Papiloma Vírus Humano (HPV) e neoplasia cervical: importância da vacinação / Human papillomavirus (HPV) and cervical neoplasia: importance of vaccination

Rodrigo José Nunes Calumby, Rafael Aleixo dos Santos Silva, Jorge Andrés García Suárez, Teresa de Lisieux Guedes Ferreira Lôbo, Daniglayse Santos Vieira, Karwhory Wallas Lins da Silva, Maria Júlia Pereira Reis, Luciano Aparecido Meireles Grillo

Abstract


O Papiloma Vírus Humano (HPV) é um vírus de DNA, pertencente à família Papillomaviridae, o qual possui potencial oncogênico, sendo responsável por aproximadamente 98% dos casos de câncer do colo do útero. Esse tipo de câncer é a principal causa de morte entre mulheres que vivem em países em desenvolvimento. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que para o ano de 2019 sejam diagnosticados 16.370 novos casos de câncer de colo do útero no Brasil, com um risco estimado de 15,43 casos a cada 100 mil mulheres. Com base no exposto, objetivou-se realizar uma revisão literária sobre o HPV e sua importância na indução de neoplasias cervicais, a fim de descrever e evidenciar as vantagens do uso da vacina de proteção contra este vírus. As vacinas anti-HPV foram criadas com o intuito de prevenir a infecção pelo vírus e, dessa forma, reduzir o desenvolvimento de neoplasias cervicais. Estas vacinas contêm uma proteína capsídeo L1 do HPV que se autorreproduz em partículas virus-like (VLP) capazes de neutralizar as infecções naturais subsequentes. Atualmente, encontram-se disponíveis no mercado duas vacinas profiláticas regulamentadas para uso na população em diversos países, incluindo o Brasil: a vacina bivalente Cervarix® que atua contra os vírus 16 e 18 e a vacina tetravalente Gardasil® que atua contra os sorotipos 6,11, 16 e 18. Entre as informações mais importantes, destacam-se que está indicada para mulheres entre 9 e 26 anos e meninos entre 11 e 14 anos, antes da iniciação sexual, sendo administrada em três doses; possui eficácia comprovada contra os sorotipos nela presentes, sendo altamente imunogênica e com garantia de proteção por cerca de 10 anos.


Keywords


Papiloma Vírus Humano, Câncer do colo uterino, Vacina.

References


ALMEIDA, A. C. G.; SAKAMA, A. T.; CAMPOS, R. G. A correlação do câncer do colo uterino com o Papilomavirus Humano. Revista APS, 2006; 9(2): 128-135.

CARTUCHO, C. F. M. Papiloma Vírus Humano - Avaliação do conhecimento universitário. Monografia de Conclusão de Curso - Universidade Fernando Pessoa - Faculdade de Ciências da Saúde. 2009.

BORSATTO, A. Z.; VIDAL, M. L. B.; ROCHA, R. C. N. P. Vacina contra o HPV e a prevenção do Câncer do Colo do Útero: Subsídios para a Prática. Revista Brasileira de Cancerologia, 2011; 57(1): 67-74.

THULER, L. C. S. Mortalidade por câncer do colo do útero no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 2008; 30(5): 216-218.

FREITAS, H. G.; SILVA, M. A.; THULER, L. C. S. Câncer do Colo do Útero no estado de Mato Grosso do Sul: Detecção precoce, incidência e mortalidade. Revista Brasileira de Cancerologia, 2012; 58(3): 399-408.

INCA - Instituto Nacional Câncer. Estimativa biênio 2018-2019: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2019. 124p.

BRAGUETO, T.; SUZUKI, L. E. Vacinas contra o Papilomavírus Humano - HPV. NewsLab, 2008; 87: 58-68.

CHAGAS, L. L. P.; NEVES, J. B. Rastreamento do Papiloma Vírus Humano (HPV) em mulheres com mais de 25 anos. Revista Enfermagem Integrada, 2013; 6(1): 1043-1051.

ARAÚJO, F. F. B. Utilização de vacinas contra o HPV. Monografia de especialização em citologia clínica. Faculdade Boa Viagem - Centro de Consultoria Educacional. 2014. 32 f.

SANCHES, E. B. Prevenção do HPV: A utilização da vacina nos serviços de saúde. Revista Saúde e Pesquisa, 2010; 3(2): 255-261.

STABILE, S. A. B.; EVANGELISTA, D. H. R.; TALAMONTE, V. H.; LIPPI, U. G.; LOPES, R. G. C. Estudo comparativo dos resultados obtidos pela citologia oncótica cérvico-vaginal convencional e pela citologia em meio líquido. Einstein, 2012; 10(4): 466-472.

