Análise da fisiopatologia e impactos da criptorquidia em crianças e adolescentes: uma revisão bibliográfica / Analysis of the pathophysiology and impacts of cryptorchidism on children and adolescents: a literature revie

Larissa Prado Campos, Stéffany Alves de Almeida, Jenifer Sayuri Takahashi Sunahara Teodoro, Paula Cristina Oliveira Lemos, Gabriela Vieira Lelis de Sousa, Júlia Gonçalves dos Santos, Isabela Verniano Pasqualotto, Iane de Oliveira Pires Porto

Abstract


A criptorquidia ocorre quando o testículo não é palpável na bolsa escrotal devido a uma anomalia congênita. No início do desenvolvimento embrionário os testículos têm localização lombar e por volta do 7° mês da gestação deveria completar a descida até o saco escrotal, o que não acontece nesse caso. O objetivo dessa pesquisa é identificar os possíveis impactos que essa anomalia pode gerar nas crianças e adolescentes e sua evolução clínica. Para isso foi realizada uma revisão bibliográfica integrativa da literatura atualizada utilizando artigos dos bancos de dados Scientific Electronic Library Online (SciELO), Medline e Google Acadêmico, e também a literatura médica clássica. No que diz respeito aos impactos da criptorquidia pode-se citar o atraso no processo de desenvolvimento que leva o corpo a maturidade sexual e uma disfunção no crescimento tanto em estatura quanto em massa corpórea. Além disso, essa patologia é um importante fator de risco na vida adulta para a apresentação de infertilidade e malignização. Dessa forma, é imprescindível salientar a importância da atenção médica no exame físico dos recém-natos, visto que a detecção precoce é um fator essencial para obtenção não só de um melhor prognóstico, mas também para a prevenção de um futuro problema psicossocial advindo dos impactos físicos e mentais da criptorquidia.


Keywords


testículo, anormalidades congênitas, genitália masculina.

References


CRUZ NETO, J. S. da et al. CRIPTORQUIDIA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA DE 2002 A 2012. Cadernos de Cultura e Ciência, [s.l.], v. 12, n. 2, p.44-65, 30 dez. 2013. Lepidus Tecnologia.

DIAS, Artur Filipe Dinis. Criptorquidia: Revisão sistemática de conceitos. 2017. 26 f. Tese (Mestrado) - Curso de Medicina, Centro Hospitalar do Porto, Universidade do Porto/centro Hospitalar do Porto, Portugal, 2017.

GOMIDE, Ligia Maria Micai. Avaliação de célula germinativas e células de Sertoli em modelo experimental de criptorquidia e orquidopexia. 2016. 84 f. Tese (Mestrado) - Curso de Medicina, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, 2016.

GONÇALVES, D. A.; MACIEL, E. O. Criptorquidismo: conduta. Acta Médica. Porto Alegre, 2015; v.36, n.8, p. 1-8.

PEREIRA, J. R. et al. Criptorquidia na adolescência, Acta Médica Portuguesa. Portugal, 2011; v.24, n. 3, p.715-718.

PORTO, Celmo Celeno. Semiologia Médica. 7.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014. 932p.

PRADA, Eduardo Mazzi Gonzales de. Criptorquidia. Revista de la Sociedad Boliviana de Pediatria. La Paz, 2012; v.51, n.3, p. 218-220.

MONLLÉO, I. L. et al. Prevalência de anormalidades congênitas. Jornal de pediatria. Rio de Janeiro, 2012; v.88, n.6, p.489-495.

MOORE, K.L.; PERSAUD, T.V.N. Embriologia Clínica. 8ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-029

Refbacks

  • There are currently no refbacks.