Paralisia facial unilateral: aspectos clínicos e principais tratamentos/ Unilateral facial palsy: clinical aspects and main treatments

Viviane Araújo e Silva de Carvalho, Taynara Souza Silva, Maria Amélia Miranda de Oliveira Melo, Nicole Gonzaga Guerreiro, Julia Sachetin Fontoura, Cláudio Herbert Nina e Silva

Abstract


A paralisia de Bell é caracterizada por uma paralisia unilateral dos músculos inervados pelo nervo facial e pode ser causada por infecção pelo herpes-vírus, inflamação do nervo facial, neuropatia isquêmica, insuficiência na microcirculação, diabetes e hipertensão. Essa paralisia desencadeia diminuição da sensibilidade gustativa e paresia do reflexo de piscar. Ela pode ser tratada através de corticosteroides, antivirais, fisioterapia, acupuntura e radiofrequência. Objetiva-se analisar os principais dados acerca da paralisia de Bell e seus aspectos clínicos. A busca de artigos foi feita no SciELO, LILACS, PubMed, MedLine e Periódico Capes, selecionados através de critérios metodológicos, além de livros de referência. Diante disso, por conta da perda da motricidade voluntária nos músculos faciais, o paciente não consegue franzir a testa e apertar o lábio do lado afetado. Demonstra-se que, dentre as causas, a reativação do vírus herpes simples parece ser a mais comum. A inflamação e o edema do nervo facial estão associados ao seu aprisionamento e a uma neuropatia isquêmica, enquanto diabetes, hipertensão, dislipidemias e idade avançada são fatores de risco para doença oclusiva arterial periférica em pacientes com essa paralisia. Além disso, mostra-se que corticosteroides, antivirais, fisioterapia, acupuntura e radiofrequência aliviam os sintomas e as sequelas dessa condição. Assim, este trabalho buscou destacar informações relevantes acerca da paralisia de Bell.


Keywords


“paralisia de Bell”, “paralisia hemifacial” e “neuropatia facial”

References


LOUIS, E.D; MAYER, S.A; ROWLAND, L.P. Merritt – Tratado de Neurologia. 13ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018. p 743 – 744.

TORTORA, G. J; DERRICKSON, B. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 14ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016. p 342.

CELIK, O. et al. The role of facial canal diameter in the pathogenesis and grade of Bell's palsy: a study by high resolution computed tomography. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, v. 83, n.3, São Paulo, 2017.

WENCESLAU, L. G. C. et al. Paralisia facial periférica: atividade muscular em diferentes momentos da doença. CoDAS, v. 28, n. 1, São Paulo, 2016.

PACARI, M. P. M. et al. Radiofrecuencia vs Corriente Farádica en la rehabilitación funcional de pacientes con parálisis facial periférica. Revista Científica Ciencia Médica, v. 19, n. 3, Cochabamba, 2016.

KWON, H. J.(Hyo-Jung Kwon) et al. Acupuncture for the sequelae of Bell’s palsy: a randomized controlled trial. Trials, v. 16, n. 246, 2015.

LIOU, L. S. (Li-Syue Liou) et al. Increased risk of peripheral arterial occlusive disease in patients with Bell's palsy using population data. Plos One, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-036

Refbacks

  • There are currently no refbacks.