANA, D. R.; STEIN, A. T. Diretrizes para detecção precoce do câncer de mama no Brasil. III - Desafios à implementação, Cadernos de Saúde Pública v. 34, n. 6, 2018.

NAROD, S. A. et al. Breast cancer mortality after a diagnosis of ductal carcinoma in situ. JAMA oncology, v. 1, n. 7, p. 888-896, 2015.

NAROD, S. A. Screening for BRCA1 and BRCA2 mutations in breast cancer patients from Mexico: the public health perspective. Salud Pública de México, v. 51, p. 191-196, 2009.

OROZCO-HERNÁNDEZ, J. P.; MARÍN-MEDINA, D. S.; MARTÍNEZ-MUÑOZ, M. A.; MARTÍNEZ, J. W. Genes de predisposición al cáncer de mama. Salud Uninorte, v. 34, n. 3, p. 766-783, 2018.

PINHO, S. R. A. Apoio ao Diagnóstico de Imagens de Mamografia por Técnicas Computacionais. Dissertação (Mestrado), Mestrado em Engenharia Biomédica, Universidade do Porto, 2015.

RENNA JUNIOR, N. L.; SILVA, G. A. Diagnóstico tardio do câncer de mama no Brasil: análise de dados dos registros de câncer hospitalar (2000-2012). Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 40, n. 3, 2018.

SILVA, T. B. C. et al. Percepção de causas e risco oncológico, história familiar e comportamentos preventivos de usuários em aconselhamento oncogenético. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 47, n. 2, p. 377-384, 2013.

SOUZA, M. A. et al. Polimorfismo do gene do receptor estrogênico como fator de risco do câncer de mama. FEMINA, v. 40, n. 4, 2012.

STEIN, T. A., et al. Rastreamento do câncer de mama: recomendações baseadas em evidências. Revista da AMRIGS, v. 53, n. 4, p. 438-446, 2009.

TOMAZELLI, J. G.; SILVA, G. A. Rastreamento do câncer de mama no Brasil: uma avaliação da oferta e utilização da rede assistencial do Sistema Único de Saúde no período 2010-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, n. 4, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-039

Refbacks

  • There are currently no refbacks.