BRINGHENTI, M. E. Z.; DOZZA, T. G.; DOZZA, T. G.; MARTINS, T. R.; BAZZO, M. L. Prevenção do câncer cervical: associação da citologia oncótica a novas técnicas de biologia molecular na detecção do Papilomavírus Humano (HPV). DST - Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, 2010; 22(3): 135-140.

NOVAES, H. M. D.; SILVA, G. A.; AYRES, A. R.; ITRIA, A.; RAMA, C.; SARTORI, A. M.; SOÁREZ, P. C. Avaliação tecnológica de vacinas para a prevenção de infecção por papilomavírus humano (HPV): estudo de custo-efetividade da incorporação de vacina contra HPV no Programa Nacional de Imunizações/PNI do Brasil. Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT/MS) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 2012. Disponível em: Acesso em: 12 Nov. 2017.

LINHARES, A. C.; VILLA, L. L. Vacinas contra rotavírus e papilomavírus humano (HPV). Jornal de Pediatria, 2006; 82(3): 25-34.

ALMEIDA, G. C. P.; ENFERMEIRO, C. C. Vacina profilática para o Papiloma Vírus Humano: Desafios para Saúde Pública. Revista Saúde e Desenvolvimento, 2014; 5(3): 71-90.

DIVE - Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Informe técnico sobre a vacina - Papiloma Vírus Humano (HPV) na atenção básica. Secretaria do Estado de Santa Catarina. 2014. Disponível em: Acesso em: 11 Ago. 2017.

ROSENBLATT, C. et al. HPV na prática clínica. São Paulo, SP: Atheneu, 2005.

NADAL, S. R.; MANZIONE, C. R. Vacinas contra o Papilomavirus humano. Revista Brasileira de Coloproctologia, 2006; 26(3): 337-340.

COLATINO, P. L. HPV 16 e 18 e o desenvolvimento do câncer do colo uterino. Monografia de pós-graduação em Citologia Clínica - Universidade Paulista e Centro de Consultoria Educacional. Recife - PE, 2010.

RAMOS, M. L. M. Alterações citopatológicas ocasionadas pelo Papilomavírus Humano (HPV) em adolescentes no Brasil. Monografia (Especialização) - Pós-graduação em Citologia Clínica. Centro de Consultoria Educacional. Recife - PE, 2013.

FERNANDES, E. Avaliação do perfil das lesões intraepiteliais escamosas em mulheres residentes no município de Guamaré - RN. Monografia (Especialização) - Pós-Graduação Lato Senso em Citologia Clínica. Centro de Capacitação Educacional. Recife – PE, 2014.

REAGAN, J. W.; HICKS, D. J. A study of in situ and squamous-cell cancer of the uterine cervix. Cancer, 1953; 6:1200-1204.

AIDÉ, S.; ALMEIDA, G.; VAL, I.; JUNIOR, N. V.; CAMPANER, A. B. Neoplasia Intraepitelial Cervical. DST - Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, 2009; 21(4): 166-170.

MORENO, M. J. C. Perfil das mulheres com câncer de colo de útero usuárias do hospital Agostinho Neto - Cabo Verde. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Florianópolis - SC, 2010.

INCA - INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER – Ministério da Saúde. Rio de Janeiro, 1996-2006. Disponível em: . Acesso em: 07 Nov. 2017.

SILVA, M. M. P. Controle da neoplasia maligna do colo do útero: a resolutividade na atenção básica. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde. Natal - RN, 2011.

MAIA, L. B. Estudo comparativo entre os exames de citologia esfoliativa convencional e em base líquida para o rastreamento de lesões intraepiteliais anais associadas à infecção pelo papilomavírus humano em pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana. Tese (doutorado) - Pós-graduação em Ciências Médicas - Universidade de Brasília. Brasília - DF, 2013.

SOLOMON, D.; DAVEY, D.; KURMAN, R.; MORIARTY, A.; O'CONNOR, D.; PREY, M.; RAAB, S.; SHERMAN, M.; WILBUR, D.; WRIGHT JR T.; YOUNG, N. The 2001 Bethesda System - Terminology for reporting results of cervical cytology. JAMA, 2002; 287(16): 2114-2119.

BUENO, K. S. Atipias escamosas de significado indeterminado: novas qualificações e importância na conduta clínica. Revista Brasileira de Análises Clínicas, 2008; 40(2): 121-128.

ROSA, M. I.; MEDEIROS, L. R.; ROSA, D. D.; BOZZETI, M. C.; SILVA, B. R. Papilomavírus humano e neoplasia cervical. Cadernos de Saúde Pública, 2009; 25(5): 953-964.

GONTIJO, R. C.; DERCHAIN, S. F. M.; PETTA, C. A. O futuro - Vacinas. 2014. Disponível em:. Acesso em: 11 Nov. 2017.

NETO, J. E. A Vacina contra o papilomavírus humano. Comentário sobre o artigo do Dr. Juan Gérvas. Revista Brasileira de Epidemiologia, 2008; 11(3): 205-525.

SILVA, M. J. P. M. A.; GONÇALVES, A. K. S.; GIRALDO, P. C.; PONTES, A. C.; DANTAS, G. L.; SILVA, R. J. O.; SILVA, L. G. P. A eficácia da vacina profilática contra o HPV nas lesões HPV induzidas. Revista Femina, 2009; 37(10): 520-526.

SIMÕES, C. B. Vacinas contra o HPV: Uma visão crítica. Diagnóstico e Tratamento, 2010; 15(2): 92-95.

ABPTGIC - Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia. Recomendações da AGPTGIC para vacinação contra HPV. Revista Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior, 2012; 2(2): 97-100.

INSTITUTO DO HPV - Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia das Doenças do Papilomavirus Humano. Guia do HPV - Entenda de vez os papilomavírus humanos, as doenças que causam e o que já é possível fazer para evitá-los. Disponível em: Acesso em: 11 Nov. 2017.

DINIZ, M. O.; FERREIRA, L. C. S. Biotecnologia aplicada ao desenvolvimento de vacinas. Estudos Avançados, 2010; 24(70): 19-30.

.FIGUEIREDO, C. B. M.; ALVES, L. D. S.; SILVA, C. C. A. R.; SOARES, M. F. L. R.; LUZ, C. C. M.; FIGUEIREDO, T. G.; FERREIRA, P. A.; NETO, P. J. R. Abordagem terapêutica para o Papilomavírus Humano (HPV). Revista Brasileira de Farmácia, 2013; 94(1): 4-17.

JUNIOR, N. V. Vacina quadrivalente contra HPV 6, 11, 16, 18: a mais nova ferramenta de prevenção. DST - Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, 2006; 18(4): 220-223.

MUÑOZ, N.; MANALASTAS, J. R. R.; PITISUTTITHUM, P.; TRESUKOSOL, D.; MONSONEGO, J.; AULT, K. et al. Safety, immunogenicity, and efficacy of quadrivalent human papillomavirus (types 6, 11, 16, 18) recombinant vaccine in women aged 24-45 years: a randomized, double-blind trial. Lancet, 2009; 373:1949-1957.

VILLA, L. L.; COSTA, R. L.; PETTA, C. A.; ANDRADE, R. P.; AULT, K. A.; GIULIANO, A. R. et al. Prophylactic quadrivalente human papillomavirus (types 6, 11, 16, and 18) L1 virus like particle vaccine in young women: a randomized double-blind placebo-controlled multicentre phase II efficacy trial. The Lancet Oncology, 2006; 6(5): 271-278.

FERRIS, D. for the FUTURE II Study Group. Prophylactic efficacy of a quadrivalent HPV (type 6, 11, 16, 18) vaccine in Women with virologic evidence of HPV infection. The Journal of Infectious Diseases, 2007; 196: 1438-1445.

OLSSON, S. E.; VILLA, L. L.; COSTA, R. L.; PETTA, C. A.; ANDRADE, R. P.; MALM, C. et al. lnduction of immune memory following administration of a prophylactic quadrivalent human papillomavirus (HPV) types 6/11/16/18 L1 virus-like particle (VLP) vaccine. Vaccine 2007; 25:4931-4939.

FEBRASGO - Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de Orientação Vacinação da Mulher, 2013. Pág. 25-34. Disponível em: . Acesso em: 07 Nov. 2017.

BRAGAGNOLO, A. L.; ELI, D.; HAAS, P. Papiloma Vírus Humano (HPV). Revista Brasileira de Análises Clínicas, 2010; 42(9): 91-96.

NADAL, L. R. M.; NADAL, S. R. Indicações da vacina contra o papilomavirus humano. Revista Brasileira de Coloproctologia, 2008; 28(1): 124-126.

Brasil. Ministério Da Saúde. Saúde de A a Z: HPV. Disponível em: . Acesso em: Mar. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-023

Refbacks

  • There are currently no refbacks.